Janaína Botelho

Janaína Botelho

História e Memória

A professora e autora Janaína Botelho assina História e Memória de Nova Friburgo, todas as quintas, onde divide com os leitores de AVS os resultados de sua intensa pesquisa sobre os costumes e comportamentos da cidade e região desde o século XVIII.

16/02/2017

Em Nova Friburgo, existem diversos erros sobre a sua história ou mesmo problemas de interpretação que merecem ser esclarecidos. Inicialmente, a data de celebração de seu aniversário. De fato, deveria ter como marco inicial o dia 03 de janeiro de 1820, e não, 16 de maio de 1818. A data do decreto real que cria a Colônia de Suíços na Fazenda do Morro Queimado, no distrito de Cantagalo, tornando-a Freguesia de São João Batista é 03 de janeiro de 1820. Para tanto, o território foi desmembrado de Cantagalo, do qual fazia parte.

Leia mais
09/02/2017

Amparo, Alto dos Schwenck. Foi para lá que colonos suíços e alemães se dirigiram no século 19. Fazia parte de São José do Ribeirão, freguesia mais importante de Nova Friburgo do ponto de vista econômico. Terras férteis para o plantio de café, frutas e verduras. Até meados do século 20, foi o distrito agrícola mais produtivo do município, o celeiro do Rio de Janeiro. Mas Amparo encontra-se esquecido há décadas por sucessivos governos municipais no que tange a infraestrutura, como a melhoria de suas estradas.

Leia mais
02/02/2017

Na última terça-feira, participei de duas reuniões cujo objetivo era os duzentos anos de Nova Friburgo. De início, falarei da que ocorreu na parte da tarde com o historiador Martin Nicoulin. Para quem não o conhece, Nicoulin é um historiador suíço que escreveu o livro “A gênese de Nova Friburgo”, uma obra que teve grande importância para o município por vários motivos. Inicialmente, por ser o primeiro trabalho acadêmico sobre a história de Nova Friburgo, que deu base e motivação para trabalhos posteriores, a exemplo do livro Teia Serrana.

Leia mais
26/01/2017

Visitei a Fazenda Penedo em Duas Barras e conheci a simpática família Araújo, proprietários da fazenda. Além da criação de gado destinada a atividade leiteira, os Araújo pretendem tornar essa fazenda um local de lazer. A Fazenda Penedo foi construída em 1881, pela família Pinheiro. A casa-sede, em estilo neoclássico, apresenta na sala de visitas uma decoração mais requintada em relação aos demais cômodos da residência. Há o registro de pratarias e porcelanas trazidas da Europa, comprovando a adoção do estilo de vida europeizado dos primeiros moradores.

Leia mais
18/01/2017

No início do século 19, quando os colonos suíços e alemães chegaram a essa região, as primeiras montanhas que avistaram foram as dos Três Picos. A localidade, que os moradores antigos ainda chamam de Três Bicos, estava compreendida no século 19, na freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Sebastiana. Na ocasião, referia-se à região como Terras Frias. 

Leia mais
12/01/2017

Sempre lamento que as montanhas de Duas Pedras, o “Morro Queimado”, não represente o município de Nova Friburgo. Tenho ainda preferência sobre as montanhas dos Três Picos, porta de entrada de Nova Friburgo até o advento da linha férrea. Foram essas as primeiras montanhas avistadas por viajantes e pelos colonos suíços e alemães quando chegaram a Nova Friburgo. Mas voltemos às Duas Pedras, ou melhor, ao Morro Queimado. É ele quem aparece em todas as ilustrações de cientistas e artistas, como Debret, que passaram por Nova Friburgo, no século 19.

Leia mais
04/01/2017

Yolanda Brugnolo Lívio Barilari Bizi Cavalieri d’Oro, nascida em Friburgo em 1922, relata em suas memórias: “Quando a revolução triunfou, fomos para a Praça [Getúlio Vargas] ver a chegada dos vencedores trazidos no trem. Estava todo mundo na rua, se acotovelando para ver melhor(...) Lá pelas tantas o povo resolveu destruir a estátua do líder político de Nova Friburgo, o Sr. Galdino do Valle. Ele, que fora sempre venerado por todos, era agora, na fúria da paixão política, vítima do vandalismo desenfreado, comum nessas ocasiões.

Leia mais
28/12/2016

Foi inaugurada no mês de dezembro a primeira sala do futuro museu de Nova Friburgo. O museu fica no solar do Barão de Nova Friburgo, na Praça Getúlio Vargas. Esse imóvel foi adquirido pela prefeitura dos descendentes do barão e durante muito tempo serviu como sede da Câmara Municipal e igualmente biblioteca pública. Foi duramente castigado quando serviu como Centro Cultural para cursos livres promovidos pela secretaria de Cultura.

Leia mais
21/12/2016

Referimo-nos em matérias anteriores que o patrimônio cultural é protegido através de inventário, registro, tombamento, vigilância e desapropriação. Os dois primeiros já foram abordados. O tombamento é um procedimento pelo qual o poder público submete o bem cultural de valor histórico, artístico, paisagístico, etnográfico, arqueológico ou bibliográfico à proteção do município, declarando-o patrimônio cultural de município. A natureza do objeto tombado e o motivo do tombamento determinarão as diretrizes da proteção.

Leia mais
14/12/2016

Referimo-nos que o patrimônio cultural será protegido através de inventário, registro, tombamento, vigilância e desapropriação. Explicaremos cada um deles. O inventário é o procedimento administrativo pelo qual o poder público identifica e cadastra os bens culturais do município, com o objetivo de subsidiar as ações administrativas e legais de preservação.

Leia mais