A trova e suas artimanhas

Ela requer cuidados especiais, como ter sentido completo em quatro versos e o uso de sílabas poéticas
sábado, 18 de julho de 2020
por Elizabeth Souza Cruz
A trova e suas artimanhas

“Ó linda trova perfeita
que nos dá tanto prazer! 
Tão fácil depois de feita,
tão difícil de fazer!”

Essa composição de Adelmar Tavares caracteriza muito bem o desafio que, muitas vezes, a trova nos impõe. Enquanto buscamos a inspiração ou trabalhamos uma ideia, pode parecer difícil a conclusão do nosso intento poético. Mas, quando conseguimos organizar os versos de forma justa e adequada, nos vem uma sensação de que não era tão difícil.

Isso acontece porque a trova requer cuidados especiais. Ela tem que ter sentido completo, ou seja, começar e concluir a ideia em apenas quatro versos.  É preciso rimar o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto verso. Além do mais, cada verso tem que ter sete sílabas poéticas, sendo que a sétima sílaba precisa estar na silaba tônica da última palavra do verso. Se não for assim, dizemos que a trova está com o pé quebrado.

O desafio é este: matutar uma ideia até encaixar numa trova. Depois que se pega o jeito, a gente se acostuma tanto com a cadência dos versos, que o próprio pensamento já sai em sete sílabas. Vale ressaltar ainda, que a contagem da sílaba poética é feita por sons, de forma bem diferente da sílaba gramatical. Quando acostumamos nossos ouvidos com essa divisão, a contagem acontece naturalmente, sem que seja necessário escrever o verso e fazer barrinhas para dividi-lo e, muito menos, contar nos dedos.

Dominando essas regras, é só usar e abusar dos recursos literários, buscando o sonhado “achado”. As figuras de linguagem e os jogos de palavras são sempre os melhores aliados, principalmente quando se trata de um concurso. Dizer o que todo mundo já disse, mas de forma inusitada, é troféu de vencedor na certa. Nova Friburgo, a Meca, o sonho de todos os trovadores, é a musa inspiradora das mais belas composições, como na trova do saudoso trovador João Costa, de Saquarema:

Dos anos de espera expurgo
toda angústia, toda dor:
- Classifiquei-me em Friburgo,
agora sou trovador!

LEIA MAIS

​Tudo começou em dezembro de 1958...

Conheça as trovas vencedoras dos concursos local e nacional/internacional deste ano

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra