Esperteza demais

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

sexta-feira, 08 de junho de 2018

Para pensar:

“A dívida é a mãe prolífica de loucuras e crimes.”

Benjamin Disraeli

Para refletir:

“É melhor ir dormir sem jantar do que se levantar com dívidas.”

Textos judaicos

Esperteza demais

Diz a sabedoria popular que não existe almoço grátis. E o colunista pode acrescentar que muito menos dentro da política, ainda mais em ano eleitoral.

Já devíamos todos saber disso, mas tem gente que ainda se empolga com a própria “esperteza”, e eventualmente acaba acreditando estar acima de certas regras do sistema.

E, agindo assim, não apenas fecham portas importantes, como se arriscam a passar vergonha.

Sem pai?

Bom, já faz tempo, mais de um ano, que nos bastidores do governo fala-se na obtenção de emendas parlamentares ao orçamento federal em montante próximo, muito próximo, ao que andou sendo divulgado recentemente.

Mas faltou algo nessa história, não?

Afinal, sempre que um filho tão bonito vem à luz, o papai faz questão de registrar em cartório e sair bem na foto, correto?

Cena pós-creditos

Pois é, faz questão sim. E, ao que consta, tem parlamentar lá em Brasília que não gostou nada de ter sido excluído das notícias.

Está “cospindo marimbondos”, querendo retratação e os créditos que lhe cabem.

Agora é esperar para ver como essa história vai ser (re)contada pelas vias oficiais nos próximos dias...

Com quem andas

Cá entre nós, é o tipo de embaraço desnecessário, e fica difícil evitar a sensação de que a verdadeira natureza de certas relações – tantas vezes mal mascaradas por sorrisos e declarações protocolares, que não raramente insultam a inteligência da população – eventualmente expõem o homem público a situações constrangedoras.

É, em português claro, um dos preços que se paga por estar sujeito à companhia (e à ação) de chantagistas.

Previsível

A coluna busca sempre ir um pouco além da notícia, não apenas se permitindo emitir opiniões quando sente que é cabível, mas também indicando tendências, quando o contexto as sinaliza.

Os leitores, por exemplo, foram avisados dias atrás para que não se surpreendessem caso novos ônibus da Faol viessem a ser apreendidos pelos agentes da Smomu, a Secretaria de Ordem e Mobilidade Urbana.

Pois bem, ao longo da manhã desta quinta-feira, 7, outros cinco coletivos foram recolhidos ao pátio da antiga Autran.

Fatos

O episódio é tão rico em detalhes de interesse informativo, que a coluna opta por começar pelos fatos crus.

Os ônibus foram apreendidos por estarem sem os selos das vistorias de 2017 ou 2016.

Já foi confirmado que todos eles foram devidamente vistoriados e aprovados nas respectivas datas, mas a situação não deixa de ser irregular e deixa em aberto a hipótese de que os selos possam ter sido empregados em veículos não vistoriados.

A apuração dirá.

Reações

Tão significativos quanto os fatos em si parecem ser algumas das reações a eles.

Primeiro, entre os usuários, há relatos de passageiros que desceram dos ônibus manifestando apoio à ação dos agentes.

Já por outro lado, a forma como as informações têm sido tratadas ou aproveitadas por vias oficiais deixam um observador mais experiente “com a pulga atrás da orelha”.

Não dá para esquecer, por exemplo, que o contrato de concessão vence daqui a poucos meses...

Exorcismo

Em meio a tudo isso, os vereadores Wellington Moreira, Johnny Maycon, Marcinho e Professor Pierre visitaram na manhã desta quinta-feira a sede da Smomu, e foram recebidos pela cúpula da secretaria.

Ao que parece, o encontro foi produtivo.

Há quem acredite, inclusive, que um dos fantasmas que assombram nossa administração pode ter sido identificado.

Confirmou

Outra situação que a coluna havia antecipado também acaba de se confirmar.

