Preços do arroz e do feijão na mira do Procon, também em Friburgo

Fiscalização encontrou variação no valor pago pelos consumidores, mesmo após isenção do ICMS
quinta-feira, 02 de dezembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Preços do arroz e do feijão na mira do Procon, também em Friburgo

O Procon do Estado do Rio de Janeiro realizou na semana passada um levantamento de preços de produtos básicos da alimentação dos consumidores fluminenses. A pesquisa foi solicitada pelo secretário estadual de Defesa do Consumidor, Leo Vieira, para apurar se a isenção do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) concedida recentemente pelo Governo do Estado para tentar frear a onda de aumentos do arroz e do feijão já está fazendo os preços desses dois itens básicos caírem.   

Os fiscais do Procon percorreram 36 supermercados de Nova Friburgo e também da capital, Barra do Piraí, Macaé, Magé, Mangaratiba, Cabo Frio, Campos dos Goytacazes, Niterói, Nova Iguaçu e Nilópolis. A pesquisa já havia sido feita também em agosto e outubro, quando foi observada variação de até 37% no preço do quilo do arroz e de até 35% no feijão, quando comparado com a pesquisa de agosto sobre o produto de igual marca em diferentes supermercados do mesmo município. 

Além do arroz e feijão, os fiscais do Procon também fizeram o levantamento de preços do óleo de soja, leite longa vida, ovos, açúcar, sal, fubá, macarrão, farinha de trigo e farinha de mandioca. A lei estadual 9391/21 entrou em vigor no dia 2 de setembro e concedeu a isenção do ICMS sobre a prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação nas operações internas com arroz e feijão, mas os efeitos da isenção incidiram apenas a partir do primeiro dia de novembro, conforme regulamentado por decreto. 

Leo Vieira declarou que “com a lei aprovada, é importante saber se a redução do ICMS está chegando até o consumidor final e ajudando, principalmente, os que mais necessitam, além da pesquisa ajudar os consumidores encontrarem os fornecedores com os produtos mais baratos”, disse. 

A atual pesquisa comparou os preços de outubro com os de novembro e demonstrou que para a maioria das marcas de arroz e feijão pesquisadas, o preço foi mantido ou houve pequena redução. Nos supermercados de Nova Friburgo visitados o pacote com cinco quilos de arroz foi encontrado entre R$ 18,99 e R$ 25,99, em média. Já o quilo do feijão teve redução de 5,56% e variou de R$ 5,99 a R$ 7,99. 

Nos supermercados em que foi verificado aumento de preço, a variação chegou a 28,39% no quilo do arroz em Campo Grande, na Zona Oeste da capital. Já a maior redução de preço foi encontrada em Niterói que apresentou uma queda de 17,63% no preço do arroz.

Dentre os alimentos como leite, farinha, ovos, óleo e outros itens, o     Procon observou pequenas alterações de preços para mais ou para menos, mas a maioria se manteve estável. “Chamou atenção, no entanto, o macarrão que aumentou cerca de 40% em Campos e 35% em Mangaratiba. Já o leite longa vida teve redução de 33% em Nova Iguaçu e o fubá em mais de 40% em Campos, mas apesar disso, os demais produtos pesquisados, em sua maioria, permaneceram estáveis. O Procon continuará acompanhando o resultado da isenção, afirmou o presidente do órgão”, Cássio Coelho. A pesquisa completa pode ser acessada através do link: https://bit.ly/pesquisa_feijao_arroz

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: