UTIs superlotam e Friburgo já está à beira do colapso

Dos 50 leitos disponíveis em toda a cidade, 49 estão ocupados. Deputado pede ajuda das Forças Armadas e Raul Sertã ganha nova ala Covid
quarta-feira, 07 de abril de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O mapa da ocupação de leitos no estado mostra Friburgo saturada (Reprodução da web)
O mapa da ocupação de leitos no estado mostra Friburgo saturada (Reprodução da web)

Enquanto Nova Friburgo - poder público, setores empresariais e a população -  discute como flexibilizar a bandeira roxa para salvar a economia da falência generalizada, um cenário ainda mais sombrio se avizinha: o colapso iminente das redes pública e particular de saúde, também por conta da Covid. 

Justamente nesta semana marcada pelo estágio de maior risco de contágio pelo coronavírus, a cidade vem registrando, pela primeira vez em mais de um ano de pandemia,  100% de ocupação de leitos de UTI, tanto no Hospital Municipal Raul Sertã quanto no da Unimed e no Serrano, ambos privados. Somente o São Lucas, particular, tinha, nesses últimos dias, leitos sobrando: um apenas.  

Para se ter uma ideia, desde o último domingo, 4, até antes da divulgação do boletim desta quarta, dos 50 leitos de UTI disponíveis em toda a cidade, 49 estavam ocupados por pacientes de Covid, o que eleva a taxa de saturação para 98%.  A situação só não é pior nas enfermarias, onde, dos 90 leitos totais, 66 estavam ocupados.

Mas a fila de espera por uma UTI em Nova Friburgo está, gradualmente, crescendo:  somente nesta terça, segundo a prefeitura, surgiram 55 casos suspeitos e três pacientes aguardavam vaga de UTI. Foram atendidos graças à alta médica dada a outros  pacientes. A situação tem levado médicos da linha de frente a fazerem a terrível “escolha de Sofia”: decidir qual paciente terá mais chances de se recuperar sob tratamento intensivo, conforme confidenciou uma profissional ao jornal.

Considerando apenas os leitos públicos de UTI e de enfermagem para tratamento de Covid, o mapa da Secretaria Estadual de Saúde (CONSULTE AQUI) revela, de uma perspectiva mais abrangente, uma situação preocupante: a cidade de Nova Friburgo já atingiu 100% de ocupação dos leitos públicos, sendo responsável pelo atendimento de 13 municípios vizinhos e cercada por outros municípios, mais distantes, com taxas de ocupação igualmente elevadas. 

A Secretaria Municipal de Saúde informou ao jornal A VOZ DA SERRA que, se fossem abertos 300 leitos, todos entrariam para o sistema de regulação do estado e provavelmente seriam ocupados por pacientes de fora da cidade. A secretaria informa ainda que está apurando se houve mortes em decorrência da espera por leitos. 

Deputado pede ajuda às Forças Armadas

Diante do quadro crítico, o deputado federal Luiz Lima (PSL) encaminhou nesta segunda, 5, ao ministro da Defesa, general Braga Netto, um ofício pedindo a cessão de profissionais de saúde das Forças Armadas para auxiliar em demandas da pandemia do Covid-19 em Nova Friburgo. Como, por exemplo, a operacionalização de respiradores ainda fora de uso por falta de mão de obra especializada.

Para suprir essa mão de obra deficitária, a prefeitura já anunciou que vai publicar  um edital de processo seletivo para a contratação de 63 médicos de diversas especialidades. Além desses médicos, semanas atrás foram chamados 167 profissionais de saúde para reforçar o atendimento do Raul Sertã, equipes de vacinação e demais unidades de saúde, segundo a prefeitura.

Mas o processo não é tão simples assim. Segundo outra profissional de saúde que trabalha na linha de frente contra a Covid no Raul Sertã, a sobrecarga de trabalho e a baixa remuneração, com o corte de gratificações, são empecilhos à contratação de mais médicos.  “Lá dentro está o caos”, desabafou ela, entre um atendimento e outro.

