Prefeito volta atrás e deixa de exigir barreira de acetato entre músicos e plateia

Artistas agora deverão tocar e até cantar com máscaras; "biombo" transparente passa a ser apenas recomendação
sexta-feira, 23 de outubro de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
A barreira inicialmente exigida pela prefeitura lembra a usada pela banda de Roberto Carlos na live do Dia das Mães (Reprodução da web)
A barreira inicialmente exigida pela prefeitura lembra a usada pela banda de Roberto Carlos na live do Dia das Mães (Reprodução da web)

O prefeito Renato Bravo atendeu aos anseios de músicos e donos de bares e restaurantes e editou o decreto que liberou a música ao vivo em Nova Friburgo no estágio atual da retomada gradual e segura das atividades. O decreto 750, publicado em edição extra do Diário Oficial eletrônico do município no fim da tarde desta sexta-feira, 23, não  obriga mais a instalação de barreira de acrílico ou acetato entre músicos e plateia. O que era determinação agora é apenas uma recomendação. O que se tornou obrigatório é o uso de máscara por músicos, vocalistas e DJs.

“Mais uma vitória. A partir de hoje poderemos tocar sem a barreira de acrílico, somente com máscara. Seguimos trabalhando para outras liberações. Vamos à luta”, declarou Sérgio Luís da Silva, o Serginho (Lokasom), presidente da Associação de Profissionais em Eventos de Nova Friburgo (Apenf).

As regras, no entanto, continuam vedando  instrumentos de sopro, como forma de evitar contaminação pelo coronavírus através das gotículas expelidas pela boca, limitando as apresentações a no máximo três integrantes e/ou DJs, em restaurantes, bares, casa de festas, salões sociais que destinem área exclusiva interna.

Além disso, continua proibido o funcionamento de pistas de dança, em respeito ao distanciamento social. Também deverá ser garantida boa ventilação dos ambientes, de preferência natural e, se necessária a utilização de equipamentos de climatização, higienizá-los conforme legislação pertinente e com maior frequência.

A alteração no decreto 738, de 19 de outubro, ocorreu menos de uma semana após sua publicação e de intensas críticas de alguns profissionais do setor, que consideravam inviável a instalação de uma barreira física, com altura mínima de dois metros, em acrílico ou acetato, entre os músicos e os clientes dos estabelecimentos. Segundo eles, o custo e a dificuldade de implementação eram os maiores empecilhos para o cumprimento desta determinação. 

 

LEIA MAIS

Total de infectados desde março chega a 4.543 e número de óbitos sobe para 173, mas ocupação média de leitos continua abaixo de 50%

"Este é o mês com maior número de casos, bem acima do recorde que aconteceu entre julho e agosto", diz informe do hospital

Do total de infectados, 500 são profissionais de saúde. Ao todo, o município registra 170 mortes pela doença

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra