Câmara Municipal

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Para pensar:
"O moedor de vozes é a chantagem, mãe da vileza contra todo o bem.”
Anderson Carmona

Para refletir:
“Em política, remédios brandos frequentemente agravam os males e os tornam incuráveis.”
Marquês de Maricá

Câmara Municipal

Dando continuidade à nossa semana de análises do contexto político friburguense para os próximos quatro anos é chegado o momento de falar sobre as informações que envolvem o Legislativo Municipal e a composição do plenário que a população escolheu para a próxima legislatura.

Cabo de guerra

De imediato, existe a questão da eleição do presidente da Casa, e as articulações nesse sentido estão super aquecidas, como não poderia deixar de ser.

A rigor, esta deve ser a matéria política mais importante das próximas semanas, pois envolve repercussões de alcance imprevisível sobre o que serão os próximos anos de nossa história.

Tentemos, portanto, ser o mais claro a respeito do que efetivamente está em jogo.

Em dívida

O maior chantagista de nossa política opera na Câmara Municipal, e não é preciso dar qualquer dica para que o leitor que acompanha as sessões com o mínimo de interesse saiba exatamente sobre quem estamos falando.

Além dele, há um bom punhado de parlamentares cuja base eleitoral se sustenta sobre a obtenção de empregos e favores, e essa turma assume o novo mandato em dívida com tais apoiadores.

Em áudio direcionado a pessoas “que se beneficiaram de seu mandato”, por exemplo, um desses parlamentares fala sobre consolidar os votos de 50 famílias, e que “quem está com ele vai continuar com ele.”

E agora?

Já entenderam, não é?

Para que possa sobreviver na política, essa bancada depende do toma lá dá cá.

Obviamente estamos falando de vereadores de perfil governista, que estão acostumados a trocar apoio em plenário por zonas de influência na administração.

Outros, como o chantagista citado acima, fazem uso de informações comprometedoras para controlar postos de saúde, secretarias, e por aí vai.

Mas, e quando o prefeito eleito não tem nada que possa suscitar esse tipo de ameaça?

E quando ele diz que não vai negociar cargos?

Rir ou chorar?

Uma cena ocorrida nesta semana chegou a ser engraçada.

Quando um vereador falava justamente sobre o iminente fim do toma lá dá cá, diversos parlamentares começaram a articular, ali mesmo, uma aliança que fosse capaz de alçar, à presidência do Legislativo alguém imbuído de defender os interesses desta bancada assistencialista/chantagista ora ameaçada.

A ideia

A ideia é simples: com um negociador à frente do Legislativo, a governabilidade corre o risco de ficar seriamente comprometida, e a bancada do pedágio passa a ter algo em mãos para que possa “trabalhar”.

O plano desse grupo trabalha com duas possibilidades, caso venha ter sucesso: ou o futuro prefeito dobra os joelhos e deixa entrar a “boiada”, ou a Câmara asfixia seu governo e prepara armadilhas para a cassação de sua chapa, alçando justamente um chantagista ao Palácio Barão de Nova Friburgo, uma vez que o presidente do Legislativo é, também, o 2º nome na linha de sucessão.

Renovação

De modo previsível estão se desenhando uma chapa governista e outra pedagista mas, em meio a tudo isso, há que se considerar que o próximo plenário terá nada menos que 11 rostos novos, o que significa dizer que os novatos serão maioria e já chegam à casa com um poder coletivo muito grande, ainda que não formem exatamente um grupo coeso e monolítico, posto que representam partidos e pensamentos próprios.

O fato é que nem todos parecem muito satisfeitos com as opções que se apresentam, e parece existir a predisposição à formação de uma terceira chapa, que não se identifica com o perfil pedagista, mas também não parece muito confortável com um governismo que neste primeiro momento lhes parece um tanto áspero ou radical.

Será?

O colunista também entende que muitos vereadores estão buscando maneiras de aumentar o número de assessores a que têm direito, na contramão do que determina o TAC assinado com o Ministério Público.

Ainda é cedo para esse tipo de análise, mas este colunista não ficará surpreso, a partir do que andou farejando, se a via encontrada passar, por exemplo, pela nomeação de um assessor para cada comissão, o que em tese é permitido apenas sob circunstâncias especiais, exceções feitas à CCJ e à Comissão de Finanças e Orçamento.

É esperar para ver.

E aí?

E o que tiramos a partir de todo esse tabuleiro?

A interpretação deste colunista - e é bom frisar que estamos falando de uma leitura subjetiva - é a de que o futuro governo não deve confundir a firmeza de suas posições e seus propósitos com aspereza ou distanciamento.

O diálogo precisa ser preservado no fazer político, sem que isso signifique comprometer as regras que se encontram no cerne da campanha que se sagrou vencedora.

Por vezes, um tratamento cordial basta para abrir portas, sem envolver nada ilícito.

E, se em alguma dessas conversas alguém tentar dar o bote, é só gravar e expor.


 

 

Perfil desejado

A leitura do momento e do que promete vir pela frente sugere que o melhor para o município seria se a Câmara fosse liderada por um vereador experiente e ético, com força e conhecimento suficientes para assegurar a governabilidade e praticar a isenção, sem comprometer a independência dos poderes nem tampouco se curvar às necessidades chantagistas dos vereadores que, se não conseguirem dobrar o governo, sabem que não têm muitas chances de reeleição daqui a quatro anos.

Quantos parlamentares se enquadram nesse perfil?

Não muitos, com certeza.


 

Engajamento

À população, fica o alerta para que acompanhem esta corrida de perto e atentamente, e se manifestem se sentirem ser necessário.

O eleitor maduro, que anseia por mudanças mas preza pela independência dos poderes, deve agora se posicionar no sentido de assegurar que tenhamos um verdadeiro governo pela frente, capaz de levar adiante suas propostas e ideias, e não uma guerra de interesses paralisando a administração.


 

O que se espera

Fiscalizadores honrados e comprometidos com o interesse coletivo.

É disso que precisamos no plenário, e é isso que a sociedade espera.

Tanto de quem ficou, quanto de quem está chegando.

Seguiremos de olho.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.