Robério Canto

Escrevivendo

No estilo “caminhando contra o vento”, o professor Robério Canto vai “vivendo e Escrevivendo” causos cotidianos, com uma generosa pitada de bom humor. Membro da Academia Friburguense de Letras, imortal desde criancinha.

16/05/2017

Mas, em matéria de linguagem, é melhor ficar no tradicional do que inventar besteira

Eu até sei algumas coisinhas de português, mas a vastidão do que não sei é que realmente me impressiona. De modo que não me atrevo a corrigir o que os outros falam ou escrevem e, se o faço por dever profissional, procuro achar mil acertos antes de apontar um erro.

Leia mais
09/05/2017

... se tantos são os doidos, ser doido é o normal

Leia mais
02/05/2017

Se roubou, foi por lá. Aqui, no entanto, ele não cometeu  nenhum crime

Leia mais
25/04/2017

Veja os alemão da fábrica. Tudo arrumado, tudo de terno, tudo careca

Leia mais
18/04/2017

Caramba! Haja paciência pra dar um atendimento profissional a essa gente que nem sabe explicar o que quer!

- Boa tarde, eu queria falar com o deputado Castanheira.

- Fala, querido!  Que que você manda?
- Peço. Humildemente peço que o deputado Castanheira entre em contato comigo. Por favor, Diga a ele que é o...

- Olha, meu bem, dizer eu digo, mas só quando o doutor Castanheira aparecer por aqui.

- Quando ele volta?

- Sabe Deus, benzinho!

- A senhora não sabe onde ele está agora?

Leia mais
12/04/2017

“Pra se entender/Tem que se achar/Que a vida não é só isso que se vê/ É um pouco mais/Que os olhos não conseguem perceber/ e as mãos não ousam tocar...” (Sei lá, Mangueira - Hermínio Belo de Carvalho e Paulinho da Viola)

Um menino, que mora longe do litoral, é levado pelo pai para conhecer o mar. Quando chega à praia, diante daquela grandeza, diante de tanta beleza,  consegue dizer apenas:

- Pai, me ensina a olhar!

Leia mais
04/04/2017

Mas isso não lhes tira o mérito de serem grandes e talentosos ladrões

Leia mais
28/03/2017

A beleza é um colírio que entra pelos olhos e adoça o coração

Leia mais
21/03/2017

...chamados de urubu, transformaram um bicho nojento na mais admirada ave do Brasil

A oficina ficava espremida entre uma borracharia e um ponto de jogo do bicho (atividade extinta há décadas no Brasil, mas que, sendo o Brasil o Brasil, achava-se ainda em pleno funcionamento). Não era, portanto, o endereço mais nobre da cidade. Isso não impedia que Zé da Graxa tirasse dali os trocados com que, bem ou mal, sustentava a mulher, um filho de sete anos e uma filha de dezesseis.

Leia mais
14/03/2017

Uma pequena frase mal construída pode causar grandes embaraços

Leia mais