A luta continua – e ninguém sabe quando vai acabar

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

sexta-feira, 20 de março de 2020

Não vai ter jeito, precisamos falar de crise. Precisamos falar sobre os impactos do novo coronavírus e a guerra de preços do petróleo em ano de eleições estadunidenses. O mundo está passando por um momento delicado, nunca vivido desde a 2ª Guerra Mundial. O clima já estava tenso com a economia global em grande ciclo de expansão global e agora sente os primeiros sintomas de uma possível recessão.

Mas como tudo isso vai interferir diretamente nas suas finanças pessoais? O objetivo de hoje é conseguir te informar sobre como a crise tem influência direta na sua vida financeira e como um bom planejamento poderia minimizar os impactos.

Planejamento de orçamento - Você tinha sua reserva de emergência bem consolidada? Esse era o momento de ter recursos para suprir seus custos básicos e minimizar os impactos sobre sua qualidade de vida. Basicamente, essa reserva é composta pelo custo de vida – seu ou de sua família – e o tempo que você pretende arcar com este custo independente da geração de novas receitas. O tempo vai variar de acordo com as incertezas de seu emprego ou negócio, mas a recomendação fica entre três a seis meses.

Logo, se você e sua família arcam com um custo de vida mensal médio de R$ 3 mil (este valor precisa ser muito bem estudado e conhecido pela família), o fundo de emergências precisa estar entre R$ 9 mil a R$ 18 mil. Eu sei que pode parecer difícil montar uma reserva de emergência, mas pense comigo: se em situações de emergência é possível recorrer ao crédito – como empréstimos pessoais, por exemplo – e pagar suas parcelas adicionadas de juros, por que você não consegue economizar esse mesmo valor antes de precisar pagar mais caro pela falta de planejamento?

Se você é micro ou pequeno empresário, precisa considerar essa mesma reserva para a criação de caixa do seu negócio. Afinal, em tempos como o que estamos passando agora, negócios mal planejados correm grandes riscos de falência. Use a mesma lógica da reserva familiar para compor o caixa de seu empreendimento, mas procure adaptá-la para as singularidades da sua área. Vale ressaltar, também, que após tanto tempo juntos nessa coluna, as finanças de sua empresa já deveriam estar desvinculadas da sua vida pessoal.

Planejamento de investimentos - Você investe em renda variável? Se precisar resgatar seu capital é bem provável que perderá dinheiro. O planejamento de uma carteira de investimentos bem estudada é essencial para manter a saúde dos seus investimentos.Alocações com alta liquidez e rentabilidade constante acima da inflação real: reserva de emergência: já conversamos sobre sua necessidade; caixa: capital disponível para aproveitar boas oportunidades de investimento. O atual momento na Bolsa de Valores, por exemplo, traz boas oportunidades para montar novas posições.

Alocações com liquidez e rentabilidade constante acima da inflação real: investimento, de fato: aqui é para esquecer o capital alocado e o risco de volatilidade compensará a rentabilidade. Nesse ponto, entram as ações da Bolsa de Valores. O investimento mal planejado pode fazer com que você precise resgatar o capital em tempos de baixa no mercado, o que fará com que haja perda de dinheiro.

Na última quarta-feira, 18, o Copom aprovou mais uma redução na taxa Selic (que agora passa a ser de 3,75% ao ano) como medida de incentivo econômico 

Publicidade
TAGS:

Gabriel Alves

Educação Financeira

CEO da empresa Delta, de consultoria, Gabriel escreve sobre economia e finanças e dá dicas de inteligência no gerenciamento de gastos e de como conquistar o equilíbrio entre desejo de aquisições e controle emocional para otimizar as despesas.

A Direção do Jornal A Voz da Serra não é solidária, não se responsabiliza e nem endossa os conceitos e opiniões emitidas por seus colunistas em seções ou artigos assinados.