Hospital do Câncer: uma árdua jornada que vai completar 10 anos

Governo do Estado prevê publicação de edital em janeiro e reinício das obras na unidade em fevereiro
sexta-feira, 26 de novembro de 2021
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)
Hospital do Câncer: uma árdua jornada que vai completar 10 anos

Na última segunda-feira, 22, uma equipe da Subsecretaria estadual de Projetos e Obras, acompanhada do vereador José Roberto Folly (PSC), presidente da Amaps (Associação de Moradores e Amigos da Ponte da Saudade), realizou nova vistoria no local onde, há anos, funcionou o Centro Adventista de Vida Saudável (Cavs), e que desde 2012 “escuta” de inúmeras autoridades que governaram o estado que, “desta vez, o Hospital do Câncer de Nova Friburgo vai sair do papel”. 

Segundo Pedro Ramos, subsecretário de Projetos e Obras do Estado, os estudos para dar continuidade à construção do hospital estão concluídos e o orçamento definido. “Estamos trabalhando na montagem dos processos licitatórios dos custos, com previsão de publicação de edital em janeiro e início das obras em fevereiro de 2022”, informou. 

De acordo com o vereador, a vistoria no canteiro de obras visou levar mais informações para a equipe da subsecretaria, que no momento está ultimando o projeto. “Em janeiro deste ano, quando a tragédia climática que atingiu nossa cidade completou 10 anos, o então governador interino Cláudio Castro decretou luto de três dias na Região Serrana. Achei pertinente preparar um dossiê para entregar ao comando do Corpo de Bombeiros, e em mãos ao governador. Na ocasião, aproveitei a presença de alguns secretários cujas pastas tinham a ver com obras públicas e saúde, para solicitar a retomada da reconstrução do hospital”, contou.

“De pronto”, segundo José Roberto, o governador demonstrou interesse na retomada da obra e pediu à sua equipe que avaliasse a possibilidade de atender a demanda da região. “Desde então vem sendo feito um estudo, com várias vistorias no local, ao longo do ano. E finalmente, nesta semana, recebemos uma equipe da subsecretaria de Projetos e Obras do Estado, já com o projeto praticamente encerrado para ser licitado e dar início às obras”, revelou.

O parlamentar, incansável defensor da criação da unidade oncológica e das demandas dos pacientes, ao perceber que os antigos projetos não passavam de “projetos”, criou o movimento SOS Hospital do Câncer para atrair parceiros não só do bairro mas de toda a comunidade friburguense. Esta semana renovou, mais uma vez, a esperança de ver construído e funcionando o tão sonhado hospital. “Afinal, nada menos que 19 municípios poderão ser atendidos nessa unidade, uma enorme população”, argumentou.

Linha do tempo    

Em 2012, o então governador do Estado do Rio, Sérgio Cabral, assumiu o compromisso de entregar ao município de Nova Friburgo, uma unidade oncológica com 120 leitos, 10 UTIs, 30 leitos para tratamento infantil, além de três salas cirúrgicas e um Centro de Imagens, num terreno de 83 mil metros quadrados, cercado de montanhas e matas no bairro Ponte da Saudade

Portanto, o hospital deveria estar funcionando em um prédio com sólida infraestrutura que, naquela altura já teria passado pelo processo de desapropriação. A Emop (Empresa de Obras Públicas do Estado) iniciaria as obras de adaptação naquele ano de 2012, o que de fato ocorreu, mas por pouco tempo. Por sua vez, o governador pretendia inaugurar a unidade dois anos depois, ou seja, em  2014. Não foi inaugurada naquele ano nem nas gestões seguintes.

Em julho de 2014, o então prefeito de Nova Friburgo, Rogério Cabral, assinou com o governador Luiz Fernando Pezão e a presidente da República Dilma Rousseff, o edital de abertura da licitação para uma nova tentativa de fundar no município uma unidade de tratamento oncológico. O edital foi publicado no D.O. do Estado do Rio após cumprimento de todas as formalidades burocráticas previstas em lei.

