Bia WIlcox

Bia Wilcox

Bia Willcox sempre escreveu.Professora e advogada por formação, sua grande paixão é conteúdo, texto, assuntos diversos pra trocar e enriquecer.assina a coluna Amores Cariocas na Rádio Bandnews e um blog sobre cultura e entretenimento no Portal R7

11/04/2018

Eu posso pensar em qualquer assunto, posso buscar notícia boa, posso querer contar piada até, mas não adianta: Eu só consigo pensar no maior clichê do planeta: o amor. Os tempos líquidos e digitais nos prestaram um desserviço entre meio a tantas novidades e facilidades: o desnudamento do ódio. Não há mais disfarce ou fantasia, o ódio agora é nu, amplo e irrestrito. Nas redes sociais virtuais e presenciais, ou seja, tanto nos aplicativos quanto nas ruas.

Leia mais
28/03/2018

Na era digital em que vivemos, a confiança é uma premissa fundamental para a interação entre os indivíduos, entre indivíduos e organizações e entre organizações também. Em dias como os de hoje, por exemplo, a confiança do consumidor é fundamental e a construção da credibilidade de um serviço ou marca, por exemplo, não está mais unicamente na mão da empresa e sim na mão das pessoas que avaliam, dão nota e estrelas para os produtos.

Leia mais
14/03/2018

Passei um bom tempo de minha vida acreditando que não precisávamos ter um lado ou, mais difícil ainda, que devíamos lutar para não ter um lado, lutar pela imparcialidade e isenção, como se pessoas imparciais e isentas valessem mais no mercado. 

Acreditei que não seria possível escolher um lado a cada embate de opiniões contrárias. Entendia que não se meter era mais do que só ser conveniente e discreto: era realmente não tomar partido de ninguém.

Leia mais
28/02/2018

Muito se fala hoje sobre preconceito de idade, a velha discriminação contra idosos. Em inglês, trata-se de ageism, palavra em voga hoje. Na verdade este preconceito, como tantos outros, sempre existiu, curiosamente contra a única condição que é absolutamente igual para todos os habitantes do planeta: ficar velho. A opção que temos para não envelhecermos não é nada boa... E se perguntarmos se alguém quer morrer jovem, ninguém quer. 

Leia mais
15/02/2018

Não é sempre que eu sonho. Mas na noite passada sonhei que era um alienígena que pisava no Rio de Janeiro no meio do carnaval. Meu poder de me colocar no lugar do outro foi tão grande (talvez façamos isso melhor dormindo) que conseguia ver a cidade como algo completamente novo pra mim. Me vesti completamente de ET e, pelas lentes dele, me deslumbrei com cores e corpos tão vivos.

Leia mais
07/02/2018

Você já se sentiu ovelha negra? Já se sentiu diferente de todo mundo? Já teve a sensação de que não pertence plenamente a lugar ou grupo nenhum? Já se sentiu o esquisitão? Aquele eterno inadequado? Se sim, mesmo que às vezes somente, bem vindo ao clube. Acredito que todo mundo, uns mais e outros menos, já se sentiram peixe fora d'água temporária ou permanentemente.

Leia mais
17/01/2018

Aviso aos navegantes: vou opinar. Quero opinar sobre ter que opinar sobre tudo que vemos pela frente.

Vocês já repararam como o excesso de informação na internet, especialmente nas redes sociais, faz a gente se sentir obrigado a dar opinião sobre as mais diversas coisas?

Basta que algo aconteça para que  venha uma onda de opiniões para todos os lados como moléculas em movimento cego, em todos os perfis e redes sociais.

Leia mais
03/01/2018

Você posta a sua felicidade? Transmite ao vivo todas as suas alegrias em seus perfis? Coloca efeitos incriveis nos registros instantâneos de sua vida? Em suma, você exibe uma vida ultra mega feliz?

Vocês bem sabem que eu estou falando do mundo encantado das redes sociais onde, ou todo mundo é esquizofrenicamente feliz 24 horas ou, no extremo oposto,  o lado obscuro e triste da vida é compartilhado como numa exibição de circo, num aquário ou numa grande vitrine de loja.

Leia mais
19/12/2017

E chegou o fim do ano com aquela sensação recorrente de que temos que estar com a família, retomar relações, fazer as pazes, confraternizar, montar a árvore, comer rabanadas e até engordar. Decidir abrir mão desses costumes sentimentais é muito difícil. Há quem tente e fica sendo importunado volta e meia por aquela culpa no cantinho da cabeça e do coração. Há quem consiga se livrar de amarras natalinas e não dar a mínima para as pressões afetivas e subjetivas da data - costumo chamá-los de anti-heróis da resistência.

Leia mais
21/11/2017

A gentileza tem dia mundial e foi na semana que passou. Nesse dia eu deveria ter ouvido fogos como os de Copacabana em dia de Ano Novo ou como dia de final de Copa do Mundo. Eu deveria ter participado de brindes e confraternizações. Porque se trata de celebrar a gentileza - coisa rara em dias de fratura exposta nas redes sociais.

Leia mais