Para o consultor e membro do Comitê Operativo de Emergência em Saúde (COE) Raphael Spinelli, tecnicamente o sistema de saúde só não entrou em colapso porque o sistema hospitalar ainda não perdeu completamente a capacidade de atender as demandas. “Acredito que estamos dedicando muito tempo e atenção na área equivocada. Estamos perdendo tempo demais com essa discussão de bandeira e do que abre e do que fecha, e isso não resolve o problema da pandemia e da saturação da capacidade do sistema de saúde, e acabamos por perder o foco no que realmente faz a diferença: conscientização da população, uso de máscaras, ampliação de leitos e disponibilidade de medicamentos e vacinação. Essas ações têm que estar em primeiro plano, e não as bandeiras e o que abre e o que fecha”, avaliou.

Raul Sertã ganha nova área Covid

Os números crescentes de casos de Covid - 216 de segunda para terça - levaram a prefeitura a anunciar, na tarde desta quarta, 7, a abertura de 17 novos leitos de enfermaria no Raul Sertã. Segundo o governo municipal, a necessidade da abertura desses leitos se deve “à expansão descontrolada do número de casos de pessoas contaminadas” pela doença na cidade. 

O novo espaço funciona na área da clínica cirúrgica, uma ala que estava parcialmente fechada para obras e precisou passar por reformas de recuperação e adequação. Para o espaço entrar em atividade foi necessário que a Secretaria de Saúde adequasse o setor de CTI 2 e suspender, temporariamente, as cirurgias eletivas, sendo executadas apenas as de urgência e emergência. Contudo, foram mantidos os seis leitos de CTI geral e da ala coronariana para atender as outras especialidades. Os pacientes que passarem por essas cirurgias ficarão em setor próprio e com isolamento adequado. Os profissionais que trabalharão na nova ala Covid são aqueles convocados, na última semana, pelo edital de chamamento público. 

Atendimento em cadeiras pelos corredores

A secretária de Saúde, Nicole Cipriano, destacou  que, mesmo com a abertura desses novos leitos, ainda não será suprida a necessidade da demanda da cidade. “Já temos pessoas sendo atendidas em macas e cadeiras pelos corredores do hospital. A nossa realidade é a mesma dos grandes centros, e se o friburguense não mudar a sua rotina de hábitos, a situação será devastadora e em pouquíssimo tempo”. A secretária disse também que a UPA já está atendendo com a sua capacidade máxima de lotação. “A situação é muito séria”, afirmou.

De acordo com o Núcleo Interno Regulatório do hospital, já existem pacientes de UTI na iminência de serem regulados pelo estado, ou seja, friburguenses que precisarem de internação em UTI correm o risco de não conseguirem vagas no município e serem encaminhados para qualquer outra cidade onde haja leito vago no estado. 

Sobre os 30 respiradores sem uso, a Secretaria Municipal de Saúde voltou a alegar dificuldades para encontrar profissionais especializados para atuarem no setor, o que impossibilita prever uma data para início de operação dos equipamentos. 

“Nós estamos vivenciando o pior momento da pandemia. O vírus já sofreu algumas mutações que ainda são desconhecidas e torna mais grave a situação. Então, o momento é de cautela e precaução. Precisamos que o friburguense se conscientize do seu papel enquanto sociedade, pois, por mais que o poder público faça a sua parte, a responsabilidade deve ser repartida por todos. Os números mostram que o sistema de saúde pública da cidade está prestes a colapsar”, alertou Nicole.

 

LEIA MAIS

UTI do Raul Sertã exculsiva para o tratamento da doença volta a lotar

Entre esta quarta e sábado seriam contemplados adultos de 28 a 33 anos; aplicação de segunda dose, no entanto, prossegue

Lote repassado aos municípios, incluindo Nova Friburgo, contém as vacinas Astrazeneca, Coronavac e Pfizer

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra