Dois anos depois, trilha do Pico do Caledônia volta a sofrer com abandono

Buracos em área estratégica para telecomunicações dificultam até mesmo mutirões de limpeza, como o que está planejado para o próximo dia 21
sexta-feira, 05 de fevereiro de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O estado da estrada de acesso ao Pico do Caledônia (Fotos: Paulo Braga Júnior)
O estado da estrada de acesso ao Pico do Caledônia (Fotos: Paulo Braga Júnior)

No próximo dia 21, o domingo seguinte ao carnaval, trilheiros friburguenses farão um mutirão de limpeza nas montanhas do entorno do Pico do Caledônia e suas nascentes, quedas d’água e riachos. O ponto de encontro será às 8h, no ponto final do Cascatinha.

Mas, segundo um dos guias de ecoturismo que atuam na região, o lixo não é o único problema. A trilha que dá acesso ao Pico do Caledônia voltou a ficar cheia de buracos e crateras, o que prejudica até mesmo o trabalho voluntário de limpeza. Somente veículos de tração 4x4 conseguem subir, e assim mesmo com muita dificuldade.

“Embora o pico esteja fechado à visitação por conta da pandemia de coronavírus, muitas pessoas vão até o platô”, explica o guia.

De fato, uma portaria do Inea de 10 de junho de 2020 proíbe o camping e a visitação ao Pico do Caledônia, à Pedra do Elefante e à Caixa de Fósforo, que fazem parte do Parque Estadual dos Três Picos. Fora esses lugares, o parque está aberto diariamente das 8h às 17h, com exigência de máscaras, álcool em gel e distanciamento de 1,5 metro entre os visitantes.

Importância estratégica

Fora a importância turística, que por enquanto está em suspenso, à espera de uma bandeira menos restritiva, o acesso ao Pico tem importância estratégica para as telecomunicações. Lá em cima, a 2.257 metros de altitude, estão torres e antenas que auxiliam na transmissão de dados em Friburgo e no interior do estado, como repetidoras das polícias Militar e Civil, do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil, antenas de operadoras de telefonia e equipamentos da Petrobras e da Marinha do Brasil, servindo de stand-by em caso de apagão nos serviços de satélites, por exemplo.

Há menos de dois anos, em meados de 2019, A VOZ DA SERRA já denunciava, em uma série de reportagens,  a situação de abandono da trilha e do próprio Pico do Caledônia. A guarita que era mantida pela Petrobras e servia para controlar o acesso dos visitantes também estava abandonada.  O portão de acesso estava fechado com cadeado, mas um buraco na grade permitia a entrada. A casinha que servia como ponto de apoio aos funcionários estava  aberta e revirada.

Na época, um grupo de montanhistas que visita o local com frequência e promove a manutenção voluntária do ponto turístico deixou uma mensagem de apelo escrita em um pedaço de isopor: “Este é um espaço particular, por favor, respeite. Nossa cidade não pode perder o direito de visitar esse mirante. Ajude na limpeza e organização. Não tem água. Por favor, não use o vaso sanitário, deu muito trabalho para desentupir. Não deixe as lâmpadas acesas, pois atraem mariposas. Colaborem”, dizia a mensagem.

A Petrobras e a prefeitura jogavam uma para a outra a responsabilidade pela manutenção da estrada de acesso.     

Obras emergenciais em 2019

Menos de um mês depois da publicação das reportagens, e após cerca de duas semanas de trabalho, a Prefeitura de Nova Friburgo anunciou, em julho de 2019, que concluiu as obras emergenciais de recuperação da estrada.

A prefeitura alegou na época que  “o  trabalho emergencial tornou-se necessário porque a dificuldade de acesso ao maciço era grande e comprometia o funcionamento das várias torres lá instaladas, inclusive com risco de pane geral, o que impediria a comunicação na cidade e região”.

Os trabalhos foram coordenados por uma equipe da Subprefeitura de Olaria, Cônego e Cascatinha. Com o auxílio de caminhões, uma retroescavadeira, um trator e um veículo bobcat, todo o entulho que obstruía o acesso foi retirado, também foi realizada a capina do mato que invadia a pista, além de reparos no calçamento, até mesmo com a colocação de asfalto nos trechos mais críticos da subida para o Pico do Caledônia. A guarita voltou a ter vigilantes da Petrobras, que permanecem até hoje.

 

LEIA MAIS

Em sessão regulatória, órgão estadual foi responsabilizado pela execução por se tratar de obra de grande porte, fora do contrato de concessão

Empresa a ser contratada fará recapeamento e recuperação da rede de drenagem, entre outras melhorias, durante um ano

Apartamentos serão entregues em Teresópolis, Petrópolis, Sumidouro e São José do Vale do Rio Preto

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra