Wanderson Nogueira

Palavreando

Aos sábados, no Caderno Z, o jornalista Wanderson Nogueira explora a sua verve literária na coluna "Palavreando", onde fala de sentimentos e analisa o espírito e o comportamento humano.

15/01/2022

Todo mundo tem uma cachaça preferida. Mesmo os avessos ao álcool, mesmo os que não gostam do destilado. A cachaça é tão nossa que a usamos, inclusive, para falar de nossos bons vícios. 

“Esse jogo é uma cachaça”. “A vista desse lugar é uma cachaça”. “Assistir esse vídeo é uma cachaça”. “Fazer isso é uma cachaça”. “Aquela música é uma cachaça”. “Te ver é uma cachaça”. 

Leia mais
08/01/2022

Ninguém precisa da sua permissão para ser feliz. Tampouco, você precisa da permissão de alguém para ser feliz. Por isso, viva e deixe viver. É como diz a música: “Não há tempo que volte, amor. Vamos viver tudo que há para viver. Vamos nos permitir”.  

Os tempos atuais, de julgamento fácil, não pedem ainda mais fiscalizadores de rabo. O mundo necessita é de pacíficos e empáticos. De quem consegue dar a outra face. De quem estende a mão, inclusive, para o que não compreende. 

Leia mais
18/12/2021

 

Meus pés cansados seguem — porque ainda que meu corpo igualmente cansado não responda como eu gostaria — meu espírito é de esperança. Mesmo quando o mundo se mostra mal, mesmo quando sinto que estamos perdendo como humanidade, mesmo diante de tanta gente má vestida de bem, sigo com fé. Mais do que andar com fé, é preciso honrar essa fé na prática. 

Ao esperar, não honro a fé. Ao silenciar, não honro a fé. Inerte, também não honro a fé. Fé pede ação, tanto quanto sonhos sem ação são apenas sonhos. 

Leia mais
11/12/2021

Onde mora a liberdade? Talvez a liberdade ainda more apenas nos sonhos. Essa tal liberdade, em que tantos matam e morrem por ela, não é liberdade. É o mal vestido de bem. É a crueldade travestida de bondade. É Cristo preterido para Barrabás, em nome da inventada liberdade religiosa que peca, destila ódio, crucifica. Seria diferente se Jesus Cristo viesse hoje? 

Leia mais
04/12/2021

Os reis eram escolhidos por linhagem familiar de suposta escolha divina, quando não derrotados por sangrentas guerras ou por golpes menos facínoras, mas igualmente violentos e frutos da divindade. 

Mas o rei de Nova Friburgo é por merecimento e conquista. Sem armas ou invasão. Com música e poesia. Sem confabulações ou estratagemas. Com fé e coisas de amor. Mais do que isso: o coroado friburguense é também rei do apoteótico samba na sua mais fina bossa cigana. 

Leia mais
27/11/2021

O mundo está muito depressa. Quero mais tempo para viver. Eu não quero morrer. Não que eu tenha medo da morte. Mas é que tenho muito apreço pela vida. Maior encantamento ainda pelas suas intensidades.

A intensa Clarice Lispector nos ensina: “a vida serve é para se morrer dela”. Não interpreto como um pensamento meramente existencialista. Encaro como se ela estivesse profetizando que o destino é certo: morrer. E já que esse é o fim de todos nós, que se morra cada hora consciente disso, e ao saber, que se faça bom proveito dos minutos a nós concedidos.

Leia mais
20/11/2021

Que o corpo possa seguir as notas da música e cada célula possa escapulir nos falsetes que o artista faz. No envolvimento entre o físico e o sobrenatural, que a voz encontre mais do que os instrumentos, mas o paralelo entre existir e ser feliz. Pudera serem pleonasmo: existência e felicidade. Abundância que não tira do outro, mas se multiplica.    

Leia mais
13/11/2021

Recortando frases vou costurando o sentido da vida, mesmo que ao final de tudo, quando todos os recortes estiverem juntos, descubra que é fatal o destino. Colecionando pensamentos, tento de algum modo estender uma imensa colcha de retalhos sobre o mundo que é o mesmo para mim, para você, para todos nós... Mas ainda que cubra tudo, sempre haverá uma falha numa costura e outra que permitirá entrar o frio da dúvida. A incerteza pode vencer até o que é determinado como certo.   

Leia mais
06/11/2021

Não é um parque dentro de uma cidade, é uma cidade dentro de um parque. De tal modo que Nova Friburgo pode, como qualquer outra cidade, ter tudo que o homem pode construir. A engenharia, de fato, pode fazer coisas incríveis. Mas Nova Friburgo tem algo que só Deus pode constituir: uma natureza exuberante, com verdes de vários tons abraçados por montanhas. Um belo vale com um rio no meio, cujas águas deslizam mansas. Essas águas cristalinas que fazem véus em suas cascatas antes de cortarem a cidade.

Leia mais
30/10/2021

Hoje, mudamos de bairro ou mesmo de cidades e estados. Alguns até de País. Já imaginou que daqui a pouco tempo, poderemos estar mudando até de planetas? 

Leia mais