Diretor da Faol diz que não aceitará contrato nos mesmos moldes da Itapemirim

Nesta terça vence o prazo determinado pela Justiça para que empresa continue operando, mas pode ser prorrogado
segunda-feira, 23 de agosto de 2021
por Christiane Coelho, especial para A VOZ DA SERRA
Passageiros pegam ônibus em Friburgo (Arquivo AVS)
Passageiros pegam ônibus em Friburgo (Arquivo AVS)

Nesta terça-feira,  24, vence o prazo determinado pela liminar da Justiça para que a Faol continue operando o transporte público em Nova Friburgo.  De acordo com a liminar, esse prazo pode ser prorrogado por mais 30 dias.  No início desse mês, a Faol informou através de um comunicado que protocolou  junto à Secretaria de Governo um requerimento de retratação da entrega do serviço de transporte coletivo municipal, promovida em 15 de abril passado. 

A empresa alegou, na nota, que só entregou o serviço devido ao desequilíbrio financeiro provocado pela pandemia da Covid-19 e a consequente queda de arrecadação. A Faol informou ainda que, com essa medida, pretendia continuar mantendo a operação do transporte público pelo tempo que for necessário.

No vídeo divulgado nas redes sociais do prefeito Johnny Maycon, quando informou que a Itapemirim desistiu de assumir o serviço de transporte público no município, ele também disse que o Ministério Público do Estado se manifestou para que a prefeitura firme o contrato emergencial com a Faol, nos mesmo moldes que o contrato que seria firmado com a Itapemirim, com o mesmo valor da passagem, do subsídio e mesmo número de ônibus.

Em entrevista numa rede social, Alexandre Colonese, disse que ainda não foi procurado pela prefeitura para tratar da contratação emergencial. “O que sei é o que está sendo divulgado pelas redes sociais e pela imprensa. Mas já adianto que não aceitarei firmar contrato nos mesmo moldes da Itapemirim. Eu tenho o direito de não aceitar se não for o melhor para a Faol”, disse ele.

O que diz a prefeitura 

Em nota, a prefeitura informou que "até o momento ainda não foi designada audiência com a atual prestadora do serviço de transporte coletivo." Também questionamos a prefeitura sobre as sanções previstas, em caso de quebra do contrato, como o que aconteceu com a Itapemirim.  Em nota, a prefeitura informou que "a legislação federal estabelece ritos e procedimentos que precisam ser cumpridos antes que se possa definir qualquer sanção. A prefeitura já está tomando as medidas cabíveis, e tão logo haja novas informações elas serão prontamente divulgadas à população."

CPI começa a ouvir testemunhas

As primeiras testemunhas a depor na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Público de Nova Friburgo, instaurada pela Câmara Municipal foram ouvidas na última sexta-feira, 20. Nesse primeiro dia de oitivas, prestaram depoimentos o diretor da Friburgo Auto Ônibus (Faol), Aloísio Ribeiro Alencar Rosa; o sócio proprietário da empresa, Alexandre Colonese; o fiscal, André Luís Wenderrosky, e o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Adegilson José da Silva. Os depoimentos transcorreram durante todo o dia, no plenário da Câmara. Além do acompanhamento presencial, os depoimentos também foram transmitidos pelo canal do YouTube da Câmara.

Na próxima quinta-feira, 26, os integrantes da CPI vão se reunir para fazer a análise dos depoimentos e preparar os questionamentos do segundo dia de oitivas, que acontecerá na sexta-feira, dia 27, a partir das 9h, no plenário da Câmara. As  próximas testemunhas ainda não foram divulgadas. Fazem parte da CPI do Transporte os vereadores Priscilla Pitta, presidente; Maicon Queiroz, relator, e Vanderléia Abrace Essa Ideia. Carlinhos do Kiko e Ângelo Gaguinho são os membros da Comissão.  

De acordo com a presidente da CPI, Priscilla Pitta, o trabalho da comissão continua mesmo depois da desistência do Grupo Itapemirim de assumir o setor porque o objeto investigado não é a empresa, mas a forma como foi feita a contratação emergencial. “Neste primeiro momento, a comissão analisa o processo administrativo 1.840/2021 (Transporte Público - Contratação Emergencial); que é o foco do inquérito, porém, nada impede que, no decorrer do curso, possam aparecer novos processos para serem apurados”, explica a parlamentar.

Segundo o advogado da CPI, Jorge Gonçalves da Silva, “o que levou ao início das oitivas foi a pertinência da imposição do contrato emergencial, uma vez que há legislação que proíbe a dispensa de licitação em contrato de concessão pública, inclusive a própria Lei Orgânica veta essa prática. São oito meses deste imbróglio, que já poderia ter sido solucionado com a lisura de um processo licitatório”, afirmou. 

 

LEIA MAIS

Com receita líquida de R$ 93,36 bi, orçamento deve ficar sem déficit para o próximo ano

Primeiro suplente pelo PSC de Cláudio Castro, ele passa a ocupar vaga aberta pelo deputado Márcio Pacheco, eleito novo conselheiro do TCE

Prefeitura reconhece falha em legislação antiga, tem prazo para se adaptar negado e promete recorrer

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra