Wanderson Nogueira

Palavreando

Aos sábados, no Caderno Z, o jornalista Wanderson Nogueira explora a sua verve literária na coluna "Palavreando", onde fala de sentimentos e analisa o espírito e o comportamento humano.

23/04/2022

Minha mãe tinha todos os LPs do Roberto. Na verdade, o único que ela não tinha era o primeiro: “Louco Por Você”. Uma raridade. A editora Columbia lançou apenas mil cópias e o Rei Roberto jamais permitiu que o álbum de 12 músicas fosse reeditado ou mesmo que suas canções fossem colocadas no streaming. 

Leia mais
15/04/2022

A Agência Espacial Europeia apresentou a imagem do Sol com a maior resolução já feita. A fotografia é um mosaico de 25 imagens individuais tiradas por telescópio de alta resolução, em luz ultravioleta extrema, a uma distância de 75 milhões de quilômetros da estrela de fogo. A foto final contém mais de 83 milhões de pixels. Para mostrar o tamanho gigante do Sol ou como nosso planeta é minúsculo, a Agência colocou a Terra, na posição das duas horas, no canto superior direito da imagem. Um pontinho quase que não identificado de tão miúdo. 

Leia mais
08/04/2022

A grama do vizinho é realmente mais verde que a nossa? Por que tanta gente acha que os sonhos realizados pelo outro são mais fáceis de serem alcançados? Que na casa dos outros não tem bagunça, que o casal lindo que vemos pelas fotos das redes sociais não tem contas a pagar? De onde o ser humano tira a ideia de que o melhor está lá e não aqui ?

Leia mais
02/04/2022

Quantos bits têm uma vida? Quantas cores há na paleta de tons da vida? Como seria bom se a jornada de cada um de nós fosse como nos jogos de videogame. Cair em penhascos e voar, se espatifar e sobreviver, ter três vidas para gastar, pausar e deixar o jogo salvo para ser retomado depois. 

Leia mais
26/03/2022

Um amigo me apresentou uma entrevista do dramaturgo, escritor e psicanalista Contardo Calligaris em que defende o direito à tristeza e contesta o sentido da felicidade. “Não quero ser feliz. Quero é ter uma vida interessante”. 

Leia mais
19/03/2022

Flores de outono sobrevivem ao inverno, reavivam na primavera e se despedem no verão para renascerem de novo. Pudera todos os amores serem assim: vindouros no inverno, apaixonados na primavera e reinventados em todos os verões. Os amores têm muito que aprender com as flores, e nós, com as estações. 

As flores despedaçam, pois sua natureza é frágil. Não porque nasçam para voar a qualquer vento, mas porque são filhas do cuidado e sua beleza reside na capacidade resiliente de voar e se plantar em terreno de fértil imaginação para suas cores. 

Leia mais
12/03/2022

Não há ser mais confiável do que um cronista. Suas verdades não são certezas e suas certezas não são imposições. É um ouvinte nato que gosta de colher pencas de histórias onde os braços não alcançam. Ou mesmo histórias que estão ao redor da árvore, alimentando raízes e pássaros mais preguiçosos. 

Leia mais
05/03/2022

No céu de estrelas de outubro, exatamente no mesmo teto azul de julho, tudo parou. Tudo, absolutamente tudo. Paralisou, como cena de filme que pausamos para ir ao banheiro ou para pegar um copo de Coca-Cola. 

Leia mais
26/02/2022

Ah, carnaval! Como te quero todos os anos e cada vez mais. Se pudesse ficar o ano inteiro... Ainda que os amores que produz fiquem batucando meu coração, minhas memórias, nossas mais pertences nostalgias, sinto a ausência da sua presença para além dos seus dias. 

Leia mais
19/02/2022

A fé move as pessoas, o idealismo reforça a recusa em esmorecer perante as fraquezas e intrigas alheias, mas é a coragem que determina o poder que temos em mudar o mundo. Mudar nossos bairros, nossa cidade, nossa realidade, a si mesmo. Mudar os lugares e a lida cotidiana, no entanto, só faz sentido se for pelas pessoas. 

Leia mais