Robério Canto

Escrevivendo

No estilo “caminhando contra o vento”, o professor Robério Canto vai “vivendo e Escrevivendo” causos cotidianos, com uma generosa pitada de bom humor. Membro da Academia Friburguense de Letras, imortal desde criancinha.

15/08/2018

Lembrar ou esquecer são mistérios da memória

Leia mais
08/08/2018

Hoje em dia, a gente dorme bem informado e, ao se levantar de manhã, não passa de um ignorante

O mundo até que vinha andando devagarinho. Levava milênios para ir de uma era geológica para outra. Foram quatro bilhões de anos mudando com cautela, gastando tempo sem fim para passar de um período a outro. A natureza não tinha pressa.  Mas, eis que de repente, parece que os freios do planeta arrebentaram, e nas últimas décadas tudo mudou tão velozmente que pessoas nascidas há uns míseros sessenta anos passaram por mais transformações do que toda a humanidade que as antecedeu.

Leia mais
01/08/2018

Começamos a sentir que estamos envelhecendo quando o médico receita remédio para a memória e nos esquecemos de tomar

Leia mais
25/07/2018

O olhar foi suficiente para que eu perdesse toda a voz e a minha pouca coragem

Quem não conhece o samba “Tiro ao Álvaro”, de Adoniran Barbosa: “Teu olhar mata mais que bala de carabina/que veneno estricnina”? Trata-se de um daqueles olhares que derretem o gelo e fazem ferver o coração apaixonado. Um tipo de olhar que mata, mas de amor, pois de amor também se morre, como nos ensina o poeta Gonçalves Dias: “Amá-la sem ousar dizer que amamos,/E, temendo roçar os seus vestidos,/ Arder por afagá-la em mil abraços:/ Isso é amor, e desse amor se morre”.

Leia mais
18/07/2018

A ela só resta obedecer humildemente

Numa roda de senhores mais ou menos sérios, um deles resolve mostrar como exerce sua autoridade sobre a mulher e os filhos.

Leia mais
11/07/2018

Quando você não tiver ideias próprias para colocar, valha-se das alheias

Famoso ator inglês interpretava Ricardo III e, a certa altura da peça de Shakespeare e da História da Inglaterra, o rei está perdendo a batalha e começa a gritar para que alguém traga a montaria que lhe permita perseguir seu adversário: “Meu reino por um cavalo!” Da plateia, um engraçadinho perguntou: “Um burro serve?” O ator interrompeu a apresentação e respondeu, com fleuma britânica: “Serve. Pode subir”.

Leia mais
04/07/2018

Por que não mudaria o modo humano de ler, contar e entender as histórias e a própria história?

Leia mais
27/06/2018

Eu me lembro do rio Negro e já me dou por muito satisfeito

Leia mais
20/06/2018

E lá estava a prótese, todos os grampos brilhando, como se nada lhes houvera acontecido

Leia mais
13/06/2018

Gente que já estava entregando a alma ao Criador agora está fazendo planos para começar vida nova

Leia mais