Jhennifer Alves bate recorde nos 100 metros peito em evento pré-olímpico

Atleta de Nova Friburgo tenta convencer a Confederação na tentativa final de ir aos Jogos de Tóquio
quinta-feira, 01 de julho de 2021
por Vinicius Gastin
 Jhenny voltou a bater recorde, mas ainda não atingiu o índice olímpico
Jhenny voltou a bater recorde, mas ainda não atingiu o índice olímpico

Ela está voando. Jhennifer Alves voltou a bater o recorde brasileiro dos 100 metros peito, com 1min7s13, baixando em 24 centésimos o tempo da seletiva nacional. Mas o resultado não foi suficiente para ela alcançar o índice olímpico, por seis centésimos. A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) já fechou o time que vai a Tóquio, sem Jhennifer, mas a nadadora foi a Roma com a esperança de nadar abaixo do índice lá e acabar convencendo a confederação a levá-la ao Japão. O Brasil terá uma delegação recorde em Tóquio, com 26 nadadores

O novo resultado expressivo – acompanhado do 5º lugar- foi alcançado durante a disputa do Troféu Sette Colli, tradicional competição sediada em Roma, na Itália, e que serve como último estágio da natação brasileira antes da viagem ao Japão para a Olimpíada. Além do recorde, a atleta conquistou ainda a medalha de bronze nos 50 metros peito. Na prova, Jhennifer obteve o tempo de 30s40, fazendo a melhor marca da América do Sul. Ela ficou atrás das italianas Benedetta Pilato (29s69) e Arianna Castilioni (30s06).

O Sette Colli deste ano está mais esvaziado do que o usual, mas ainda assim conta com rivais importantes, que devem brigar por medalha em Tóquio. No total o Brasil ganhou cinco medalhas nesse primeiro de três dias de competição na Itália. Ao todo, o Brasil conquistou 12 medalhas (oito em disputas olímpicas) e ficou em quinto lugar na competição.

Há poucos meses, Jhennifer foi a grande destaque no segundo dia de eliminatórias da Seletiva Olímpica de Natação do Brasil, ao quebrar o recorde brasileiro dos 100m peito, com um tempo de 1:07.35. Jhenny dominou a prova de ponta a ponta fazendo parciais de 31.44 e 35.91. Na segunda, entretanto, a nadadora marcou 1'08"08, um segundo a mais do que o índice olímpico, que é 1’07”07.

 

LEIA MAIS

Nadadora friburguense compôs o time do Pinheiros durante a disputa da competição

Em bate-papo com A VOZ DA SERRA, atleta fala dos desafios vividos em 2020 e seus próximos passos

Filme contará a paixão pela natação segundo Rodrigo Garcia, que fez história conseguindo cumprir maratonas aquáticas

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: natacao