Cansado de esperar, morador tira do próprio bolso para tapar buracos

Apesar do gesto em Varginha, crateras surgiram novamente por causa das recentes chuvas
quarta-feira, 18 de novembro de 2020
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Os buracos em Varginha (Fotos: Henrique Pinheiro)
Os buracos em Varginha (Fotos: Henrique Pinheiro)

É recorrente o problema de buracos nas ruas de Nova Friburgo. Não há um bairro isento desse problema que tem se tornado crônico e uma das marcas da atual gestão municipal. Na realidade, o que se vê por aí são as recorrentes operações tapa-buracos, uma trabalho que pode ser simbolizado pela expressão popular “enxugar gelo”.

É de se imaginar que um planejamento para recuperar vias danificadas tenha que levar em consideração aspectos geográficos do município, principalmente os climáticos. As operações tapa-buracos, uma das marcas dos últimos quatro anos têm sido ineficazes e parecem não terem sido pensadas levando em consideração a instabilidade climática da região.

É constante a observação de muitos friburguenses de que, em muitos casos, o material utilizado nas ruas resolveu de forma temporária a dificuldade para dirigir. No entanto, essa melhoria é de apenas alguns dias ou semanas, até a próxima chuva. Apesar da prefeitura ter anunciado que iria realizar uma licitação para contratar uma empresa para fazer a pavimentação asfáltica no bairro Varginha, por R$ 640.661,61, o morador Ricardo da Silva Pinto resolveu agir por conta própria.

No dia 27 de outubro, ele desembolsou cerca de R$ 500 para tapar todos os buracos da Rua Oscar Schultz. “Já não estava aguentando mais. Eu perdi três pneus e quatro amortecedores. Tive um prejuízo de mais de R$ 2 mil. Eu cansei de fazer solicitações à prefeitura, já liguei para a emissora de rádio, falei com conhecidos envolvidos com política e não tive um retorno positivo. Resolvi, então, fazer por conta própria”, contou ele indignado com os buracos na via que expõem motoristas e pedestres a riscos constantes de acidentes.

Com a ajuda dos vizinhos, o trabalho foi finalizado em poucas horas. “Eu usei o meu  caminhão e comprei o material por minha conta. Comecei a fazer tudo sozinho. Depois de uns 500 metros os vizinhos se sensibilizaram com a minha atitude e aderiram ao mutirão. A partir daí ficou mais fácil. A Rua Oscar Schultz é comprida, tem quase um quilômetro, o que dificulta a ação. Espero que esses problemas sejam sanados”, acredita o morador, lamentando que com as chuvas recentes, os buracos voltaram a surgir na rua.  

“Gostaria que esse trabalho tivesse sido feito por algum órgão da prefeitura, como a Secretaria de Obras, porque já solicitamos esse serviço de recapeamento há muito tempo. Eu tentei amenizar por um período, só não contava com a chuva que fez com que o material se desfizesse mais rapidamente, mas não faz mal. O importante é que eu comecei. Não aguentava mais porque estava doendo no meu bolso. Espero que o prefeito eleito e sua equipe consigam melhorar as condições das nossas ruas”, desejou.

“Aqui é um local que tem escola e muita gente mora aqui. Os moradores de Varginha utilizam a Rua Oscar Schultz para caminhadas e com tantos buracos, fica perigoso para eles. Fico com medo de uma senhora cair, torcer o pé. Agora com as chuvas fica ainda pior, porque o buraco cria poça e à noite, sem iluminação pública suficiente, fica impossível de ver que ali tem um buraco e não há alternativa de desviar. Às vezes é preciso fazer manobras arriscadas para se livrar das crateras”, alertou outro morador.

 

LEIA MAIS

Apartamentos serão entregues em Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto

Em Friburgo serão oferecidos os serviços de habilitação e emissão de identidade

Carreta está estacionada há dois anos na entrada da Rua Mário Bini, no Jardim Ouro Preto

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: obra | Trânsito