Casa no Alto das Braunes vira pousada de passarinhos e outros bichos

Casal instala câmera 24h ao vivo no comedouro e filma até sexo explícito entre lagartos
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
A câmera mostrando os pássaros comendo (Reprodução da web)
A câmera mostrando os pássaros comendo (Reprodução da web)

Quantos pássaros devem existir voando hoje pelos céus e nas árvores de Nova Friburgo? Uma cidade que, conforme os dados oficiais do IBGE, tem em torno de 190 mil habitantes humanos? Se a resposta é e sempre será um chute, já que é sazonal e flutuante a ponto de o Wikiaves só registrar espécies (Friburgo tem 375 catalogadas), certo mesmo é que toda essa população de pássaros tem, em uma rua pacata no Alto das Braunes, uma espécie de pousadinha.  

A casa dos pássaros e de outros bichos silvestres fica na Rua Villa Repos e tem vista ampla para a cidade. Ali, o casal de aposentados Rosemarie Kunzel e Roberto Maia Soares recebe canários, rolinhas, chupins, tico-ticos, beija-flores, jacus, coleiros, tizius, sanhaçus, saíras, sabiás, bem-te-vis, pombos selvagens, maritacas, corujas e gaviões, além de gambás, lagartos teiús, ouriços caixeiros e cachorros do mato. Siriemas, juritis e saracuras também dão o ar da graça de vez em quando. Todos em busca de canjiquinha, milho alvo, bananas e sementes de girassol, servidos à vontade, gratuitamente, 24 horas por dia, sete dias na semana.

Mas o melhor está aqui: através de uma câmera ao vivo (assista clicando aqui), todos os visitantes da pousada e seus modos à mesa podem ser observados, de qualquer lugar do mundo, através do site passarosdefriburgo.com.br ou da página do projeto no Facebook.    

Cenas fortes

Tudo começou, conta Rosemarie, há quase 20 anos, quando Roberto percebeu que um tico-tico vivia entrando na cozinha, procurando migalhas. Assim nasceu a ideia de instalar o comedouro, com câmera ao vivo, para todos os pássaros que queiram chegar e ir se acomodando.

Entre os milhares de seguidores fiéis da câmera indiscreta do casal passarinheiro há hoje observadores até de outros países, como Portugal. Gente de fora da cidade também aproveita para perguntar como está o tempo em Friburgo.

Meio encabulada, Rosemarie conta que já registrou até cenas explícitas de seus hóspedes, como, por exemplo, um ménage a trois entre lagartos… Observa também que no frio os pássaros somem, assim como quando obras de grande porte são feitas por perto. Mas o melhor de tudo é a festa que eles fazem em dias de sol.

“É um prazer apreciar, em casa, a beleza da liberdade”, descreve Roberto.

LEIA MAIS

Iniciativa pretende promover a divulgação das ações que contribuem para a sustentabilidade

Além de trazer mais vida aos lares, plantas servem como terapia no isolamento social

Reunião abordaou projetos de revitalização histórica e turística do município, entre outros temas

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra