Barreiras terminam, mas toque de recolher continua, agora a partir das 22h

Prefeitura informa que 1.600 veículos foram impedidos de entrar na cidade durante o "superferiadão" de 26 de março a 4 de abril
segunda-feira, 05 de abril de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Barreiras terminam, mas toque de recolher continua, agora a partir das 22h

As cinco barreiras sanitárias montadas na semana passada nos principais acessos a Nova Friburgo, por força do "superferiadão" decretado pelo governo do estado, terminaram. Mas, segundo informou a prefeitura ao jornal A VOZ DA SERRA, permanece o toque de recolher nesta semana de bandeira roxa. O horário, no entanto, mudou: será das 22h às 5h da madrugada.

O toque de recolher impede a presença de pessoas na rua, sob pena de abordagem policial. É permitida apenas a presença de pessoas em trânsito do trabalho, a serviço (como motoboys e profissionais de setores essenciais) e pessoas em automóveis, se dirigindo especificamente de um ponto a outro.

Já as cinco barreiras sanitárias montadas nas entradas do município  resultaram, segundo informou a prefeitura nesta segunda-feira, 5, em  1.600 veículos impedidos de acessar o município entre 26 de março e 4 de abril.  A ação foi uma das medidas previstas no decreto 938, em atendimento ao lockdown estadual do "superferiadão"  de dez dias,  e contou com apoio das secretarias de Ordem e Mobilidade Urbana, Guarda Civil Municipal, Defesa Civil, Secretaria de Turismo, Governo, Comunicação Social, Esportes, Cultura, Controladoria, além da Cruz Vermelha e Polícia Militar.

Para controlar o acesso de turistas, os colaboradores questionavam o motivo da visita à cidade. Caso o passageiro ou motorista não comprovasse o acesso, a equipe orientava o retorno.

As barreiras foram instaladas em cinco pontos da cidade: na RJ-116, em Theodoro de Oliveira, em frente ao Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV);  na RJ-116, em Furnas; na RJ-130, em Conquista, próximo ao Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV); na RJ-142, em Lumiar; e na RJ-148,  em Riograndina. 

O toque de recolher foi divulgado pelo prefeito Johnny Maycon na última quinta-feira, 1º, durante a “live” em que foi anunciada, pela primeira vez na cidade, a bandeira roxa a partir desta segunda-feira, 5, até domingo, 11.

Como fica a cidade na bandeira roxa, conforme anunciado na última quinta: 

  • Indústrias e confecções: funcionam com até 20% da capacidade.

  • Comércio e prestadores de serviço: funcionamento restrito às atividades consideradas essenciais.

  • Restaurantes, bares e lanchonetes: só delivery. Os bares ficam fechados.

  • Escolas: aulas apenas remotas.

  • Auto-escolas: 50% da capacidade.

  • Cursos livres: fechados.

  • Clubes: fechados:

  • Desportos individuais e coletivos: proibidos.

  • Estacionamentos e lava-jatos: abertos.

  • Concessionárias: só oficinas.

  • Instituições religiosas: fechadas.

  • Academias: funcionam apenas com até 20% de sua capacidade. 

  • Hotéis e pousadas: proibidas hospedagens.

  • Visitações turísticas: proibidas.

  • Barbearias e salões de beleza: proibidos.

  • Shoppings: fechados.

  • Seguem proibidos:  quaisquer atividades relacionadas a eventos com aglomeração de público, inclusive os desportivos, música ao vivo, drive-ins, cinemas, boates, teatros, casas de festas, casas de shows e afins, saunas, piscinas, parquinhos infantis, clubes sociais e recreativos, estádios, campos, arenas, ginásios e afins.

 

LEIA MAIS

Profissionais fazem apelos nas redes sociais e prefeitura confirma situação crítica

Do total agora de 110 vagas, 94 estavam ocupadas, contra 69 na véspera, de um total de 93. Novos casos chegam a 256 em 24h

Dos 50 leitos disponíveis em toda a cidade, 49 estão ocupados. Deputado pede ajuda das Forças Armadas e Raul Sertã ganha nova ala Covid

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra