Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

06/05/2021

Na coluna de hoje faço uso de uma narrativa escrita por Adolpho Hartmann, aluno de engenharia da Escola Politécnica do Rio de Janeiro e publicada no periódico Brazil Illustado no ano de 1887. Fiz uma adaptação do texto sem prejudicar a sua estrutura em razão de sua extensão e foquei no assunto que nos interessa nesta ocasião. O texto escrito por Hartmann é apenas um exemplo, entre muitos outros que tenho pesquisado, para analisar o tipo de representação, ou seja, a imagem que os cariocas tinham sobre Nova Friburgo no século 19.

Leia mais
29/04/2021

Na virada do ano de 1849 para 1850, o Rio de Janeiro foi assolado por uma devastadora epidemia de febre amarela. As estimativas indicam que 15 mil cariocas morreram desta doença. Com variável intensidade, a febre amarela provocaria mortes no Brasil praticamente a cada verão pelos 60 anos seguintes. Os médicos recomendavam no verão, durante a canícula, as cidades serranas como lugares mais seguros. A família imperial, assessores e políticos elegeram Petrópolis como refúgio. Nova Friburgo era igualmente o destino dos cariocas que fugiam do flagelo da epidemia.

Leia mais
23/04/2021

Antônio Alves Pinto Martins, natural do Minho, em Portugal, estabeleceu domicílio em 1914 em Nova Friburgo com a esposa Carolina, os sete filhos e a enteada. O Seu Martins ou Seu Pinto, como era conhecido, mesmo aos 52 anos, considerada à época como uma idade bem avançada, migrou do comércio para a lavoura adquirindo uma chácara que ficou conhecida como Vila Amélia. Produzia e comercializava laticínios, verduras, legumes, frutas frescas e em conserva, mel e linguiças defumadas com a marca V.A., de Villa Amélia.

Leia mais
15/04/2021

Na história de Nova Friburgo não podemos deixar de trazer sempre a memória do seu mais importante protagonista, Antônio Clemente Pinto, o Barão de Nova Friburgo. Nascido em Portugal em 6 de janeiro de 1795, no Vilarejo de Ovelha do Marão, veio para o Rio de Janeiro em 1807, com 12 anos, na companhia de seu tio João Clemente Pinto Filho. Antônio Clemente Pinto iniciou o garimpo no município de Cantagalo na década de 1820. Recebeu sesmarias, ou seja, terras do governo devendo em contrapartida desenvolver alguma atividade econômica.

Leia mais
08/04/2021

Na coluna de hoje faço um pequeno resumo sobre as características dos povos formadores de Nova Friburgo. Antes mesmo que os suíços se instalassem na colônia de Nova Friburgo havia na região fazendeiros originários de Minas Gerais e colonos portugueses dos Açores e da Ilha da Madeira. Merece destaque Antônio José Mendes, nascido em 1822, natural dos Açores, que se estabeleceu nas Terras Frias atual distrito do Campo do Coelho.

Leia mais
01/04/2021

Inicialmente é preciso esclarecer quem é a família Nova Friburgo. O patriarca é Antônio Clemente Pinto, o primeiro Barão de Nova Friburgo. Um de seus dois filhos, Bernardo Clemente Pinto Sobrinho passou a adotar como nome de família a denominação “Nova Friburgo” em substituição a Clemente Pinto.  O primeiro Barão de Nova Friburgo foi um dos homens mais ricos no Império, tendo a sua fortuna origem no tráfico de escravos africanos, no plantio e na comercialização de café e como usurário realizando empréstimo de dinheiro aos fazendeiros.

Leia mais
25/03/2021

Última parte

Em 25 de julho de 1889 foi inaugurada em Nova Friburgo uma enfermaria provisória na Rua General Osório para tratamento de oficiais e praças da armada acometidos de beribéri. Tudo indica que duas foram as razões para a escolha de Nova Friburgo. A primeira foi a salubridade do clima das montanhas e a segunda o uso da hidroterapia, notadamente das duchas, do Instituto Sanitário Hidroterápico instalado no centro da cidade.

Leia mais
18/03/2021

Primeira parte

 

No final do século 19, a Marinha do Brasil instalou em Nova Friburgo enfermarias para o tratamento de praças da Armada acometidos de beribéri. O índice de mortalidade dos marujos instalados na ilha do Bom Jesus preocupou o Barão do Ladário, ministro da Marinha à época. Foram alugadas provisoriamente por esta instituição militar duas pequenas chácaras com casas de vivenda na Rua General Osório.

Leia mais
11/03/2021

No ano de 2024 a comunidade alemã de Nova Friburgo celebrará o bicentenário de sua imigração. Os alemães são os únicos que vieram para esta terra tanto na qualidade de colonos como de imigrantes. Antes é preciso entender o contexto da época. A Alemanha não era um país unificado na ocasião em que os germanos imigraram para Nova Friburgo, sendo originários de reinos, grão-ducados, ducados e principados.

Leia mais
04/03/2021

A escravidão levou consigo ofícios e aparelhos (...) Não cito alguns aparelhos senão por se ligarem a certo ofício. Um deles era o ferro ao pescoço, outro o ferro ao pé; havia também a máscara de folha de flandres. A máscara fazia perder o vício da embriaguez aos escravos, por lhes tapar a boca. Tinha só três buracos, dois para ver, um para respirar, e era fechada atrás da cabeça por um cadeado. (...) Era grotesca tal máscara, mas a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel. Os funileiros as tinham penduradas, à venda, na porta das lojas.

Leia mais