Partiu Abu Dhabi: Jhennifer brilha no José Finkel e garante vaga no Mundial

Nadadora friburguense compôs o time do Pinheiros durante a disputa da competição
quarta-feira, 18 de agosto de 2021
por Vinicius Gastin
Competição foi realizada na piscina da Associação Bauruense de Desportos Aquáticos
Competição foi realizada na piscina da Associação Bauruense de Desportos Aquáticos

Por muito pouco ela não foi aos Jogos Olímpicos de Tóquio. Capacidade tem de sobra, bem como tempo para acertar os detalhes e estar presente na próxima edição do evento. Jhennifer Alves voltou a mostrar todo o talento durante o Campeonato Brasileiro Absoluto de Natação – Troféu José Finkel, um dos mais tradicionais torneios da natação brasileira. Realizado entre os últimos dias 10 e 14, na cidade de Bauru, no interior do estado de São Paulo, a competição estava marcada para Guaratinguetá, mas precisou ter o local alterado, por conta das fases de transição, prevenção e decretos municipais e estaduais visando a prevenção à Covid-19.

E foi na piscina da Associação Bauruense de Desportos Aquáticos que Jhennifer Alves fez um tempo nos 50 metros peito abaixo do índice para nadar o Mundial de Abu Dhabi. Com uma marca que lhe garantiria na final no Mundial de 2018 da prova, a nadadora do Pinheiros se tornou a melhor nadadora do Finkel, empatada com Gabi Roncatto. Jhenny fez 30s19, abaixo do índice de 30s69. Pâmela Souza (Flamengo) ficou em segundo, com 30s76, e Julia Sebastian (Minas) em terceiro, com 30s93.

A marca colorou a atleta de Nova Friburgo em oitavo na projeção do Mundial, igualando a posição de Gabrielle Roncatto dos 400 livre – por isso sendo consideradas as duas melhores no feminino do José Finkel. Com a marca, Jhennifer conquistou vaga na seleção que defenderá o Brasil no Campeonato Mundial de Desportos Aquáticos de piscina curta em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes. Além desta prova, a friburguense também foi ouro no revezamento 4 x 100m e prata nos 100m peito.

"Este ano, estamos trabalhando na piscina longa, que é mais importante para mim. E querendo ou não, fiquei com resquícios, mas agora treinando para a ISL, vou correr atrás do meu melhor, que é 29.91. Estou feliz de ter conseguido este índice para o Mundial", disse.

Na competição por equipes, o Minas Tênis Clube garantiu o bicampeonato, com o Pinheiros, de Jhenny em segundo lugar. Campeão em 2019 em piscina longa no Curitibano, o time mineiro conseguiu seu 13º título, passando o Flamengo e agora ocupando, de forma isolada, a posição de segundo maior vencedor da competição. O Pinheiros lidera com 15 títulos, diferença de vantagem que faz do Finkel a competição mais equilibrada da natação brasileira.

O troféu definiu os 20 atletas convocados, independente de gênero, para a competição marcada para acontecer entre os dias 16 e 21 de dezembro, em Abu Dhabi. Seis das 20 vagas eram obrigatoriamente para as nadadoras. Diversos dos atletas que estiveram nos Jogos Olímpicos de Tóquio competiram no José Finkel. Os principais nomes da competição serão dois dos três medalhistas da natação brasileira no Japão: Ana Marcela Cunha e Fernando Scheffer.

Campeã da maratona aquática nas águas japonesas, Ana Marcela Cunha, do Time Ajinomoto, nadou as três provas de longa distância da natação: 400m, 800m e 1.500m livre feminino. O outro medalhista no Japão que disputou o José Finkel é Fernando Scheffer. Em Tóquio, o nadador levou o bronze nos 200m livre masculino. Em Bauru, Scheffer nadou os 100m, 200m e 400m livre. Em contrapartida, dois dos melhores nadadores do país não puderam participar: Bruno Fratus e Etiene Medeiros.

Em julho, Jhennifer Alves voltou a bater o recorde brasileiro dos 100 metros peito, com 1min7s13, baixando em 24 centésimos o tempo da seletiva nacional. Mas o resultado não foi suficiente para ela alcançar o índice olímpico, por seis centésimos. O novo resultado expressivo – acompanhado do 5º lugar- foi alcançado durante a disputa do Troféu Sette Colli, tradicional competição sediada em Roma, na Itália, e que serve como último estágio da natação brasileira antes da viagem ao Japão para a Olimpíada.

Além do recorde, a atleta conquistou ainda a medalha de bronze nos 50 metros peito. Na prova, Jhennifer obteve o tempo de 30s40, fazendo a melhor marca da América do Sul. Ela ficou atrás das italianas Benedetta Pilato (29s69) e Arianna Castilioni (30s06).

Alguns meses antes, Jhennifer foi a grande destaque no segundo dia de eliminatórias da Seletiva Olímpica de Natação do Brasil, ao quebrar o recorde brasileiro dos 100m peito, com um tempo de 1:07.35. Jhenny dominou a prova de ponta a ponta fazendo parciais de 31.44 e 35.91. Na segunda, entretanto, a nadadora marcou 1'08"08, um segundo a mais do que o índice olímpico, que é 1’07”07.

Atletas classificados para o Mundial

  • 1. Caio Pumputis – 200m medley
  • 2. Nicholas Santos – 50m borboleta
  • 3. Gabriel Fantoni – 50m costas
  • 4. Fernando Scheffer – 200m livre
  • 5. Leonardo Santos – 200m medley
  • 6. Felipe Lima – 100m peito
  • 7. Guilherme Guido - 100m costas
  • 8. Murilo Sartori – 200m livre
  • 9. Jhennifer Alves – 50m peito
  • 10. Brandonn Almeida – 400m medley
  • 11. Gabrielle Roncatto – 400m livre
  • 12. Vinicius Lanza – 100m borboleta
  • 13. Leonardo de Deus – 200m borboleta
  • 14. Nathália Almeida – 400m livre
  • 15. Gabriel Santos – 100m livre
  • 16. Viviane Jungblut – 800m livre
  • 17. Guilherme Costa – 400m livre
  • 18. João Luiz Gomes Jr. – 50m peito
  • 19. Giovanna Diamante – 200m borboleta
  • 20. Pamela Souza – 200m peito

 

LEIA MAIS

Atleta de Nova Friburgo tenta convencer a Confederação na tentativa final de ir aos Jogos de Tóquio

Em bate-papo com A VOZ DA SERRA, atleta fala dos desafios vividos em 2020 e seus próximos passos

Filme contará a paixão pela natação segundo Rodrigo Garcia, que fez história conseguindo cumprir maratonas aquáticas

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: natacao