Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

19/04/2019

Outro dia estava aqui escrevendo o tanto que sentir saudade dói. Não há uma dor física que possa ser comparada. É algo que vem lá de dentro, das profundezas da alma, do fundo do coração. Saudade tem suas nuances. Pode nos mover em várias direções. Tem poder de ser mola propulsora para diversas ações. Saudade nos leva ao choro no travesseiro, no banho, na rua, em todo lugar. Conduz a lágrima de canto de olho que insiste em cair quando toca aquela música, quando olhamos aquela paisagem, quando fitamos uma foto. Muitas vezes, é o que nos derruba. É o sufoco sem conforto. A dor sem remédio.

Leia mais
12/04/2019

Melhor viver sem trapaça. Observando com o olhar de uma pessoa completamente leiga os eventos da natureza, consigo, ainda que mais ou menos, perceber uma lógica, o sentido da lei de causa e efeito. Embora sinta dó, assimilo que o predador e a presa tenham entre eles uma questão de sobrevivência, de subsistência para resolverem. O consolo para além da questão do ciclo natural da vida é a certeza de que os animais agem por instinto e não por intenção de fazer um mal. O quebra-cabeça se encaixa.

Leia mais
05/04/2019

Eu tenho uma proposta a fazer. Não serei a primeira e muito menos a última pessoa a fazê-la. É tecnicamente simples, porém de aplicação rara. O treinamento é o seguinte: ponha-se no lugar do outro. Esse é o primeiro passo. Em sequência, reflita: eu gostaria que fizessem comigo o que eu faço com ele ?

Leia mais
29/03/2019

Mia Couto, li suas palavras. Compadeci-me com cada uma delas. Transportei-me à África. Parte de meu coração se transmudou para a sua região. Vi sua terra natal, Beira, em Moçambique, sangrando em meio àquele marrom devastado pela catástrofe. E sofri. Um furacão de dor. Deu para sentir.

Leia mais
22/03/2019

Mulheres e homens, honrem sua palavra. Honremos todos.

Encontro-me um tanto desiludida, farta e desapontada com a quantidade de palavras lançadas ao vento sem valor algum por todo canto. Coisas ditas que somem ao léu sem qualquer compromisso. Palavras vagas, sentidos jogados, desolados, perdidos em meio ao nada. Aprendi diferente. De onde eu venho, as pessoas empregam sinceramente esforços para honrar suas promessas e as promessas dos outros feitas a elas. Cumprem o combinado. Levam em consideração os pactos de honra, a expressão da vontade, o aperto de mãos.

Leia mais
15/03/2019

Em meio a uma reunião, pautas completas, conversas a todo vapor e eis que um abismo se abre na mente que parece vazia de tudo e cheia de nada. Acontece. Um encontro muito esperado, tantos sentimentos por dizer, muita coisa a partilhar e eis que as palavras somem e os pensamentos embaralham, como resultado, um nada a dizer. Acontece. Uma aula a ser dada, pontos relevantes a ser enfatizados, tudo preparado. E eis que na hora, não se lembra de nada. Dá "um branco". Um lapso. Acontece. Faz parte da vida.

Leia mais
08/03/2019

Oito de março. Dia internacional da Mulher. Elas/nós somos o tema da coluna de hoje. Longe dos clichês - mas nem tanto – o que seria de tudo no mundo sem nós ? Tá, vamos começar com o básico: ninguém teria nascido. E tudo mais merece anos de análises profundas. O papel da mulher não é basilar apenas na estrutura familiar. A sociedade não teria a configuração que tem se não fossem as mulheres e as lutas pelas quais vem batalhando por anos, décadas, séculos à fio.

Leia mais
01/03/2019

A folia está aí. Vale brincar. A alegria faz parte da alma do brasileiro. É rico traço cultural. O povo espera por essa época e milhões de pessoas merecem celebrar. Mas nesse meio tempo, que não nos falte sanidade para lembrarmos das seríssimas questões que nos assolam enquanto sociedade.

Leia mais
22/02/2019

Todo santo dia nos deparamos com mesas redondas - reais e metafóricas-, cujas cadeiras confortáveis são ocupadas por centenas de milhares de pessoas propensas a julgar os outros. Vemos de tudo. Os assuntos são os mais variados possíveis. Alguns, de extrema relevância social, e outros, com sua importância pessoal. Há aqueles deveras desimportantes, irrelevantes e que tomam um tempo invejável em seus debates. Sua inutilidade pode ser tamanha que passamos a questionar sua real (in) significância.

Leia mais
15/02/2019

Adianta ser correto se a maioria das pessoas teima em adotar o “jeitinho” como atalho para alcançar as mesmas coisas? Adianta ser sensível em um mundo onde tanta gente se afasta cada vez mais do que há de mais humano nas relações? Adianta manter o tom de voz calmo quando o ambiente grita ao seu redor? Adianta. E se ninguém mais cumpre a lei, serei eu sua única cumpridora? Serei. Quando todos falarem mal do amor, permanecerei sendo sua fiel defensora? Sempre.

Leia mais