E se o vencedor do jogo fosse eu?

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Bastou alguém acertar os números da Quina e faturar quase R$ 3 milhões da noite para o dia para que inúmeras pessoas sonhassem com um prêmio desses como a possibilidade de mudança de vida e a solução de todos os problemas. Muitos se sentiram estimulados para jogarem na mega sena e formularam mil formas para investir a bolada que saiu para um apostador de Nova Friburgo.

Quem leu A VOZ DA SERRA nos últimos dias, certamente pensou como a vida daria uma guinada numa situação dessas. Quantas pessoas próximas poderiam ser ajudadas. Quais os destinos das próximas viagens. Talvez o sonho da casa própria revivesse. Pensamentos sobre o quanto de rendimento seria possível com um investimento milionário. A esperança de ganhar impulsiona muitas pessoas a perseguirem caminho semelhante ao do vencedor, isso é um fato interessante. As pessoas já formam fila para lançar suas tentativas ao universo.

E então, por assim dizer, outro pensamento exsurge e tem a ver com o sentimento de esperança. Como esperança transforma, faz olhos brilharem, resgata sonhos, motiva. E então, vale refletirmos sobre quando esse sentimento foi perdido, se é que o foi. No íntimo de cada um, não é difícil perceber quando o desânimo, a frustração, a acomodação e o pessimismo tomaram o espaço do desejo de que algo se torne realidade.

Confiar que algo bom acontecerá pode ser o princípio da realização. O primeiro passo de uma estrada pode ser dado justamente sob a motivação que brota da esperança. Pois então, constatando-se o poder desse sentimento, seria tão difícil assim resgatá-lo? Talvez sim, talvez não. Não há resposta certa, mas talvez devêssemos repensar sobre isso. Para efetivamente ajudarmos alguém que amamos, precisamos realmente ganhar na loteria?

É interessante ainda refletirmos sobre os mares por onde nossas mentes navegam quando a fórmula mágica acontece. É muito próximo imaginarmos que a sorte sorrirá quando alguém que compartilha a mesma cidade, o mesmo bairro, a mesma rua que nós, consegue o grande e milagroso feito de acertar os números do jogo. Mas às vezes o verdadeiro milagre acontece todos os dias e nem nos damos conta. “É preciso estar atento e forte”, como bem disse Gal Costa....

Trecho da Semana:

“Sonhe com o que você quiser. Vá para onde você queira ir. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos. Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz”.

Clarice Lispector

Publicidade
TAGS:

Paula Farsoun

Com a palavra...

Paula é uma jovem friburguense, advogada, escritora e apaixonada desde sempre pela arte de escrever e o mundo dos livros. Ama família, flores e café e tem um olhar otimista voltado para o ser humano e suas relações, prerrogativas e experiências.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.