Nesta segunda-feira, a vez de a cidade mostrar seu luxo na avenida

Desfile cívico-militar dos 204 anos tem como “enredo” toda a grandeza e diversidade econômica, histórica e cultural de Nova Friburgo
sexta-feira, 13 de maio de 2022
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
O desfile do Sanatório Naval em anos passados (Arquivo AVS/ Daniel Marcus e Henrique Pinheiro
O desfile do Sanatório Naval em anos passados (Arquivo AVS/ Daniel Marcus e Henrique Pinheiro

Depois de blocos de carnaval e escolas de samba, será a vez de toda a grandeza e diversidade econômica, histórica, educacional, esportiva e cultural de Nova Friburgo desfilar na Avenida Alberto Braune nesta segunda-feira, 16, quando a cidade completa 204 anos. 

Em vez de samba, a evolução na avenida será em ritmo de caminhada e acenos ao público, que, após dois anos sem desfile cívico-militar por causa da pandemia, terá o privilégio de assistir a tudo das arquibancadas montadas para o primeiro carnaval fora de época da história.

Ao longo dos 600 metros entre a sede da prefeitura e o início da Praça Dermeval Barbosa Moreira, saem passistas e alegorias e entram em cena alas inteiras de cidadãos comuns, friburguenses que representam algumas das instituições mais importantes do cotidiano da cidade. Sem fantasias, mas com luxo em cada detalhe dos uniformes.

O enredo, como todos os anos, é o orgulho de pertencer a Nova Friburgo - primeira cidade do Brasil criada por decreto real, em 1818, para abrigar suíços e que acabou acolhendo também alemães, franceses, italianos, libaneses, japoneses, austríacos, húngaros, espanhóis e pan-africanos.

A concentração dos “componentes” será a partir das 8h, nas imediações do Palácio Barão de Nova Friburgo. O abre-alas da festa será o hasteamento de bandeiras em frente à sede do governo municipal, ao som do Hino Nacional Brasileiro, executado pela banda Campesina Friburguense, às 7h30. 

Como nos anos anteriores, o primeiro desfile da gestão Johnny Maycon - ele assumiu a prefeitura em 2021, em plena pandemia - terá dois blocos: um militar, aberto pela banda Campesina e encerrado pela banda Euterpe Friburguense, e outro civil, com delegações de entidades e escolas e  encerrado por um grupo de garis, profissionais que também comemoram seu dia em 16 de maio.

Às 8h30 terão início as apresentações na Avenida Alberto Braune, com o Tiro de Guerra do Exército Brasileiro e a Associação de Veteranos do Tiro de Guerra, seguida da Associação de Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais e da Sociedade dos Amigos da Marinha (Soamar). Logo após virão as viaturas do 11ºBPM, do 6º Grupamento de Bombeiros Militar, da Guarda Municipal e da Defesa Civil, além da Cruz Vermelha e, por fim, a banda Euterpe Friburguense.

Em seguida, a partir das 9h, desfilam as instituições civis, começando  por representantes da Associação das Colônias Formadoras de Nova Friburgo (Ascofri), lembrando nossas raízes, misturas de dez povos colonizadores.  Representantes da União Brasileira de Trovadores (UBT) vêm logo em seguida para lembrar que Nova Friburgo é berço nacional da trova. Na sequência, em uma das partes que costumam ser sempre as mais surpreendentes do desfile: a Secretaria Municipal de Agricultura e a Associação dos Agricultores costumam mostrar, em plena avenida, alguns dos produtos cultivados e até animais criados na região.

A essa altura, o desfile cívico segue cada vez mais interessante e divertido, com equipes AirSoft, a beleza clássica de automóveis da Associação de Carros Antigos de Nova Friburgo (Acanf) e os roncos dos motores de grupos como Escaravelhos da Serra, Associação de Motociclistas de Nova Friburgo (Amonf), Moto Clube Águias de Cristo e Moto Clube Águias Stradeiras.

Às 10h, é hora de pisar na passarela as instituições beneficentes e educacionais como Associação Friburguense de Amigos e Pais do Educando (Afape), Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Arte de Educar, Casa da Criança e do Adolescente, Instituto Fribourg, Colégio Estadual Canadá, várias escolas municipais, Aldeia da Criança Alegre, Casa Madre Roselli, Capoeira Mestre Caroço, Banda Euterpe Lumiarense, Ponto de Cultura de Olaria e de Conselheiro Paulino, Oficina Escola de Artes, ex-alunos e escoteiros do Colégio Anchieta, o coletivo Rede de Mulheres, atletas do Lagoinha JiuJitsu e ex-alunos do Colégio Nova Friburgo (CNF), fechando pelos garis, por volta das 11h30. Tudo com o colorido e a graciosa desenvoltura de estudantes instrumentistas e malabaristas.

À tarde, bem depois do desfile de aniversário da cidade, o reinado de Momo continua. Às 17h a Alberto Braune será invadida novamente por marchinhas e, pela primeira vez em um carnaval friburguense, haverá micareta com trio elétrico.

Veja, na galeria abaixo, mais fotos dos últimos desfiles.

 

 

 

LEIA MAIS

Cidade foi colonizada por povos vindos de dez nações diferentes, uma característica única

Audiência pública na Câmara dá início aos preparativos

Placa é inaugurada na Praça Nova Friburgo, na capital do cantão, com atraso devido à pandemia

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 77 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: 200 anos