Que sentimento é este?

César Vasconcelos de Souza

Cesar Vasconcellos de Souza

Saúde Mental e Você

O psiquiatra César Vasconcellos assina a coluna Saúde Mental e Você, publicada às quintas, dedicada a apresentar esclarecimentos sobre determinadas questões da saúde psíquica e sua relação no convívio entre outro indivíduos.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Bateu, massacrou, derrotou, venceu, desestruturou, venceu o adversário, humilhou, despachou, duelo, na briga, combate, confronto, pra cima deles, competição. Estas são palavras que se relacionam com alguma guerra? Elas são usadas para o futebol.

Que sentimento é este que um torcedor sente por seu time? O que significa este sentimento? O que passa por sua cabeça quando seu time preferido de futebol ganha uma partida? Você dirá que sente alegria. Alegria. E se o time perder nos próximos três jogos? O que entra no lugar da alegria? Raiva? Ódio? Tristeza? Desânimo? Vergonha?

Que sentimento é este que você sente quando seu time dá olé no outro time? Superioridade? Desprezo pelo outro? Orgulho? Arrogância? E quando seu time recebe um olé, o que você sente? Humilhação? Vergonha? Raiva? Irritação?

Seu time ganha quatro partidas seguidas no campeonato. Você fica radiante. Vai trabalhar com a camisa do time (se for permitido), coloca adesivo do clube no seu carro, compra uma camisa dele para seu filho, coloca a bandeira do clube na janela de sua casa. Sorri à vontade. Na partida seguinte seu time perde. O que você sente e o que você faz? Xinga o técnico? Solta palavrões contra os jogadores do seu time? Atira pedaço de pau no ônibus deles? Agride torcedores do time que venceu o seu com barra de ferro?

Seu time está ganhando apertado de um a zero, faltam dez minutos para o término da partida. Se seu time empatar, perde o campeonato. Você sente que ele tem que vencer. Que sentimento é este: tem que vencer? Vencer para dar o que para sua vida e para sua família? Os jogadores do seu time começam a fazer cera.

Por qualquer bobagem, um jogador do seu time cai no gramado interrompendo a partida. Seu time faz antijogo. Você aplaude e fica roendo as unhas com medo do outro time empatar. Dá soco na mesa, grita e fica xingando o juiz que não termina logo o jogo. Xinga a mãe dele, o pai dele, a família toda dele. E sua filhinha de cinco anos de idade fica de boca aberta olhando suas expressões de raiva! E, claro, vai copiar este comportamento infeliz e depois você vai querer que a professora da escola ou uma psicóloga concerte a garota.

Você continua nervoso, grita que o juiz é ladrão, quando ele está cumprindo o tempo correto da partida. Jogadores do seu time continuam com o antijogo que você, agora, interesseiramente, chama de normal. Como alguns dizem, faz parte da competição. Agora em outra partida seu time está perdendo por dois a um. Igual a seleção brasileira jogando contra a Bélgica semana passada.

A seleção brasileira precisava pelo menos empatar para ir a prorrogação e, se necessário, aos pênaltis. Cada segundo era importante. Jogadores do outro time caíam no gramado, retardando a partida. Daí você logo dizia gritando: “Olha aí seu juiz! Tem que descontar depois!” E xingava os atletas do outro time. E sua filhinha observando o papai descontrolado.

Que sentimento é este despertado por esta competição chamada futebol? Você sabe que tem tribos de índios que jogam futebol e nem marcam o placar? Quando termina a partida, não sai no jornal da tribo: “Pataxó massacrou o time dos Ianomami!” Eles brincam entre si. Não é uma competição. É uma brincadeira e todos comemoram ao final, comendo mandioca e peixe assados na brasa. Eles são civilizados. Será que a melhor competição não é a que você faz com você mesmo, para crescer como pessoa?

Há uns 30 anos atrás eu pensava e dizia que o futebol devia ser cronometrado. A bola saiu de campo, um jogador caiu, foi marcada uma falta, o cronômetro pararia e voltaria a funcionar com a bola voltando ao jogo. Isto eliminaria vários tipos de desonestidades neste esporte. Se você argumentar que cronometrar o futebol tiraria a graça do jogo, eliminaria a vibração, eu pergunto: o basquete é um esporte cronometrado, e isto tira das partidas a vibração? Não! Apenas faz mais justa a competição.

Mas o que o povo quer no futebol? Quer também honestidade, justiça, ou apenas que seu time vença, derrote, massacre, humilhe, bata, seja de que maneira for, roubando ou não, fazendo cera ou não, dando propina ao juiz, fazendo antijogo?

Alguns países estão em guerra. Guerras idiotas, como todas são. Competindo ser humano contra ser humano. Homens matando homens. Competição, massacres, batalhas. Isto é que é loucura. Você precisa massacrar, humilhar, derrotar os outros para se sentir bem? Que sentimento é este? Você precisa vencer os adversários para ser feliz, para ter paz interior? Sabe qual é o significado de adversário em hebraico? Dê uma pesquisada e veja.

Publicidade
TAGS:
César Vasconcelos de Souza

Cesar Vasconcellos de Souza

Saúde Mental e Você

O psiquiatra César Vasconcellos assina a coluna Saúde Mental e Você, publicada às quintas, dedicada a apresentar esclarecimentos sobre determinadas questões da saúde psíquica e sua relação no convívio entre outro indivíduos.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.