Vamos falar de bitcoin?

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Os anos passam, as tecnologias mudam e até o dinheiro se transforma. Este, por sua vez, é apenas um meio de troca; uma ferramenta para possibilitar negociações em diferentes mercados. Contudo, chegou o momento de falarmos sobre dinheiro virtual e agora entra em cena o tão comentado bitcoin: uma moeda (assim como o dólar e o real) virtual de emissão independente, com valor determinado livremente pelos participantes deste mercado e tem como objetivo o desenvolvimento dos meios de troca que, agora, são exclusivamente virtuais.

Pode parecer altamente complexo (e de fato é), mas ao longo deste texto vou elucidar alguns pontos importantes para te explicar o que é o bitcoin. Contudo, vale ressaltar, meu objetivo hoje é ir além da definição e zelar pela sua segurança ao diversificar parte dos seus investimentos em criptomoedas (sim, existem outras moedas virtuais, além do bitcoin).

 Apesar de ter surgido como uma nova tecnologia de troca, a alta demanda por bitcoins nos últimos anos fez com que suas cotações disparassem; abrindo espaço para uma nova modalidade de investimentos com altos riscos e grandes rentabilidades (como eu faço, sempre, questão de lembrar: as rentabilidades costumam ser condizentes com os riscos do investimento, e isso vale para toda e qualquer classe de ativos).

Portanto, como o que era para ser uma nova tecnologia de troca tornou-se alternativa de investimento, é importante manter-se atento como investidor e a primeira análise a ser feita é acerca da regulamentação da classe do ativo. De acordo com estudos publicados na Revista da Procuradoria-Geral do Banco Central “a falta de regulamentação é vista como ponto frágil e gera desconfiança, pois os riscos são altos e não podem ser reclamados a nenhum Banco Central ou órgão regulador” e, por isso, a escolha de uma exchange (basicamente, a corretora que vai “custodiar” seus investimentos) confiável é o primeiro grande passo para começar seus investimentos.

Ademais, para explicar ainda mais a categoria dos bitcoins, os mesmos autores do referido artigo complementam: “O desenvolvimento do bitcoin e do sistema subjacente Blockchain é reflexo de um sistema financeiro altamente predatório. Porém, adverte-se que teoricamente a moeda digital no seu atual estágio não possui as funções tradicionais de moeda, daí a dificuldade em encontrar um modelo regulatório adequado. A princípio, pode ser considerada como meio de troca, porém discutem-se as relações de unidade de conta e de reserva de valor, como sendo os dois últimos estágios das moedas convencionais.”

Contudo, outra forma bastante segura (do ponto de vista regulatório) para investir em bitcoins ou outras criptomoedas é através de fundos de investimentos regulados pelo Banco Central e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) através das corretoras de valores (como, por exemplo, o Modalmais; corretora a qual meu escritório de assessoria é credenciado). Esta é uma possibilidade cujo objetivo é reduzir os riscos do investimento.

O meu foco na questão regulatória – como fiz questão de enfatizar no início deste texto – tem a ver com a sua segurança financeira, pois são estas “brechas jurídicas” que possibilitam a criação de investimentos fraudulentos. Em sua maioria, enquadrados como pirâmides financeiras, são considerados – judicialmente – como crime contra a economia popular e os impactos negativos causados à sociedade deixam seu rastro de sofrimento em cada família que perde muito (quiçá tudo) ao cair em golpes disfarçados de investimentos em bitcoins.

Percebe como o maior risco não é o bitcoin em si, mas sim o meio para investir no ativo? As criptomoedas têm surgido como máscara para criminosos e você precisa estar atento aos detalhes de cada alocação de capital em seus investimentos. Esse é meu papel aqui: divulgar conhecimento financeiro para que você esteja suficientemente capacitado para tomar boas decisões financeiras.       

Portanto, fique sempre atento.

Publicidade
TAGS:

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.