Antigo Colégio Nossa Senhora das Graças é desapropriado para virar escola municipal

Comunidade de Olaria pede que nova instituição passe a se chamar Monsenhor Mielli, em homenagem ao padre que edificou centro social
sexta-feira, 19 de novembro de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O colégio e o centro social Nossa Senhora das Graças (Arquivo AVS)
O colégio e o centro social Nossa Senhora das Graças (Arquivo AVS)

Em decreto publicado no Diário Oficial Eletrônico desta quinta-feira, 18, o prefeito Johnny Maycon desapropriou as instalações do antigo Colégio Nossa Senhora das Graças, em Olaria. Os dois imóveis - um de propriedade da Mitra Diocesana de Nova Friburgo e o outro, do Centro Social Nossa Senhora das Graças - foram avaliados em R$ 7,38 milhões.

As instalações foram declaradas de utilidade pública e passarão a abrigar uma escola municipal que, a pedido da comunidade de Olaria, poderá vir a se chamar Monsenhor Mielli, em homenagem ao seu fundador, que completaria 100 anos no ano que vem.

O espaço conta com um prédio de três pavimentos e área esportiva com três quadras de esportes, uma quadra coberta, auditório, palco, camarim, salas de aulas arejadas, espaço para circulação, acessibilidade, espaço para atividades extracurriculares, cozinha, cantina e refeitório, totalizando uma área útil  de mais de quatro mil metros quadrados.

O Colégio Nossa Senhora das Graças fechou as portas no início de 2016, após ‭ ‬57‭ ‬anos de atividades. Em nota, a Diocese de Nova Friburgo explicou na época que o encerramento se deveu a motivos financeiros,‭ ao baixo número de inscritos para aquele ano letivo, e ao crítico cenário econômico vivenciado pelo‭ ‬país,‭ ‬entre outros aspectos.‭

Polo UED da UCP continua

A Universidade Católica de Petrópolis (UCP) esclarece que o polo de ensino à distância (EAD)  inaugurado em 29 de janeiro deste ano continua funcionando no espaço, fruto de uma parceria entre as dioceses de Petrópolis e Nova Friburgo. No polo são ofertados  cinco cursos de graduação disponibilizados nesta modalidade: Administração (bacharelado), Pedagogia (licenciatura), História (licenciatura), Teologia (bacharelado), Filosofia (licenciatura e bacharelado) e, agora, também Música (licenciatura); além de cursos de extensão e pós-graduação, também oferecidos em EAD. O Vestibular UCP 2022.1, inclusive, já está com processo seletivo aberto, com inscrições até janeiro.

Qualquer mudança que seja feita pela Mitra de Nova Friburgo em relação ao endereço do polo EAD da UCP será divulgada, caso aconteça.

Como mostrou reportagem de A VOZ DA SERRA publicada em julho de 2020 (relembre aqui), o Centro Social e o Colégio Nossa Senhora das Graças nasceram do sonho visionário e humanista do jovem padre friburguense Caetano Antônio Mielli.  Antes mesmo dos 30 anos de idade,  ele decidiu  fundar no bairro operário de Olaria não apenas uma paróquia, mas um complexo social, religioso e educacional que oferecesse a milhares de famílias proletárias a chance de crescimento pessoal, profissional e espiritual. Assim foi construído, a partir dos anos 50, o Centro Social Nossa Senhora das Graças, integrado, além de uma igreja moderna, por uma escola que formou gerações de friburguenses.

Foi uma obra grandiosa para a época, projetada quase ao mesmo tempo que Brasília e, inicialmente, pelo mesmo arquiteto: Lucio Costa. O centro social transformaria para sempre o bairro mais populoso de Nova Friburgo, oferecendo aulas, cursos técnicos como contabilidade, formação de professores, serviços assistenciais, esportes. Alunos tornavam-se professores, fazendo a engrenagem girar.

O renomado parceiro de Oscar Niemeyer conheceu o terreno, doado em 1951 por outro visionário, Cesar Guinle, apenas por fotografias. E não pôde terminar o projeto da igreja devido à sua transferência para a construção de Brasília, delegando-o a outros arquitetos, sob a supervisão dos irmãos engenheiros Heródoto e Ariosto Bento de Mello, da jovem firma Sotec. 

A obra da igreja em concreto armado, em plena construção de Brasília, durou mais de 20 anos e representou um desafio extra para o jovem padre: além de “roubar” os projetistas,  a mudança da capital federal trouxe a dificuldade da obtenção de cimento, que era totalmente consumido pelo Planalto Central.

“Peço-lhe o grande favor de resolver com Dr. Ariosto tudo o que for necessário para o andamento da obra. É preciso telefonar para Dr. Lino sabendo o dia em que poderemos retirar o cimento e providenciar os caminhões. São 500 sacos e por isso necessitamos de uns quatro caminhões”, escrevia de próprio punho um preocupado padre Mielli, durante viagem, à sua assistente Thereza Fernandes, em carta que A VOZ DA SERRA obteve com exclusividade junto aos arquivos da família.

O empenho do padre - posteriormente Monsenhor - Mielli na obra de sua vida, edificada em fé e concreto, moveu doações, terrenos, cotas extras de cimento e fincou em Olaria um dos legados mais importantes da história de Nova Friburgo. O líder religioso morreu de infarto, em 1979, aos 56 anos.

 

O corpo de Monsenhor Mielli está sepultado na igreja que ele idealizou e ergueu. Friburguenses se recordam até hoje da missa de corpo presente e do velório que varou a madrugada e encheu várias vezes o templo, com o povo em lágrimas se revezando do lado de dentro e de fora, até o dia seguinte. A prefeitura decretou luto oficial na cidade, o comércio de Olaria funcionou à meia-porta em plena quarta-feira.

 

LEIA MAIS

Antigo Colégio Nova Friburgo está fechado desde a tragédia climática de 2011, devido ao deslizamento de uma encosta

Iniciativa contará com participação de mulheres de baixa renda, além de assistentes sociais, com bolsa de R$ 1 mil por um ano

Auxílio tecnológico visa a cobrir gastos com a aquisição de equipamentos compatíveis com transmissão de aulas online

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: Educação