Arriba! Aline e Wilson Féu aprimoram e levam jiu-jitsu brasileiro aos mexicanos

Além de ensinar um pouco das técnicas, casal têm se destacado em competições da modalidade
terça-feira, 25 de agosto de 2020
por Vinicius Gastin
Desde 2017 juntos nos México, Wilson e Aline levam um pouco do estilo brasileiro nas artes marciais
Desde 2017 juntos nos México, Wilson e Aline levam um pouco do estilo brasileiro nas artes marciais

Ele é friburguense, e ela uma bibarrense com muitos anos vividos em Nova Friburgo. Unidos pelas artes marciais, e há alguns anos, também por laços matrimoniais, o casal Wilson e Aline Féu mora há três anos no México. Os planos iniciais eram de estabelecer a vida nos Estados Unidos, mas o destino os levou para a América Central. E é por lá que eles têm ensinado um pouco das técnicas brasileiras de jiu-jítsu, e se destacado em competições da modalidade.

“O nosso objetivo principal é apresentar o jiu-jitsu brasileiro nas escolas e usar como ferramenta para ajudar na formação do caráter dos jovens. Atualmente estamos empreendendo classes de condicionamento físicos, jiu-jitsu, MMA Fitness e cursos por uma plataforma, por causa da situação atual que o mundo está vivendo”, conta Aline.

A bibarrense de 34 anos passou a fazer sucesso nas competições de jiu-jítsu em pouco tempo, mas também se dedicou a outras modalidades. Em 2017 teve a oportunidade de se mudar para o exterior, passando a treinar com o marido, e logo assinou o primeiro contrato no MMA profissional. Chegou a lutar pela modalidade, mas foi no jiu-jitsu que se estabeleceu.

Já Wilson Féu, de 41 anos, chegou a morar nos EUA por alguns anos, antes de se mudar para a Cidade do México. No país norte-americano desenvolveu diversos projetos, e trabalhou no aperfeiçoamento pessoal em outras modalidades. Começou no jiu-jitsu aos 18 anos, enquanto servia a Marinha do Brasil, no Rio de Janeiro. Conciliou a arte marcial com outras profissões, como guarda municipal e técnico em enfermagem.

Dentre muitos outros títulos, Féu recentemente sagrou-se bicampeão do North American Granpling Association, o Naga, em San Antonio, Texas. Como professor de jiu-jitsu, desenvolveu projetos como o Mais Educação, na Escola Municipal Patrícia Jonas Santana, no bairro Bela Vista, e o projeto Féu Family, que ensina as técnicas do jiu-jitsu a crianças carentes do município.

Dentre outros projetos, desenvolve trabalhos em academias nos Estados Unidos e treina outras modalidades das artes marciais, como o taekwondo. Féu deu aulas em Arkansas, onde mora, no projeto "Jiu-jitsu para todos”, na School for the Blind, escola para deficientes visuais de North Little Rock.

Com currículo e ostentando os atuais títulos nacionais de jiu-jitsu na Cidade do México, o casal conversou com a A VOZ DA SERRA sobre adaptação, pandemia e planos. E dentre eles está o objetivo de permanecer em solo mexicano. “Temos muito carinho pelo Brasil, um amor especial por nossas cidades natais, Nova Friburgo e Duas Barras, mas aqui o nosso trabalho está sendo valorizado e estamos felizes”, resumiram.

 

Bate-bola com o casal

A VOZ DA SERRA: Como foi a adaptação ao México? Sentiram muita diferença em relação ao Brasil?

Wilson Féu e Aline: A resposta para essa pergunta é muito relativa e pode variar conforme o ponto de vista de cada um. Morar no México pode ser uma experiência incrível para quem pratica o desapego. Para os mais apegados à sua cultura, família, emprego, idioma, a experiência pode ser difícil e até mesmo dolorosa. Nós, particularmente, nos incluímos no time dos desapegados. É claro que a cultura, a família e amigos fazem falta no nosso dia a dia, contudo, não é algo que deixa a gente triste ou que nos faça pensar em voltar para o Brasil. Vi vários casos de brasileiros que não suportaram a carga emocional de morar no México. Apesar de morar no México ser incrível e gratificante, a adaptação foi muito difícil por causa da cultura mexicana, novo idioma e alimentação. O povo mexicano é muito acolhedor, simpático e adora os estrangeiros, o que de certa forma ameniza aquele impacto inicial de quando se chega no país sem conhecer ninguém.

