Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

04/03/2021

A escravidão levou consigo ofícios e aparelhos (...) Não cito alguns aparelhos senão por se ligarem a certo ofício. Um deles era o ferro ao pescoço, outro o ferro ao pé; havia também a máscara de folha de flandres. A máscara fazia perder o vício da embriaguez aos escravos, por lhes tapar a boca. Tinha só três buracos, dois para ver, um para respirar, e era fechada atrás da cabeça por um cadeado. (...) Era grotesca tal máscara, mas a ordem social e humana nem sempre se alcança sem o grotesco, e alguma vez o cruel. Os funileiros as tinham penduradas, à venda, na porta das lojas.

Leia mais
25/02/2021

Para onde vão as águas de Nova Friburgo? Qual é o caminho das águas desde o Caledônia até o encontro com o mar? Principal rio de Nova Friburgo, o Rio Grande nasce no alto do Caledônia onde podemos visualizar todo o vale de São Lourenço. Este maciço de granito eleva-se a 2.257 metros acima do nível do mar, sendo o segundo ponto mais alto da Serra do Mar. De lá também pode-se avistar o vale do Rio Bengalas que é um importante afluente do Rio Grande.

Leia mais
18/02/2021

Desde o final do século 19, os hotéis eram espaços de sociabilidade dos friburguenses e veranistas. Era nos hotéis que se realizavam os saraus, as soirées, as folias de carnaval e onde se dançavam quadrilhas, valsas, polcas e mazurcas. Neste fim de século se destacavam o Hotel Salusse do francês Guillaume Marius Salusse, o Hotel Central do italiano Carlos Éboli e hoje Colégio Nossa Senhora das Dores, e o Hotel Leuenroth dos irmãos Friedrich e Paul Leuenroth, mercenários alemães do Batalhão de Estrangeiros.

Leia mais
11/02/2021

Um dos relatos mais divertidos que já li em minhas pesquisas no jornal O Friburguense foi a matéria “Polícia carnavalesca, soldados rolistas e maxixeiros. Durma-se com um barulho deste!” Trata-se do carnaval de fevereiro de 1901 quando a polícia transformou-se durante os três dias de folia em um verdadeiro pomo de discórdia. Segundo o jornal, a polícia foi uma ameaça constante ao pacato cidadão que “sofreu a macaca” quando procurava divertir-se durante os folguedos carnavalescos.

Leia mais
04/02/2021

Antes de iniciar a narrativa sobre a família De Beauclair, cabe uma indagação. Por que os fazendeiros produtores de café passaram a contratar médicos para cuidar especificamente de seus escravos? A lei Eusébio de Queiroz de 1850, que proibiu o tráfico negreiro no Atlântico Sul com o continente africano fez aumentar extraordinariamente o preço dos escravos. Os fazendeiros abastados e com significativo plantel de escravos passaram a recorrer aos serviços de médicos europeus que vinham para o Brasil na segunda metade do século 19.

Leia mais
28/01/2021

A família de Brigitte Schlupp veio para o Brasil no início da década de 1920, se instalando inicialmente na Bahia, onde havia muitos imigrantes alemães. Brigitte nasceu na Alemanha, em 23 de janeiro de 1918, e possivelmente a família emigrou em razão da crise econômica na Alemanha provocada pela Primeira Guerra Mundial.

Leia mais
21/01/2021

A primeira vez que Machado de Assis esteve em Nova Friburgo foi em 1878, para tratar de uma estafa e de uma retinite. Desde a sua criação Nova Friburgo era um município conhecido pela salubridade de seu clima atraindo indivíduos que vinham se curar da tuberculose que afligia, pelo menos, um membro de cada família brasileira. Neste sentido, este município era uma estância de cura para onde se dirigiam os cariocas abastados ou morigerados para a convalescência da tísica ou de outros “incômodos”.

Leia mais
14/01/2021

Poucos sabem, mas o município de Sumidouro pertencia a Nova Friburgo no século 19, que possuía um território quase três vezes maior do que nos dias de hoje. Eram quatro as suas freguesias, a de São João Batista, sede da vila, Nossa Senhora da Conceição do Paquequer, São José do Ribeirão e Nossa Senhora da Conceição do Ribeirão da Sebastiana.

Leia mais
07/01/2021

Nos encontramos na iminência de completar dez anos do maior desastre climático registrado no Brasil. Este sinistro ocorreu na madrugada do dia 12 de janeiro de 2011 na região serrana fluminense, envolvendo, pelo menos, 11 municípios atingidos pelo desastre. Fui procurar em Nova Friburgo um lugar de memória deste trágico acontecimento, aquilo que a imaginação investe de aura simbólica e o encontrei no conjunto habitacional Terra Nova.

Leia mais
31/12/2020

Ao finalizar um ano tão difícil, uma boa notícia: o lançamento do livro “Retrato Falado, uma radiografia da sociedade e de nossa gente” do Prof. Alexandre Gazé, pró-reitor da Universidade Candido Mendes e que durante muitos anos foi colunista de A Voz da Serra. Para a elaboração do livro, o Prof. Gazé selecionou 61 entrevistas das 170 que realizou nos últimos cinco anos em um programa na Luau TV, ao lado de Juca Berbert.  

Leia mais