Como havia sido previsto, foi mesmo perdida a emenda parlamentar do deputado federal Glauber Braga no valor de R$ 1 milhão, destinada à construção de uma Quadra Poliesportiva no Terra Nova.

O recurso tinha sido empenhado pelo Ministério do Esporte em 27 de outubro de 2015, e o convênio foi assinado em 31 de dezembro de 2015.

Contexto

O governo federal deu o prazo de até 30 de novembro de 2017 para a prefeitura iniciar a obra ou adotar as medidas necessárias para a execução do projeto.

Já o governo municipal informou à coluna que quando a atual administração assumiu a prefeitura, em janeiro de 2017, o projeto da obra, enviado para Caixa Econômica Federal, não havia sido aprovado.

A prefeitura afirma que então desenvolveu  um novo projeto, com todos os levantamentos exigidos pela Caixa.

Segue

O Palácio Barão de Nova Friburgo alegou ainda que o problema principal foi a exigência do governo federal e da Caixa de que os terrenos pertençam à prefeitura.

O terreno especificado pela emenda do deputado Glauber Braga foi desapropriado pelo governo do estado para a execução do programa Minha Casa Minha Vida, porém este ainda não é dono do terreno, tendo apenas a posse provisória.

Dessa forma, o contrato foi extinto em 22 de janeiro deste ano e o saldo do empenho cancelado. A informação foi atualizada no Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse do Governo Federal (Siconv).

Visita ilustre

O Centro Budista Chagdud Gonpa Dechen Ling de Nova Friburgo está trazendo o Lama Rigdzin Dordje para um fim de semana de ensinamentos.​

De acordo com a programação divulgada, ele fará uma palestra com entrada franca na Usina Cultural nesta sexta-feira, 8 às 19h15, sobre o tema “Como criamos nossa realidade?” e ainda um retiro no fim de semana no Centro Budista, localizado no Cônego.

Aspas

"Cada momento dos nossos pensamentos, palavras e atos é um ponto no tecido da nossa futura realidade. A mente é a fonte tanto do nosso sofrimento quanto da nossa felicidade. Pode ser usada de modo positivo, para criar benefícios ou de modo negativo, para criar malefícios. Embora a natureza fundamental de todos os seres seja uma pureza imortal, que existe desde sempre, sem começo — o que chamamos de natureza búdica —, nós não a reconhecemos.”

 Aspas (2)

“Em vez disso, somos controlados pelos caprichos da mente comum, que nos leva para cima e para baixo, para lá e para cá, produzindo pensamentos bons e ruins, agradáveis e dolorosos. Nesse meio tempo, plantamos uma semente a cada pensamento, palavra e ação. Assim como é certo que a semente de uma planta venenosa produz frutos venenosos e que uma planta medicinal cura, as ações maléficas produzem sofrimento, e as ações benéficas, felicidade."

Chagdud Tulku Rinpoche

Breve currículo (1)

Estudante de S.Ema. Chagdud Tulku Rinpoche desde 1992, primeiramente no Rigdzin Ling, Califórnia, e depois no Brasil, Lama Rigdzin participou de muitos ensinamentos e retiros, e serviu Rinpoche de várias maneiras.

Suas habilidades em construção e artesanato foram valiosas durante a construção do templo no Centro Budista Khadro Ling no Rio Grande do Sul, e, sendo um artista talentoso, trabalhou com Rinpoche em projetos artísticos, mais notavelmente numa grande estátua de Buda Akshobia.

Breve currículo (2)

Ele também serviu como tchopen (mestre de altar), umze (mestre em entoar), dançarino de dança dos lamas e como tradutor do Rinpoche. 

Suas qualidades foram oficialmente reconhecidas por Rinpoche em uma ordenação como lama em 2002. Lama Rigdzin e sua esposa, Lama Yeshe, são os lamas residentes do Chagdud Dordje Ling em Curitiba, e se comunicam em português.

Publicidade
TAGS:

Massimo

Massimo

Coluna diária sobre os bastidores da política e acontecimentos diversos na cidade.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.