Trabalhadores da educação podem ser incluídos em grupo prioritário de vacinação

Ministério da Saúde considera ambiente de escolas e universidades potencialmente arriscado para infecção por Covid-19
quinta-feira, 04 de março de 2021
por Guilherme Alt (guilherme@avozdaserra.com.br)
Trabalhadores da educação podem ser incluídos em grupo prioritário de vacinação

 

Na noite da última quarta-feira, 3, o governo federal encaminhou um documento à Corte do Supremo Tribunal Federal (STF) incluindo  a classe dos trabalhadores da área de educação na lista dos serviços essenciais. Isso significa que estes trabalhadores farão parte do grupo prioritário de vacinação contra Covid-19 no país.

Por meio de nota, a Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde disse entender que o ambiente de escolas e universidades é potencialmente arriscado para a infecção por Covid-19. Citou que, "principalmente no ensino básico, esses profissionais possuem contato com muitos alunos simultaneamente, é de extrema relevância a vacinação dos trabalhadores da educação".

A informação acima vai de encontro ao que se tem publicado nos últimos meses, dando campo para estudos internacionais que dizem justamente o contrário. De acordo com esses estudos, as instituições de ensino são seguras e não são vetores de transmissão. Segundo a revista Nature, os cientistas acreditam que isso ocorre porque aquelas que têm idade inferior a 12 e 14 anos são menos suscetíveis do que os adultos. Além disso, uma vez infectadas, as crianças, incluindo as com menos de cinco anos, têm menos probabilidade de transmitir o vírus a alguém. Uma das mais conceituadas revistas científicas, The Lancet Child & Adolescent Health, sugere que escolas podem reabrir onde houver outras formas de se controlar a pandemia, como o distanciamento social.

No entanto, todos os estudos realizados dizem respeito a países de Primeiro Mundo, em que boa parte da população tem acesso a políticas públicas básicas e, portanto, não se aplicam ao Brasil.

O documento do Ministério da Saúde destacou ainda que o fechamento das escolas no ano de 2020 impossibilitou evidências mais robustas sobre seu papel nas cadeias de transmissão e que é preciso também avaliar os impactos psicossociais e socioeconômicos da interrupção das aulas:

“É importante promover a proteção dos trabalhadores da educação, principalmente em um contexto de retomada das atividades. No entanto, sua priorização não deve se dar em detrimento dos grupos de maior risco de agravar e morrer pela doença. Impende destacar ainda que os trabalhadores da educação que estiverem dentro de algumas das condições de risco agravantes da covid-19 serão priorizados nos respectivos grupos característicos", destacou.

Mesmo com o divulgado e alertado pelo Ministério da Saúde, o município de Friburgo deve continuar com o planejamento de retorno às aulas presenciais, caso o bandeiramento permita.

 

LEIA MAIS

Profissionais fazem apelos nas redes sociais e prefeitura confirma situação crítica

Do total agora de 110 vagas, 94 estavam ocupadas, contra 69 na véspera, de um total de 93. Novos casos chegam a 256 em 24h

Dos 50 leitos disponíveis em toda a cidade, 49 estão ocupados. Deputado pede ajuda das Forças Armadas e Raul Sertã ganha nova ala Covid

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra