Tereza Malcher

Tereza Cristina Malcher Campitelli

Momentos Literários

Tereza Malcher é mestre em educação pela PUC-Rio, escritora de livros infantojuvenis, presidente da Academia Friburguense de Letras e ganhadora, em 2014, do Prêmio OFF Flip de Literatura.

29/10/2018

O dicionário é o amigo que compila palavras, sabe das suas definições, singelezas e particularidades. É o silencioso companheiro de quem escreve, capaz de sugerir os espaços que as palavras podem ocupar no texto e até oferecer dicas para o embelezamento das frases. É um sujeito claro e objetivo; vai direto ao ponto, revelando os diversos significados que uma palavra pode ter.

Leia mais
22/10/2018

Semana passada, foi comemorado o dia do professor. Hoje, uma semana depois, faço-lhes, aqui, neste espaço literário, uma reverência. Não considero que esteja atrasada, uma vez que os professores merecem nossas homenagens todos os dias. Esta pessoa, a quem chamamos também de mestre, tem a nobre tarefa de promover seus alunos, iluminando formas criativas de pensar, motivando-os a descobrir conhecimentos, valorizando comportamentos saudáveis, estimulando modos de perceber, de pesquisar e de conceituar.

Leia mais
15/10/2018

O amor entre Romeu, filho dos Montecchios, e Julieta, filha dos Capuletos, foi além da mortal inimizade, que se estendia ao mais remoto passado, envolvendo todos os seus parentes, dependentes e servidores das duas ricas famílias de Verona. Se, por ventura, um Montechio se encontrava com um Capuleto em alguma rua da cidade, havia violenta troca de palavras, chegando a ter derramamento de sangue. Os conflitos entre as essas pessoas era o desatino.

Leia mais
08/10/2018

O processo de escrita tem fases distintas. A primeira é solitária, silenciosa; é uma conversa, quase interminável, com nossos bolsos e botões, que reúnem momentos suspirosos, de certa forma angustiantes diante da folha em branco, que suscita a construção de um texto. É um trabalho de rendeiro, que vai tecendo, linha após linha, os fios de uma ideia, concretizando-os em literatura.

Leia mais
01/10/2018

A inspiração acontece da forma mais inusitada, até porque não existem
receitas para as ideias surgirem, que, certamente, não brotam com elegância,
nem possuem vozes afinadas. Vivem, dentro de nós, na mais completa
desordem. Nossa mente é multicor, cheia de subterfúgios vivos, com
passagens a outras paisagens. Às vezes, é arejada com ares de Medeia;
outras de Penélope. Nosso pensamento tem caminhos abertos. Livres.
Foi com este movimento mental, sem silêncios e cheios de janelas, que

Leia mais
24/09/2018

Tão logo adentrei a sala, vi um embrulho com o selo dos correios. Com curiosidade, abri o pacote e coloquei em meus braços o livro, “Maria Madalena: o evangelho segundo Maria, lançado em 2018, pela Geração Editorial, cujo autor é Armando Avena, um primo, que mergulhou com delicadeza e profundidade na alma feminina através de Maria e de Maria Madalena, figuras religiosas que trazem em suas trajetórias literárias a essência da mulher.

Armandinho foi corajoso em escrever a respeito de um tema tão instigante, emocionante e audacioso, pensei.   

Leia mais
18/09/2018

No dia 14 de setembro, a Academia Friburguense de Letras esteve florida e com ares rejuvenescedores. Seu Anexo Jovem, criado na reforma estatutária de 2016, deu posse a três escritores: Conrado Moura Puga de Lima, Wallace da Silva Cavalcante e Pedro Henrique de Oliveira Silva.

Fiz questão de saudá-los com uma frase de Charles Chaplin. “Que os nossos esforços desafiem as impossibilidades, lembrai-vos de que as grandes coisas do homem foram conquistadas do que parecia impossível”.

Leia mais
10/09/2018

Realmente, a palestra da escritora Linfa Parreiras, “Desde o colo literatura para todas as idades”, apresentada na Academia Friburguense de Letras, no dia 31 de agosto, ofereceu-me algumas ideias interessantes. Uma fez meu pensamento abrir as asas e voar.

Leia mais
03/09/2018

Depois de ter assistido a palestra da escritora Linfa Parreiras, “Desde o colo: literatura para todas as idades”, na Academia friburguense de Letras, promovido pelo Clube de Leitura, acordei, hoje, pensando no tema que iria abordar nesta coluna. Repentinamente, um título brilhou no teto do meu quarto, casa de sapato.

Passei de mais de um pequeno tempo, refletindo e tentando compreender o que aquela ideia excêntrica poderia significar. Afinal de contas, casa de sapato tem uma sonoridade gostosa, mas é completamente sem sentido, cujo significado eu precisaria desvendar.

Leia mais
27/08/2018

O escritor não é diferente de ninguém. Meramente, tem o prazer de escrever e, quando o faz, a sensibilidade e a arte iluminam sua alma. Talvez, porque fique estonteado com sonhos transformadores que explodem em sua mente, fazendo seu pensamento inebriar e rodopiar dias afora.  É, decerto, uma pessoa insatisfeita, que deseja mais e mais; o que a vida lhe oferece é insuficiente. Ah, é um sujeito sujeitado, limitado por um pequeno corpo sem asas. É um ser interrompido a todo o instante, cujo olhar vai além do horizonte.

Leia mais