O investimento foi orçado em mais de R$ 48 milhões, valor então liberado pelo governo federal, com inauguração prevista para 2016, com capacidade para 200 leitos, sendo 30 de oncologia infantil. Entre as modalidades integradas de prestação de assistência ao paciente constava: diagnóstico, cirurgia oncológica, oncologia clínica, radioterapia, medidas de suporte, reabilitação e cuidados paliativos, mais de 280 consultas por dia no ambulatório e cerca de quatro mil procedimentos cirúrgicos por ano. 

O projeto aproveitaria uma construção pré-existente (o Centro Adventista de Vida Saudável — Cavs), com parte das instalações reformadas, além de um bloco novo de quatro pavimentos, para funcionamento do Centro de Imagem. E, finalmente, a criação de um jardim suspenso com uma passarela coberta para interligar as construções antiga e nova.

Em abril de 2015, o governador Luiz Fernando Pezão vistoriou as obras do então, na época, chamado Hospital Estadual de Oncologia de Nova Friburgo, previsto para atender cerca de 500 mil pessoas de toda a Região Serrana. A verdade é que, entra e sai governo, o sofrimento dos pacientes e seus familiares, moradores de Nova Friburgo e região continua. A peregrinação de Friburgo, por exemplo, até Teresópolis ou Rio, que começa de madrugada e se estende até o anoitecer, para fazer o tratamento, ainda não tem data para terminar, apesar das esperanças, agora, renovadas. São quase 10 anos de espera, de expectativas frustradas e muita angústia.

Afinal, ao longo desses 10 anos, a degradação do espaço saltava aos olhos e a população assistiu, indignada e revoltada, ao abandono, invasão e até um incêndio. “Tivemos que fazer diversas interferências durante todo esse tempo, para que o dano ao terreno e ao prédio não fosse ainda maior, talvez até inviabilizando a recuperação do local. Tínhamos que tomar conta para o local não ser invadido, para o mato não encobrir o terreno e a construção, e evitar até que o fogo destruísse tudo, quando ocorreu um incêndio. Com a ajuda dos bombeiros impedimos que a estrutura fosse totalmente comprometida”, lembrou José Roberto.

 Com a realização de vários encontros com secretários de diversas pastas do governo estadual, desde Obras até Saúde e Vigilância, em visitas técnicas ao canteiro de obras durante esse ano, para avaliação, adaptação e elaboração do novo projeto, o vereador se diz confiante. 

Em maio, uma equipe composta pela secretária de Vigilância em Saúde do Estado do Rio, Cláudia Mello,  a superintendente de Serviços e Infraestrutura do Estado, Juliana Ribeiro, e o gerente de Obras da Empresa de Obras Públicas do Estado (Emop), Diego Iório, realizou mais uma vistoria. “Quero acreditar que desta vez há reais condições para que finalmente possamos não apenas inaugurar mas botar o hospital para funcionar. Recentemente participamos de uma reunião do EcoSerra, em Teresópolis, com a presença de prefeitos e vereadores, e lá tive a oportunidade de conversar mais uma vez com o governador Cláudio Castro, com o secretário de Obras, Marcos Lemos, e com o secretário de Saúde, Alexandre Chieppe, a respeito da retomada da obra. O governador garantiu, mais uma vez, a reconstrução do hospital. Trata-se de um projeto complexo, de alto custo, que demanda muita experiência e grande equipe, e que já tem verba assegurada. Por fim, torço para que em breve possamos anunciar que temos um Hospital do Câncer”, encerrou.

 

 

 

 

 

LEIA MAIS

Ao longo desta semana, pelo menos 5 órgãos da Prefeitura de Nova Friburgo também suspenderam atividades

Na quarta-feira, uma criança foi internada em um hospital particular da cidade

Para dar conta do aumento de pacientes, Raul Sertã amplia ainda mais oferta de leitos de enfermaria, agora de 11 para 23, dos quais 20 já estão ocupados

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde | Governo | obra