Wanderson Nogueira

Palavreando

Aos sábados, no Caderno Z, o jornalista Wanderson Nogueira explora a sua verve literária na coluna "Palavreando", onde fala de sentimentos e analisa o espírito e o comportamento humano.

12/06/2021

“Basta de intolerância e de tolerância como resposta à intolerância” (pode descatar)

Amor é amor e ponto. Por isso, é démodé demais essa de tolero. Amor não pede tolerância, quando tolerância é o contrário de intolerância. Amores não são para serem tolerados. São para serem admirados, respeitados, difundidos, consagrados, compartilhados para além dos livros, poemas e canções. Sem olhar a quem, ao par, a forma que tem, à soma que faz.

Leia mais
05/06/2021

Estou tentando recuperar algumas coisas na vida. Velhos amigos e velhas histórias. Antigas paixões e antigos amores. É mais do que só lembrar ou rememorar passagens e momentos. Também não tenho a pretensão de vivenciá-los de novo, da mesma forma. Isso é impossível, mas mesmo que possível fosse, não é exatamente o que quero. O que quero é dar novas chances a episódios que pareciam esgotados. Há mais por experimentar. 

Leia mais
29/05/2021

Se eu soubesse ontem o que sei hoje, cometeria as mesmas besteiras ainda mais prazerosamente. Eu me entregaria ao delírio de errar ainda mais deliberadamente, sem compromisso com o arrependimento, sem o receio de pecar. Porque aprendi que julgar é para os juízes e, definitivamente, recuso o trabalho de sentenciar alguém, inclusive a mim mesmo. 

Leia mais
22/05/2021

Um coração vazio só é vazio porque sabe o que é ser habitado. A presença de outrora de morador é que faz perceber a ausência que causa. Causas são o que faz o coração pulsar, a alma se encantar e os sonhos terem sentimento. É o que desperta, mesmo aquilo que está disperso e que na confusão dos átomos nos permite ser: sujeito da própria história que invade e se deixa ser tomado por outras histórias. Faz sentido?

Leia mais
15/05/2021

Nada, absolutamente nada é capaz de diminuir o amor e o orgulho que tenho de Nova Friburgo. É amor ingênuo, quase infantil. É encantamento permanente. Ser friburguense é a melhor e maior de todas as minhas vaidades. Talvez, de fato, a única boa vaidade que alguém pode ter. 

Assim, ser friburguense é a única vaidade da qual não me desfaço, mesmo que os guardiões da moral digam que é pecado. Se pecado for, então serei pecador convicto que afirma, reafirma e insiste em cometer, deliberada e conscientemente, seu pecado. Pecadores assim têm direito a pedir licença. 

Leia mais
08/05/2021

Otimista por natureza, acreditei que nos tornaríamos mais humanos com todo esse impacto que nos causa a pandemia. Observador por experiência, evidencia-se que não. Não melhoramos nada. Quiçá, pioramos. Nós, seres humanos, evoluímos constantemente, e, creio nisso. Mas evoluímos tão lentamente quanto o Big Bang. 

Chego a me perguntar se nós, seres humanos, somos realmente bons. Será que nossa evolução nos leva a ser mais egoístas? Será que nosso gene é esse? Será que esses impactos que aceleram formas de ver e viver a vida nos tornam ainda mais individualistas? 

Leia mais
01/05/2021

Essas efemérides que machucam nossa existência. São nas datas de motivos para a família se reunir que mais grita a tal saudade que nunca cessa. Fica lá, todos os dias do ano, em um sossego arisco nas paredes do coração e nos músculos da alma. 

Mas é nessas ocasiões de Natal, Páscoa, aniversários, Dia dos Pais ou das Mães que a visita parece mesmo inevitável. Olha-se para o lado e o vizinho está em festa, os amigos estão em confraternização. Mas ao olhar para o lado também se percebe que você e seus irmãos não são os únicos a ter essa ausência física.  

Leia mais
24/04/2021

Planeta Terra, venho pedir desculpas sobre como tenho tratado você ao longo dos últimos tempos. Deixe me apresentar, ainda que você me conheça muito bem, afinal já deve estar exausta de experimentar o velho ditado que diz: “quem bate esquece, quem apanha não”. 

Leia mais
10/04/2021

A esperança só é perdida quando se morre. Para todo o mais, sempre sobrará a esperança. Mesmo nos tempos mais cruéis, a esperança, menor ou maior, estará ali, debruçada à nossa frente, entre nossos dedos, dentro do peito para nos fazer seguir. E é exatamente nos tempos mais difíceis que a esperança parece nos escapar ou não existir. Mas existe e persiste nesse aqui e agora. 

Leia mais
27/03/2021

Já nasci e morri para tantas coisas. Renasci para tantas outras. Quando arrogante - se atento - tento morrer para renascer menos vaidoso. Quando angustiado, tento sobreviver o quanto for possível, mas se tiver que morrer para renascer com outras possibilidades não receio.

Nascemos, morremos, renascemos várias vezes numa mesma vida, às vezes em uma mesma semana ou dia. Porque, mesmo que não dispostos, estamos expostos a aprender, evoluir, sair do casulo que costuramos em volta de nós mesmos. 

Leia mais