21 de setembro, Dia Mundial do Alzheimer e Nacional de Conscientização

Conhecer a demência, conhecer o Alzheimer: o poder do conhecimento
terça-feira, 21 de setembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
21 de setembro, Dia Mundial do Alzheimer e Nacional de Conscientização

Nesta terça-feira, 21, tem início o 10º ano da campanha Setembro: Mês Mundial da Doença de Alzheimer, uma iniciativa global com o objetivo de aumentar a tão necessária conscientização e desafiar o estigma e a desinformação que ainda envolvem a demência. Nesta data, a Alzheimer Disease International (ADI) lançará seu Relatório Mundial de Alzheimer que, em 2021, se concentrará no aspecto do diagnóstico, levantando algumas questões importantes e desafiadoras para sistemas de saúde, governos, gestores e pesquisadores, com foco em testemunhos de pessoas que vivem com um diagnóstico sobre como o sistema pode e deve ser melhorado.

A campanha deste ano chama atenção para os sinais de alerta da demência, incentivando as pessoas a buscar informações, aconselhamento e apoio, bem como a entrar em contato com associações de Alzheimer ou demência em seu país. Em geral, a doença de Alzheimer afeta pessoas com mais de 65 anos, mas existem pacientes com início por volta dos 50 anos. As causas não são totalmente conhecidas e alguns estudos citam fatores importantes para o desenvolvimento da doença, como: pré-disposição genética, escolaridade, hipertensão, diabetes mellitus, acidente vascular cerebral (AVC) prévio, colesterol aumentado e idade avançada.

O diagnóstico é clínico e feito através de entrevista (história de vida, clínica, familiar, idade, escolaridade), teste cognitivo (miniexame do estado mental, teste do relógio, teste de fluência verbal), e posteriormente por meio de exames laboratoriais (hemograma completo, hormônios tireoidianos, enzimas hepáticas) e de imagem (tomografia, ressonância magnética). Um paciente pode demorar anos para saber que é portador de Alzheimer, pois sintomas como perda de memória e raciocínio lento, podem ser interpretados pelos parentes como consequências do envelhecimento e não uma enfermidade.

No Brasil, cerca de 1,2 milhão pessoas vivem com alguma forma de demência e 100 mil novos casos são diagnosticados por ano. Em todo o mundo, o número chega a 50 milhões de pessoas. Segundo estimativas da ADI, os números poderão chegar a 74,7 milhões em 2030 e 131,5 milhões em 2050, devido ao envelhecimento da população. Esse cenário mostra que a doença caracteriza uma crise global de saúde que deve ser enfrentada.

O que é 

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa, progressiva e ainda sem cura que afeta, majoritariamente, pessoas acima de 65 anos de idade, impactando a memória, a linguagem e a percepção do mundo. Provoca alterações no comportamento, na personalidade e no humor do paciente. Os sintomas podem ser divididos em três “fases”.

  • Leve: falhas de memória e esquecimentos constantes; dificuldades em realizar tarefas complexas (como cuidar das finanças);

  • Moderada: o paciente já necessita de ajuda para realizar tarefas simples, como se vestir;

  • Avançada: o paciente necessita de auxílio para realizar qualquer atividade, como comer, tomar banho e cuidar da higiene.

Sinais de alerta

  • Problema de memória que chega a afetar as atividades e o trabalho;

  • Dificuldade para realizar tarefas habituais;

  • Dificuldade para comunicar-se;

  • Desorientação no tempo e no espaço;

  • Diminuição da capacidade de juízo e de crítica;

  • Dificuldade de raciocínio;

  • Colocar coisas no lugar errado, muito frequentemente;

  • Alterações frequentes do humor e do comportamento;

  • Mudanças na personalidade;

  • Perda da iniciativa para fazer as coisas.

Apesar de ainda não haver cura para a doença, já existem opções de tratamento: medicamentos (disponíveis nas farmácias do SUS), reabilitação cognitiva, terapia ocupacional, controle de pressão alta, diabetes e colesterol, além de atividade física regular, podem ajudar a manter a qualidade de vida por mais tempo.

Prevenção

  • Ter uma vida ativa e com objetivos;

  • Praticar atividade física regular por pelo menos por 150 minutos por semana;

  • Controlar os fatores de risco cardiovascular, como hipertensão e diabetes;

  • Procurar estudar e adquirir conhecimento;

  • Trabalhar sua capacidade de concentração;

  • Dormir bem.

Para explicar como a doença afeta o cérebro, a Alzheimer’s Association Brasil disponibiliza em sua página a matéria explicativa “Dentro do cérebro: Uma viagem interativa”.

Alzheimer e Covid-19

O acompanhamento médico, com geriatras e neurologistas, principalmente durante a terceira idade, é necessário para observar o surgimento e evolução dos sintomas. No período de pandemia da Covid-19, muitos adiam a ida aos consultórios, o que pode atrasar a identificação do Alzheimer e gerar complicações. O cenário provoca outro alerta, pois, segundo uma pesquisa publicada na revista científica Alzheimer’s & Dementia: The Journal of the Alzheimer’s Association, pacientes com demência — especificamente com Alzheimer — apresentam risco três vezes maior de infecção pelo vírus da Covid-19. Nesses casos, o quadro clínico pode ser mais grave e as chances de óbito são de duas a três vezes maiores.

A informação correta é grande aliada para identificar e enfrentar a doença. No ar desde 2018, o Portal Fale Abertamente — faleabertamente.com.br — possui uma área exclusiva sobre a doença, com informações sobre tratamento, prevenção, sintomas e causas. Voltada não só para os diagnosticados, a página ainda traz conteúdos para pessoas que convivem com pacientes, a fim de proporcionar bem-estar até mesmo aos que são afetados indiretamente pela condição.

 

LEIA MAIS

De terça para quarta, no entanto, cidade registra mais 3 óbitos por Covid: total sobe para 860

Também será aplicada primeira dose maiores de 12 e haverá repescagem de segunda dose

Ações têm o objetivo de conscientizar as mulheres em situação de violação de direitos e promover empoderamento e esclarecimentos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: saúde