De dona Brigitte a seu Abdo, as perdas que Nova Friburgo sofreu em 2021

Osmar de Castro, chef Dê, Miracema, Mario Valdanini, César Namer, José Gastim e Beth do Licínio também foram mortes muito sentidas
terça-feira, 28 de dezembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Foto: Henrique Pinheiro
Foto: Henrique Pinheiro

Foi um ano de muitas perdas em Nova Friburgo - centenas delas, quase na casa dos mil, por Covid-19. Perdemos também alguns dos nossos mais queridos centenários, como dona Brigitte Schlupp, um dia após completar 103 anos de idade; Rosália Villaça, a dona Detinha, aos 104; e Abdo Carim, o seu Abdinho, também aos 104. Também houve perdas precoces, como a do mestre de bateria Elton Valeriano, aos 36. Que 2022 nos leve menos. 

Clique no azul para relembrar.

 

Janeiro:

Aluysio da Silva Neno, fundador da Paróquia de Sant’Ana, do GPH e da Cáritas Diocesana

Felipe Louback, policial rodoviário e professor, atingido por um tiro acidental de arma de fogo

Brigitte Schlupp, que, juntamente com seu marido, o pastor Schlupp, fez do Cêfel um dos colégios mais queridos da cidade, aos 103 anos

Osmar de Castro, fotógrafo e pesquisador que dedicou sua vida a compor, colecionar e expor o maior acervo de fotografias e documentos de Nova Friburgo

 

Fevereiro:

Gilson Rangel, professor de História e Filosofia, de complicações de saúde ocasionadas pela Covid-19

José Higino Pires de Moraes, o Chilo, criador do Clube do Linguinha do Country Clube junto com o inseparável amigo Chico Faria

 

Março:

Dona Lurdes Celles Cordeiro, viúva de Paulo Cordeiro, empresário e um dos fundadores do Rotary Club Nova Friburgo, aos 95 anos

 

Abril:

José Carlos Schuenk, ex-vereador, vítima da Covid-19

 

Junho: 

Carlos Langoni, economista friburguense que presidiu o Banco Central,  representou o Brasil no FMI e ajudou a criar a taxa Selic, de complicações da Covid

Gerson de Souza, corretor de seguros muito querido dos friburguenses

Dê da Silva, chef de cuisine e um dos idealizadores do Festival de Truta de Nova Friburgo

 

Julho:

Ruy Galindo, profissional de mídia  que atuava há 25 anos como gerente da Luz Publicidade, uma das maiores agências especializadas em matérias institucionais

Rosália Villaça, a Dona Detinha, costureira, telefonista e viúva de Teleco, jogador do antigo Esperança, aos 104 anos

 

Agosto:

Miracema, fotógrafo que ficou famoso por registrar aniversários, casamentos e bailes, além de retratar crianças para álbuns de família, aos 94 anos

Fernando Ventura Júnior, radialista esportivo

Elton Valeriano, mestre de bateria do Blocão do Rastafare e cria da Imperatriz, onde também atuava, aos 36 anos

Zé Pinto de Faria, lenda do futebol local, grande ídolo da história do Fluminense de Friburgo, aos 73 anos

Franco Lo Bianco, advogado e proprietário de imobiliária, aos 75 anos

Abdo Carim, o seu Abdinho, um dos primeiros centenários de Friburgo a se vacinar, aos 104 anos, de Covid

 

Setembro:

Mario Valdanini, artista plástico dos mais talentosos da cidade, aos 69 anos

 

Outubro:

Salustiano Cantelmo Weidlich, empresário que presidiu a Firjan Centro-Norte Fluminense de 1993 a 2002

Assis Torres, radialista e locutor, de complicações da Covid

João Machado Evangelho, padre, de complicações da Covid

 

Novembro:

César Namer, o simpático dono do restaurante Arroz com Feijão

José Kalil Gastim, fundador das antigas Casa do Barulho e da Casa Gastim, além de atuar na colônia libanesa,  aos 92 anos

 

Dezembro:

Beth do Licínio, ex-colunista social de A VOZ DA SERRA

LEIA MAIS

Professor fez história como atleta, técnico e incentivador do esporte municipal

Conhecido pelo seu trabalho em papel machê, Zeppe criava esculturas, transformando em 3D obras de artistas e personagens

Filho de Maria do Carmo Bispo dos Santos, ex-funcionária dos Correios e uma das mais antigas assinantes do AVS

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obituário