Sapucaia: uma história desconhecida de Friburgo

Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

quinta-feira, 26 de março de 2020

O município de Sapucaia atualmente é constituído por cinco distritos, Sapucaia, Anta, Jamapará, Nossa Senhora da Aparecida e Pião. Esse artigo objetiva informar sobre a nossa relação com o distrito de Nossa Senhora da Aparecida, uma história desconhecida de Nova Friburgo. Na primeira metade do século 19, nos arredores da Vila de Nova Friburgo os povoados vão se desenvolvendo notadamente pelo assentamento de colonos suíços e alemães que abandonam o distrito colonial. Capelas curadas são construídas e se tornam freguesias em razão de seu crescimento econômico e da população. 

Além da Freguesia de São João Batista, sede da vila surgem as freguesias de Nossa Senhora da Aparecida (1842), Nossa Senhora da Conceição do Paquequer (1844), São José do Ribeirão (1857) e Nossa Senhora da Conceição do Ribeirão da Sebastiana (1862). Porém, em 1847, Nova Friburgo perdeu a freguesia de Nossa Senhora da Aparecida que é incorporada ao município de Magé. Os colonos suíços abandonaram o distrito colonial possivelmente por duas razões. Inicialmente pela má qualidade da terra de alguns lotes que receberam. Por outro lado, um dos motivos da diáspora foi o período da história agrária do Brasil que favorecia os posseiros. 

Bastava tomar posse de terras devolutas, ou seja, terras abandonadas que retornavam ao domínio do governo geral e dar-lhes uma atividade produtiva durante um ano consecutivo. A seguir pleiteavam o reconhecimento dessa posse não havendo contestação de terceiros confrontantes. Esse dispositivo legal será possível tão somente até o ano de 1850, já que a Lei de Terras coibiu essa prática. A família Leimgruber pode ter obtido terras através da lei de sesmarias que vigorou até o ano de 1822, ou por meio da posse. 

Banhada pelo Rio Paraíba do Sul, Sapucaia era habitada pelos índios puri. Como as terras eram próprias para o cultivo do café muitos se aventuraram para essa região a exemplo do major José de Souza Brandão, futuro Barão de Aparecida, os Leimgruber e outras famílias suíças. O colono suíço Anton Ignaz Leimgruber tomou posse de terras nessa região e por sua interveniência elevou-a a curato de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. O patriarca da família Ignaz Leimgruber, casado com Luzia Hartmann chegou ao Brasil em dezembro de 1819, acompanhado dos filhos Anton Ignaz, Fridolin, Johann Batista, Marcus, Maria Carolina e Fidel. A ascensão patrimonial da família foi surpreendente. 

Em relação aos filhos do patriarca há o registro de que Marcus Leimgruber adquiriu a Fazenda São Feliciano onde hoje é o município de São Sebastião do Alto, Fidel Leimgruber adquiriu a Fazenda São Pedro do Monte Alegre na Freguesia de Nossa Senhora do Monte do Carmo, Fridolin Leimgruber tinha uma posse na Freguesia de Santa Rita do Rio Negro, em Cantagalo, e Johann Batista Leimgruber possuía igualmente uma posse em São Sebastião do Alto. O que mais enriqueceu na cafeicultura foi o primogênito Anton Ignaz Leimgruber.

De acordo com o almanaque Laemmert, de 1848, ele está entre os principais fazendeiros de café da Freguesia de Aparecida. Era casado com Mariana Ubelhard, filha de Vicente Ubelhard, igualmente colono suíço que migrara para essa região. Com o falecimento de Anton Ignaz seu único filho Manoel Ubelhard Leimgruber herda um expressivo patrimônio. Conhecido como Manduca, Manoel Leimgruber era graduado em engenharia e mecânica com formação na Inglaterra e na Alemanha. Além de produtor de café era proprietário de uma indústria de fundição no Rio de Janeiro. Fabricava variados tipos de peças de metal como rodas d’água, arquibancadas, cremalheiras para a ferrovia, placas, grades, etc. Em 1878, quando fora participar de uma feira de produtos metalúrgicos na Alemanha conheceu a raça zebu ongole proveniente da Índia e passou a importar lotes de touros e vacas. 

Foi na Fazenda Santo Antônio de Sapucaia que Manoel Leimgruber desenvolveu a criação dessa raça e iniciou a atividade econômica da pecuária no Estado do Rio de Janeiro. O município de Nova Friburgo fazia divisa com Minas Gerais e tinha um território bem mais extenso no século 19. Depois de perder Nossa Senhora da Aparecida ao longo do século foi perdendo outras freguesias para a formação de municípios como Sumidouro, Teresópolis e Bom Jardim. 

A história da família Leimgruber na Fazenda Santo Antônio de Sapucaia é mais um exemplo do êxito dos colonos suíços que abandonaram o distrito colonial.

  • Foto da galeria

    Fazenda Santo Antônio de Sapucaia. (Fotos: Acervo pessoal)

  • Foto da galeria

    Raça zebu ongole proveniente da Índia

  • Foto da galeria

    Carroça dos eventos realizados na Fazenda Santo Antônio

Publicidade
TAGS:
Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.