Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

07/12/2017

Campo do Coelho, terceiro distrito de Nova Friburgo abrigou vários latifúndios no passado, o que derruba o paradigma de que a estrutura agrária do município era baseada tão somente na pequena propriedade rural. Por estarem as suas terras a 910 metros de altitude, consideradas como Terras Frias, o café não medrava e plantavam-se principalmente batatas. Além de imprópria para o cultivo do café é igualmente para a criação de gado.

Leia mais
30/11/2017

O Brasil, assim como a Europa, teve a sua nobreza da terra. Um dos nobres mais exponenciais durante o Império foi Antônio Clemente Pinto, o primeiro barão de Nova Friburgo. Casado com a sua prima Laura Clemente Pinto tiveram dois filhos: Antônio Clemente Pinto, barão, visconde e conde de São Clemente, e Bernardo Clemente Pinto Sobrinho, segundo barão, visconde e conde de Nova Friburgo. O primeiro barão foi um dos homens mais ricos quando o café era o principal item de exportação da economia nacional, além de amigo do imperador D.

Leia mais
23/11/2017

O trecho da linha férrea que tem ligação com Nova Friburgo teve a sua primeira concessão em 18 de março de 1856, mediante uma proposta feita pelo Visconde de Barbacena, que se encarregaria de construir, conservar e custear uma estrada de ferro entre Porto das Caixas e Cantagalo, passando por Nova Friburgo. Porém, em razão do não cumprimento de cláusulas contratuais a concessão foi transferida para Antônio Clemente Pinto, o Barão de Nova Friburgo, e os comendadores Cândido José Rodrigues Torres e Joaquim José dos Santos Júnior.

Leia mais
16/11/2017

A espada do coronel Galiano das Neves

Leia mais
09/11/2017

Na semana passada, entrevistei o sr. Gilson Sobrinho Knust, morador de Conselheiro Paulino desde a sua infância, há mais de oito décadas. Percorri com ele o distrito para localizarmos onde era a estação de trem. Igualmente onde se virava a chave que direcionava a locomotiva para Sumidouro ou para Cantagalo. Registrei ainda muitas histórias sobre a velha Maria Fumaça, contadas pelo sr. Gilson. No entanto, o meu interesse maior era que ele me mostrasse em Conselheiro Paulino onde ficava localizada a casa-sede da Fazenda Ponte das Tábuas.

Leia mais
02/11/2017

Última parte

Para o plantio do café uma larga extensão da mata virgem foi derrubada no Norte fluminense. Plantadas as mudas, no fim do terceiro ano, os novos cafeeiros produziam frutos, atingindo plena produção no sexto ano. No século 19, calculava-se entre 25 e 40 anos a duração de um cafeeiro produtivo. No entanto, alguns afirmavam que o cafeeiro pouco produzia com mais de 20 anos. Mas atualmente, com novas técnicas, como a poda dos pés de café denominada de esqueletamento, e com a adubagem da terra, os cafeeiros atingem maior longevidade.

Leia mais
26/10/2017

Quem passa por Bom Jardim avista da estrada seus morros cobertos por pés de café. Todas essas plantações e muitas outras que a vista não alcança pertencem à família Erthal. Entrevistei o sr. Aloísio dos Santos Erthal e sua esposa, Maria das Dores Monnerat Erthal, assim como um dos filhos do casal Miguel Erthal, responsável pela administração de nove fazendas de café da família.

Leia mais
19/10/2017

Após o incêndio, descobertas históricas

Leia mais
12/10/2017

A Fazenda Campestre e o caminho dos escravos

Leia mais
05/10/2017

Engenho novo bota a roda pra rodar 

Leia mais