Estado do Rio enterra R$ 1 bilhão em resíduos recicláveis por ano

Estudo da Firjan trouxe informações e características específicas de cada região fluminense
sexta-feira, 24 de setembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Catador de papelão nas ruas de Friburgo (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
Catador de papelão nas ruas de Friburgo (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

O Estado do Rio enterra anualmente R$ 1 bilhão em materiais que poderiam seguir o caminho da reciclagem e gerar recursos para o estado. Esse é um dos resultados do “Mapeamento dos Fluxos de Recicláveis Pós-Consumo no Estado do Rio de Janeiro”, realizado pela Firjan, com o objetivo de contribuir para o fortalecimento do encadeamento produtivo da reciclagem, estimulando a retenção de recursos materiais e econômicos, além da redução da sobrecarga dos resíduos ao meio ambiente.

Estima-se que 319 mil toneladas de resíduos foram perdidos para o ambiente no estado em 2019, somando o volume que não foi coletado ou foi depositado em local inadequado, no meio ambiente. “Isso é oito vezes mais do que o total que é recolhido pela coleta seletiva de todos os municípios no território fluminense”, explica Carolina Zoccoli, especialista em Sustentabilidade da Firjan.

O estudo, realizado com base em dados públicos oficiais de órgãos ambientais, investigou a trajetória dos recicláveis pós-consumo (ou seja, materiais que saíram do ambiente produtivo e tornaram-se resíduos após o uso final, provenientes tanto de domicílios como de geradores empresariais). A intenção é fornecer — aos investidores, gestores empresariais, formuladores de políticas públicas e outros tomadores de decisão — subsídios para a transformação do Rio em um estado reciclador e valorizador do material pós-consumo descartado.

“Trabalhamos com dados preexistentes para posicionar essas informações no mapa do estado do Rio para tornar visível o que está acontecendo. Olhamos o que chamamos de universalização de coleta e destinação adequada, porque não adianta falar de reciclagem e ignorar que o estado ainda tem lixões em funcionamento”, contextualiza Carolina.

No papel e papelão, o tamanho da perda

Além de evidenciar as perdas de resíduos para o ambiente, o estudo calculou a parcela de materiais que seguem para destinação em aterros sanitários, mas que poderiam estar sendo reaproveitados. Para evidenciar o desperdício, o estudo apresenta que, por exemplo, enquanto 60 mil toneladas de metal são recicladas, mais de 80 mil potencialmente recicláveis são aterradas. Mas é no papel e papelão que se vê o tamanho dessa perda mais significativamente: apenas 50 mil toneladas são recicladas contra 740 mil toneladas aterradas.

De acordo com o mapeamento, para que os resíduos pós-consumo tenham a melhor destinação possível, é preciso criar uma rede de infraestrutura e incentivar negócios que viabilizem a triagem e o beneficiamento. As recomendações, entre outras, são a criação de incentivos para a segregação do reciclável na origem, a desburocratização das atividades relacionadas à reciclagem, o desenvolvimento de ações para a formalização dos atores da cadeia da reciclagem e ações para atração de novos investimentos no setor.

Luiz Césio Caetano, presidente em exercício da Firjan, ressalta que o estudo trouxe informações e características específicas de cada região do estado. “Conseguimos entender, por exemplo, que tipo de resíduo é ali gerado e que elos da cadeia de reciclagem atuam em cada região. Com todas estas informações, vamos trabalhar agendas específicas regionais para alavancar o potencial de novos negócios ou ainda buscar junto aos governos e outros atores regionais a solução de situações locais específicas”, analisou.

A entrega do Mapeamento atende a demandas empresariais listadas no Mapa do Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro 2016-2025 e nas Agendas Regionais com os municípios publicadas pela Firjan no primeiro semestre de 2021. Contribui ainda para o alcance das metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis e 12 – Consumo e Produção Responsáveis.

O estudo completo está também disponível aqui.

 

LEIA MAIS

Estudo mostra que 76,1% dos consumidores fluminenses consideram a preservação do meio ambiente em seus hábitos

Escolas agrícolas como o Ibelga estimulam a produção de alimentos

Boa parte da reportagem de Fernanda Graell foi realizada na área de Salinas e nas montanhas da região

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra