Puxando o fio

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Para pensar:

“Tenta. Fracassa. Não importa. Tenta outra vez. Fracassa de novo. Fracassa melhor.”

Samuel Beckett

Para refletir:

“Se você é paciente em um momento de raiva, você evitará 100 dias de sofrimento.”

Sabedoria Chinesa

Puxando o fio

A coluna de ontem, 26, falou a respeito da reunião “chapa quente” realizada na prefeitura ao longo de boa parte da última segunda-feira, 24.

Pois bem, a partir do que foi possível farejar, o colunista começou a puxar o fio.

E, cá entre nós, não foi muito difícil não.

Afinal, se foi possível ouvir na calçada, era evidente que muita gente tinha ouvido também.

E melhor.

Inevitável

Ainda não é momento de aprofundar demais o assunto, mas já dá para dizer que as pistas não eram falsas.

Em essência o encontro envolveu as cúpulas da Faol e da prefeitura, naturalmente a fim de tentar costurar alguns pontos sensíveis à operação do transporte coletivo ao longo dos próximos 12 meses, período previsto pela recente (e precária) prorrogação do contrato.

Porque, é claro, ninguém imaginou que um ano e meio de omissão e negligência iria ser resolvido num tapinha nas costas.

Boa fonte

A experiência tem ensinado que a lógica costuma ser uma fonte bastante confiável.

Nem sempre bate com os discursos, mas raramente diverge das consequências práticas das forças em ação que muitos tentam ocultar.

E, nesse caso específico, ela aponta situações muito claras.

E se?

O leitor já parou para pensar, por exemplo, no que poderia ter acontecido se ao fim do contrato a concessionária agradecesse, desejasse boa sorte e virasse as costas ao governo municipal?

Parou para pensar que não haveria um plano B minimamente satisfatório durante muito tempo?

Imaginou o caos?

Xeque

Ora, é claro que o interesse pela continuidade é mútuo.

Antes de mais nada, o que existe é uma relação de negócios.

Paga-se outorga para explorar a concessão, o negócio tem potencial. Todos sabemos disso.

Mas… Ao fechar os olhos ao que se passava na Secretaria de Governo, a prefeitura se colocou em posição de extrema fragilidade.

Dependência

Afinal, o governo municipal precisa assegurar o serviço, correto?

E, bom, diante das circunstâncias isso significa dizer que, ao menos momentaneamente, depende em grande parte da empresa prestadora, não é?

Ora, esse é o tipo de handicap que ninguém gostaria de ter na hora de sentar numa rodada de negociação.

Tendências

Evidentemente isso não significa que as cartas estejam todas de um só lado, ou que a negociação, seja lá do que for, esteja perdida de antemão.

Mas ajuda a imaginar por que a pressão subiu em determinados momentos.

E, avançando um pouco pelo terreno da especulação com base no que já vimos até aqui, permite também imaginar sobre quais ombros deve acabar recaindo a missão de segurar o tranco.

A rigor, não existem muitas opções.

Cápsula do tempo

A coluna não antecipa o que está intuindo, dado que ainda carece de materialidade.

Mas deixa aqui uma cápsula do tempo, para ser observada no futuro.

Se o raciocínio estiver certo, vai ter gente que em breve vai começar a sofrer ataques em várias frentes.

Ataques encomendados, para sermos mais claros.

Acatou

Bom, como era de se esperar, o Ministério Público Federal acatou a denúncia apresentada pelos vereadores Wellington Moreira, Professor Pierre, Johnny Maycon, Zezinho do Caminhão e Marcinho a respeito de indícios de interferências ao longo de licitação para a aquisição de insumos para a rede municipal de saúde pública.

Ninguém, no entanto, deve esperar por desdobramentos no curto prazo.

A peça é grande, e a investigação deve levar algum tempo até ser concluída.

Esclarecendo (1)

A rigor, muito tem sido escrito a respeito deste episódio, nem sempre com o necessário didatismo.

Ao se falar em possível fraude licitatória, por exemplo, a desinformação de uns pode dar a entender (injustamente) que parte da responsabilidade pelos problemas esteja na Secretaria de Infraestrutura e Logística, a qual levou adiante um trabalho de muita seriedade e competência em todas as oportunidades nas quais não foi contornada.

Esclarecendo (2)

De fato, tal interpretação não se sustenta.

É muito importante observar que, se houve de fato qualquer interferência ao longo do processo que tenha redundado em tratamento diferenciado entre as empresas que se dispuseram a concorrer, tal interferência se deu fora do âmbito da Secretaria de Infraestrutura e Logística.

A coluna sabe criticar, mas também sabe reconhecer o valor de quem é competente e comprometido com o interesse público.

Para virar o jogo

A friburguense Ilona Szabó continua a agitar o Rio de Janeiro, no melhor dos sentidos.

De forma natural, o lançamento de seu mais recente livro, “Segurança Pública para virar o jogo”, se desdobrou numa campanha maior, que terá hoje, no Rio de Janeiro, um episódio de grande alcance.

Festival

A partir das 19h o consagrado palco do Circo Voador se abre para um debate que, além da própria Ilona, terá também as presenças de Ivan Marques, Maria Paula, Fernando Veloso e Eduardo Carvalho.

Em seguida haverá um grande show com mais de 20 artistas, de vários gêneros musicais.

A entrada custa um quilo de alimento ou objeto de higiene pessoal.

Aspas

“Estamos todos preocupados com as eleições e nossa forma de contribuir para o debate é levar informações sobre o que funciona e o que não funciona na segurança pública para as pessoas.

Além dos artistas listados teremos também a Lan Lan e temos promessas de canjas de Roberta Sá e Pedro Luís a serem confirmadas.”

Respostas (1)

Os leitores não apenas dão repetidas mostras de que conhecem bem nossa cidade, como inúmeras vezes enviam respostas que são verdadeiras declarações de amor ao belo palco de nossas histórias.

Ao identificar a icônica Praça Getúlio Vargas, o leitor Marcelo Machado representou todos os seus pares ao evocar a expressão “Catedral dos Eucaliptos”.

Respostas (2)

Além dele, pontos também para Guto Soares, Verônica Emmerick Mattos, Raquel Souza, Manoel Pinto de Faria, Gilberto Éboli, Alberto Corrêa, Mariza Cardozo de Oliveira e Rosemarie Künzel.

Parabéns a todos.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.