Modo de preparo

Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

sexta-feira, 03 de agosto de 2018

Pelos próximos meses, a jornalista Laiane Tavares assina a coluna no lugar do titular Wanderson Nogueira. A Justiça Eleitoral determina que candidatos nas Eleições 2018 não podem apresentar, participar ou dar nome a programas de rádio e TV. A regra não se aplica aos órgãos impressos. Mesmo assim, o colunista e A VOZ DA SERRA, em comum acordo, optaram pela alteração neste período. Wanderson Nogueira volta a assinar o Observatório em outubro, após o período eleitoral.

Hoje é dia

  • Do fim da censura no Brasil

O dia

Em 3 de agosto de 1914, França, Bélgica e Grã-Bretanha declararam guerra à Alemanha, iniciando assim a Primeira Guerra Mundial. O estopim foi o assassinato do príncipe do Império Austro-Húngaro, Francisco Ferdinando, em 28 de junho. A ausência de dados confiáveis, dificulta análises sobre a guerra. Estima-se que a soma das pessoas envolvidas direta e indiretamente foi de 800 milhões, metade da população da época. Cerca de 20 países mantiveram-se neutros, a maioria nas Américas.

Observando

Cinco notícias que talvez você não tenha visto

  • Denúncias por exercício ilegal de medicina no Rio já superam números de 2017
  • Rio é o estado que mais fechou postos de trabalho ligados ao turismo em 12 meses
  • Maçanetas da porta do prédio do Iphan são roubadas
  • Número de jovens eleitores nos país cai 14,5% em quatro anos
  • Primeira a passar de US$ 1 tri, Apple vale mais que toda a Bolsa brasileira

Palavreando

“Exija muito de ti e espera pouco dos outros. Assim, evitarás muitos aborrecimentos”.
(Confúcio)

Modo de preparo

Hoje vamos aprender como fazer um bolo de cenoura com chocolate. Para  começar você vai precisar de: três cenouras médias raspadas e picadas; três ovos (...).

Não, não precisamos mais disso. Somos livres, ou pelo menos mais livres do que fomos um dia. Pode ser estranho abrir o jornal e dar de cara com uma receita de bolo, mas não é novidade para os brasileiros.

Durante a ditadura, sujeitos a censura do regime militar, jornais encontraram na receita de bolo uma forma de preencher espaços de reportagens proibidas pelos censores, e ao mesmo tempo alertar que naquele espaço havia algo sufocado pelo regime. Talvez fosse uma denúncia de corrupção, ou só a dica de uma peça de teatro que não agradou muito a esposa de um general. Nunca vamos saber.

É fácil dizer que durante a ditadura não havia corrupção no Brasil. Naquela época denúncias tinham mais chance de virar um bolo do que uma investigação. E muitos daqueles que tentaram avisar o país, foram torturados e mortos nos porões dos DOI-CODI.

Hoje, 3 de agosto, comemoramos no Brasil o fim da censura. Foi nesta data em 1988 que foi votada, na então ‘assembleia constituinte’, o conteúdo da nova Constituição Federal que passaria a garantir o direito de liberdade de expressão e a proibição a qualquer forma de tortura.

O desconhecimento do brasileiro sobre esse período, vez ou outra ameaça nos jogar nas trevas, mas ainda podemos falar. Precisamos falar! Precisamos falar sobre o jornalista Vladimir Herzog, precisamos lembrar sua história, e contar sobre o dia em que ele foi voluntariamente prestar esclarecimentos aos censores e nunca mais voltou. Precisamos falar sobre quando aquele dia amanheceu e sobre a cena de um crime adulterado para simular um suicídio onde não dava para estampar uma receita de bolo.

Desde o dia 3 de agosto de 1988 já podemos falar, então, porque estamos tão quietos diante de tudo? É hora de falar, e até gritar. É hora de impedir o avanço do retrocesso e a banalidade do mal. Nunca foi tão necessário que utilizássemos nossa voz para impedir a volta, gradativa e violenta, do silêncio permanente.

Mulheres no mundo dos negócios

Em uma cidade como Nova Friburgo, onde o polo de moda íntima, maior setor produtivo, foi erguido por mulheres, pode parecer estranho a ausência feminina em cargos de chefia, mas o quadro geral do país ainda é desafiador para ‘mulheres de negócio’. Nos conselhos de administração a falta de diversidade é o grande desafio entre as maiores empresas do Brasil. Segundo estudo feito pela consultoria Spencer Stuart, a participação de mulheres como titulares e suplentes de conselhos não chega a 10% no Brasil. O levantamento comparou a realidade das companhias brasileiras a empresas de outros 20 países. O estudo, que analisou 187 empresas listadas em bolsas de valores, mostrou que a presença de mulheres nos conselhos de administração aumentou 15% em 2017, em relação ao ano anterior. Apesar disso, o país tem apenas dez mulheres presidentes de conselho e a participação feminina, 9,4%, é equivalente a menos da metade da média internacional, de 24,1%.

Movimento histórico

Em decisão histórica a Igreja Católica alterou formalmente sua doutrina para declarar a pena de morte inadmissível em todas as circunstâncias. Durante séculos a igreja permitiu a pena de morte em casos específicos. A alteração deste posicionamento, no entanto, já vinha sendo corrigida, a mudança de postura teve início sob o regime do papa João Paulo II. Mas foi nesta quinta-feira, 2, que o Vaticano oficializou que havia alterado seu catecismo universal, um resumo da doutrina da igreja, para refletir a total oposição do papa Francisco à pena de morte. A mudança foi promulgada pela Congregação para a Doutrina da Fé, organização responsável por promulgar e defender a doutrina católica.

Foto da galeria
Nossas manhãs de inverno pelas lentes de Pedro Bessa. Registro compartilhado na página da campanha ‘O melhor frio do Rio’ no Instagram.
Publicidade
TAGS:
Wanderson Nogueira

Wanderson Nogueira

Observatório

Jornalista, cronista, comentarista esportivo, já foi vereador e agora é deputado. Ufa! Com um currículo louvável, o vascaíno Wanderson Nogueira atua com garra no time de A VOZ DA SERRA em Observatório, sua coluna diária.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.