Lixeiras lotadas espalham detritos pelas margens do Rio Bengalas

Avenidas Comte Bittencourt e Galdino do Valle Filho têm apenas oito recipientes, todos cheios ou danificados
quinta-feira, 18 de junho de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Lixo espalhado às margens do Bengalas (Fotos: Fernando Moreira)
Lixo espalhado às margens do Bengalas (Fotos: Fernando Moreira)

O leitor mais atento certamente já reparou que A VOZ DA SERRA produz com certa frequência reportagens sobre a falta de cidadania e consciência ambiental de algumas pessoas que insistem em depositar lixo e entulhos em locais inadequados, um ato que contribui para a proliferação de ratos, baratas, aranhas e escorpiões, além de dar um aspecto de abandono à cidade. No entanto, também há inúmeros exemplos de cidadãos que desejam fazer o certo, mas não encontram a estrutura adequada para a boa prática.

Após denúncia de um leitor enviada à nossa redação sobre a falta de varrição e recolhimento do lixo depositado nas lixeiras que margeiam o Rio Bengalas ao longo das avenidas Comte Bittencourt e Galdino do Valle Filho, percorremos todo o trecho a pé para verificar a situação, que constatamos ser desanimadora.

Em toda a extensão da Avenida Comte Bittencourt (entre o edifício Itália e a ponte da Rua Francisco Miele, que dá acesso ao Suspiro) – na calçada às margens do Rio Bengalas – encontramos apenas cinco lixeiras, todas elas lotadas de lixo, o que sugere que o recolhimento não foi feito nos últimos dias. Do outro lado do rio, na Avenida Galdino do Valle Filho, a missão de encontrar uma lixeira é ainda mais difícil. 

No mesmo trecho, há apenas três lixeiras. Uma delas, destinada a coleta seletiva de papel, plástico, vidro e alumínio, de padrão diferente das disponibilizadas pela prefeitura e instalada ao lado da academia ao ar livre, em frente a Igreja Luterana, está parcialmente quebrada e é a única que não estava lotada de lixo. Ao lado de um dos bancos às margens do rio, também flagramos um local que deveria abrigar uma lixeira, mas conta apenas com a estrutura de ferro. Em outro ponto, de tão abarrotada, há lixo em cima, embaixo e até ao lado da lixeira.

A escassez de lixeiras aliada à falta de consciência ambiental das pessoas, tem deixado as margens do Rio Bengalas repletas de lixo de todos os tipos. São garrafas plásticas e de vidro, copos descartáveis, pacotes de biscoito, maços de cigarro vazios, calotas de automóveis, garrafas pet, caixotes de madeira, latas de tinta e diversas máscaras de barreira, situação ainda mais grave devido a pandemia do coronavírus.

Questionada por A VOZ DA SERRA sobre a frequência em que é feita a varrição e retirada de lixo nas referidas avenidas e se há a previsão de instalação de novas lixeiras no trecho, a Prefeitura de Nova Friburgo não enviou nenhuma resposta até o fechamento desta edição. 

Via compartilhada

Às margens do Rio Bengalas nas avenidas Comte Bittencourt e Galdino do Valle Filho também estão recebendo ajustes para atender plenamente a via compartilhada que está sendo construída entre o Paissandu e o bairro de Duas Pedras. Funcionários da empresa contratada para realizar o serviço estão na fase de nivelamento de esquinas para facilitar a trafego dos ciclistas sem prejudicar a circulação dos pedestres.

Intervenção semelhante já foi promovida nas esquinas da Ponte Branca, que liga as duas avenidas. Durante toda esta quarta-feira, 17, os trabalhos se concentraram no nivelamento da rampa de acesso à ponte de pedestres localizada próximo a Rua Ernesto Brasílio. Para isso, o acesso aos pedestres ficou impedido. Quem precisou passar por ali, teve que dar a volta pela Ponte Branca ou pela ponte da Rua Francisco Mieli, na altura do Suspiro. 

 

LEIA MAIS

Árvores também foram extraídas de uma área de aproximadamente três mil metros quadrados

Convênio entre a prefeitura e a PM ampliará atuação contra esse tipo de poluição sonora

"Esperei até hoje para ver se quem fez isso recolhesse. Mas a pessoa foi vista hoje jogando ainda mais", diz ele

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra