Wanderson Nogueira

Palavreando

Aos sábados, no Caderno Z, o jornalista Wanderson Nogueira explora a sua verve literária na coluna "Palavreando", onde fala de sentimentos e analisa o espírito e o comportamento humano.

30/10/2019

Se tudo que fizesse da vida eu escrevesse num diário, não conseguiria, pela minha indisciplina. Pela natural falta de criatividade também. O que não é uma exclusividade minha, afinal, é coletiva essa incapacidade de criar todos os dias, que mereçam ser lidos. Somos colecionadores de mesmices, ainda que seja consenso que figurinha repetida não complete álbum.

Leia mais
30/10/2019

Olhou a hora. Tornou a ver a hora de novo ainda que o minuto anterior sequer tivesse virado o seguinte. De tanto olhar a hora, viu o tempo passar, mas não a vida, que por sua vez, não ficou ali estática à espera de ser percebida. Seguiu, mesmo que ele não seguisse. A música acabou.

- O que você faz?

- Não faço nada.

- Nada, seu moço?

- Nada!

- A música acabou, seu moço.

- O que o moço faz?

- Nada. Sou apenas moço e moço não sabe de nada!

- É! A música acabou, mulher. O que a muié faz?

Leia mais
30/10/2019

A vida, se estiver atento, nos dá a possibilidade de fazer viagens incríveis sem pegar ônibus, trem, carro ou avião. Viagens sem sequer sair do lugar. Descobre-se então que a melhor viagem que se pode fazer é nas pessoas.

Elas chegam com suas bagagens. Nós estamos ali, com nossas tralhas. Se tivermos peito aberto, a viagem então começa e pode ir longe, muito longe... Para a vida inteira, quiçá para a eternidade.

Leia mais
05/10/2019

Uma fênix. Um cavalo. Um cavalo montado. Um pônei. Não, um cavalo alado. Um dragão. Solta fogo. Uma serpente. Um dinossauro. Dinossauro? Onde? À esquerda. Ah! Há que se ver mais amplamente. Sim! Um dinossauro. Um Brontossauro? Tiranossauro, não? Um velociraptor. Bem maior. Esse é grande! Um velociraptor grande! Lá é um Arqueopterix. Ou será um Cearadáctilo? É um Pteranodonte. É um pássaro mesmo. Se desfaz.

Leia mais
28/09/2019

Nada mais íntimo do que escova de dente. Uma escova na casa dele, outra escova na casa dela. Invadir com licença total a casa, o quarto, a cama, a vida do outro que já não é um outro qualquer. É quem faz brilhar os olhos e consome prazerosamente as horas do dia. No pensamento, nos planos, na nostalgia... No desejo de ver, ser, estar.  

Leia mais
21/09/2019

Fui assaltado. Roubaram-me o cordão de ouro que estava em meu pescoço. Enquanto eu, na paz, vislumbrava o mar trocando ideias com dois amigos, arrancaram o laço do meu pescoço ao ponto de marcar a minha pele. Não era importante por ser de ouro. Seu valor era sentimental, por isso incomensurável. Foi um presente de minha mãe há mais de dez anos. Pela última década não houve um dia que eu o tenha tirado do pescoço. Era quase parte de mim.

Leia mais
14/09/2019

Como se sente? Pergunta feita, na maioria das vezes ou quase sempre, por mera educação. A pergunta que se faz para puxar papo com a previsão de que a resposta será também meramente protocolar: “tudo bem. E, você?”. 

Talvez, em verdade e com raras exceções, não perguntemos com a convicção de quem está mesmo preocupado em saber a resposta. Até porque, nesse mundo corrido, mas em que o relógio continua girando na mesma velocidade de quando foi inventado, nós mesmos não nos perguntamos: “como se sente?”

Leia mais
07/09/2019

Eu não tenho bichinho de estimação, mas estimo quem tem. Minha saudosa mãe diria que não sei cuidar nem de mim mesmo, quem dirá de um cãozinho. A verdade é que, por altruísmo ou beleza semelhante, o dono de um gatinho cuide melhor dele do que de si mesmo. Cuidar de um bichinho pode ser, no final das contas, cuidar de si mesmo. Terapia.

Mas há nesse encontro, uma relação profunda, repleta de afeto e humanidade, ainda que não seja entre dois humanos. No caso de algumas pessoas especiais, é mais do que entre dois, é entre um humano e inúmeros bichinhos.

Leia mais
31/08/2019

Eu não tenho todas as respostas. Não por falta de procura. Acho que todo mundo, ao menos uma vez, quer respostas, certezas, garantias. Eu não sei, simplesmente não sei.

Admito que não sei muito acerca do passado, tampouco muito do presente e absolutamente nada sobre o futuro. Não que não soubesse ou não quisesse saber. Não que eu não tenha aprendido ou que não quisesse aprender. E a vida é sempre esse mar de incerteza em busca da certeza da praia, da segurança da areia, da praticidade da costa que tudo margeia e que traça limites. 

Leia mais
24/08/2019

São Francisco já dizia há muito tempo: “Onde houver ódio, que eu leve o amor. Onde houver ofensa, que eu leve o perdão. Onde houver discórdia, que eu leve a união”. A belíssima oração é até canção. Mas muitos cantam sem senti-la, muitos fazem dela sua reza, mas nem ao menos tentam praticá-la. Aí, de nada vale sua beleza. Palavras ao vento. Tampouco se aprende com ela quando apenas a boca profere, mas o ouvido não ouve e o coração não sente.

Leia mais