O Wilson, no caso, foi primeiro para os EUA. Depois de alguns anos, Aline também foi para o exterior, mas o México acabou sendo o destino. Como surgiu o convite, e qual foi o objetivo dessa mudança?

A ideia desde o princípio era ir para EUA, onde o Wilson tinha um projeto em Arkansas e no Texas, mas por algum motivo eu (Aline) não consegui o visto americano. Mas hoje eu entendo que tudo foi permissão de Deus. Em outubro de 2017 a gente tinha uma competição agendada pela IBJJF (Federação Internacional de Jiu-Jitsu), a "México City Open", realizada na Cidade de México. Fomos campeões em nossa categoria, somando um total de sete medalhas na época. Depois desse dia as oportunidades começaram a surgir. Desde então, o nosso objetivo principal é apresentar o jiu-jitsu brasileiro nas escolas e usar como ferramenta para ajudar na formação do caráter dos jovens.

Atualmente, como estão trabalhando e levando um pouco do aprendizado obtido em Nova Friburgo e no Brasil para os mexicanos?

Estamos empreendendo classes de condicionamento físico, jiu-jitsu, MMA Fitness e cursos por uma plataforma on-line, por causa da situação atual de pandemia que o mundo está vivendo.

E quanto às competições? Vocês já participaram de alguma?

Nós seguimos ativos, e somos atuais campeões nacionais aqui na Cidade de México. Eu, Aline, tenho participado mais de torneios como, por exemplo, o Abu Dhabi Pro. Já Wilson está mais focado na arbitragem, nas regras, e atualmente é coordenador de torneios de jiu-jítsu para principiantes aqui na Cidade do México.

Como a pandemia tem interferido na vida de vocês?

Seguimos em quarentena. Estamos acostumados a estarmos ativos, treinando todos os dias e gastando muita energia. Agora só podemos fazer treinamento físico, BJJ Drills e às vezes lutamos em casa, em um pequeno espaço que adaptamos para treinar. Chegamos à noite com uma sobrecarga de energia, algo que geralmente não temos. Alguns psicólogos esportivos afirmam que a pandemia deixa atletas mais ansiosos, e nós concordamos com eles (risos). Estamos muito ansiosos, chegamos a um nível de ociosidade fora do normal, uma dificuldade de se adaptar a determinadas situações às quais não estávamos habituados. No imaginário de muitas pessoas, os atletas são superiores e nada acontece a eles. Essa não é uma realidade. Estamos também sofrendo com o atual momento.

Falando de futuro: pretendem permanecer no México ou voltar à Nova Friburgo?

Temos muito carinho pelo Brasil, um amor especial por nossas cidades natais, Nova Friburgo e Duas Barras, mas está aqui o nosso trabalho e ele está sendo valorizado e estamos felizes. Morar no exterior é o sonho de muitos brasileiros e realmente há muitos ganhos, como qualidade de vida, segurança e estabilidade. Porém não é uma escolha sem dificuldades e sem problemas. Toda escolha implica em abrir mão de algo, e estamos sempre avaliando se estamos dispostos a pagar o preço que é exigido. Não há como fugir disso, voltando para o Brasil ou ficando de vez onde a gente mora hoje. Cada pessoa sabe onde lhe é mais duro o preço da escolha. Por se tratar de algo muito pessoal, somente uma análise sincera de si e da realidade concreta de vida pode tornar essa decisão tão difícil mais consciente.

  • Casal coleciona conquistas na Cidade do México, sendo atuais campeões nacionais

    Casal coleciona conquistas na Cidade do México, sendo atuais campeões nacionais

  • Wilson a Aline em momento descontraído: apesar da saudade, ideia é seguir no México

    Wilson a Aline em momento descontraído: apesar da saudade, ideia é seguir no México

LEIA MAIS

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o país com maior incidência de ambas na América Latina

O campeonato sempre reúne os campeões de bairros e distritos, e geralmente começa em maio

Competição esportiva terá as modalidades de futsal, vôlei, natação, basquete 3x3, xadrez e tênis de mesa

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: jiu-jitsu | esporte