Turismo regional pode não ser um vetor de expansão do vírus

Vilas de Friburgo têm número bem menor de casos que pequenas cidades sem apelo turístico
sexta-feira, 22 de janeiro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
O Lago de Lumiar (Fotos: Henrique Pinheiro)
O Lago de Lumiar (Fotos: Henrique Pinheiro)

Dez meses depois que os casos de Covid-19 levaram ao primeiro decreto de fechamento da economia municipal, em março de 2020, e da publicação, na última segunda-feira, 18, de um novo decreto endurecendo as medidas restritivas, foi concluído esta semana um levantamento que coloca em dúvida se o turismo regional – feito com os veículos dos próprios viajantes – teria, realmente, um impacto expressivo sobre a expansão do número de casos de coronavírus em Nova Friburgo.

A partir do último relatório sobre a evolução da pandemia no município, a Associação do Comércio e da Indústria do distrito de São Pedro da Serra (Acisps) extraiu os dados específicos dos distritos turísticos friburguenses de Lumiar e São Pedro da Serra e comparou com o avanço da doença em pequenas cidades do interior do Estado do Rio de Janeiro, com número de habitantes semelhantes, mas onde o turismo não tem relevância.

“O resultado foi espantoso até para nós. O levantamento deixa claro que o turismo regional, em que os hóspedes e visitantes chegam em carros próprios, viajando na companhia de pessoas da sua própria família, que é o movimento típico de Nova Friburgo, não parece influir de forma relevante na evolução dos casos da doença”, comenta Rodrigo Mello, presidente da Acisps.

No levantamento, a associação comparou o número de casos acumulados desde o início da pandemia nas duas vilas turísticas (São Pedro e a vizinha Lumiar), que, pela distância do Centro de Nova Friburgo, mantêm rotinas bem distintas, como se pequenas cidades fossem, como a vizinha Santa Maria Madalena e Rio das Flores, no Sul fluminense, por exemplo, que ficam em altitudes próximas de Lumiar, e Macuco, conhecida por ser a cidade de menor população do Estado do Rio. Juntos, os distritos de São Pedro da Serra e Lumiar somam perto de 15 mil habitantes e têm, pelos dados mais recentes, 150 casos confirmados da nova doença (101 em Lumiar e 49 em São Pedro). Enquanto isso, Santa Maria Madalena, com 10.282 habitantes, acumula 432 casos confirmados. Rio das Flores, com 8.686 habitantes, tem 351 casos. E Macuco, com apenas 5.530 habitantes (pouco mais que a vila de São Pedro da Serra sozinha), já notificou 403 casos positivos.

“Se o turismo nessas três cidades é uma atividade irrelevante, como explicar isso? É preciso admitir que o impacto do turismo regional, feito em carros próprios, é pouco significativo para elevar o número de casos”, acredita o responsável pela pesquisa, o jornalista João Carlos Leal.

Morador de São Pedro da Serra há quase 18 anos, onde tem uma pequena pousada, e com passagens por veículos como O Globo, Jornal do Brasil, Revista Isto É, TV Bandeirantes e O Dia, Leal acredita que as decisões têm sido tomadas com base “em muito achismo e pré-conceitos”, causando desnecessários prejuízos à economia da região e do município, sem produzir efeitos relevantes sobre a evolução do número de casos.

“Já perdemos metade das lojas e dos restaurantes da vila de São Pedro no primeiro fechamento, no ano passado. Agora, dependendo da duração das novas medidas, outras poderão fechar. Isso significa perda de renda, de empregos e de relevância turística”, alerta Rodrigo Mello. “A experiência de quem ainda vem nos visitar e, também a outros bairros e ao centro de Nova Friburgo, e vê tão poucas opções abertas será ruim e vai ser compartilhada. Vamos levar muito tempo para recuperar a imagem de destino turístico. E tudo isso, para quê? Para descobrir que a atividade turística regional, feita como acontece em Friburgo, seguindo todos os protocolos e cuidados, não parece gerar impacto relevante sobre a evolução dos casos na cidade”, observa o presidente da Acisps.

 

LEIA MAIS

Estado já iniciou distribuição de mais 495.260 doses para todos os municípios fluminenses

Taxa média de ocupação nos leitos de UTI exclusivos nos hospitais locais encerra a semana em 37%

Técnicos de enfermagem, clínicos gerais e fisioterapeutas serão contratados para atuar em unidades de saúde

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra