Novo decreto define novos protocolos para aulas presenciais

Rodízio de alunos não será mais necessário em escolas que tenham espaço na sala de aula de 1 metro entre as mesas
quinta-feira, 09 de setembro de 2021
por Christiane Coelho, especial para A VOZ DA SERRA
Novo decreto define novos protocolos para aulas presenciais

Na última sexta-feira, 3, a Prefeitura de Nova Friburgo publicou no Diário Oficial o decreto 1090/2021, que define novas atualizações dos protocolos de retorno às aulas presenciais. O decreto foi elaborado pelas secretarias municipais de Educação e Saúde e, entre as principais mudanças, está a retirada dos critérios de bandeiramento do Governo do Estado do Rio de Janeiro na definição do número de alunos de cada sala de aula. 

O novo decreto permite aulas todos os dias para as unidades escolares que preencham os critérios de distanciamento físico de um metro entre os alunos nas salas de aula e medidas de proteção, segurança e higienização, sendo ainda possível, o revezamento. 

O decreto do prefeito Johnny Maycon (Republicanos) também traz novidades em relação à suspensão das aulas presenciais em caso de suspeita de síndrome gripal de algum aluno, educador ou pessoal de apoio. Para tanto, utiliza o termo “bolha” e é através dele que o novo decreto prevê como cada unidade escolar deve agir e define prazos para cada caso. 

A formação de uma “bolha” é descrita no decreto como “aqueles que convivem no mesmo ambiente fechado ou semi-fechado e por tempo prolongado. Ou seja: os alunos e professores da mesma turma ou que participem das aulas presenciais juntos, ou os profissionais de apoio pedagógico e administrativo que permanecem juntos no mesmo ambiente fechado ou semi-fechado e com prolongamento diário, por exemplo o caso de duas merendeiras que se mantém juntas na cozinha, ou pessoal administrativo ou pedagógico que permanece junto na mesma sala. Eles fazem parte da mesma “bolha”, de acordo com a autoridade sanitária. 

O responsável pela unidade escolar deve informar a suspeição ou confirmação de casos de Covid-19 aos contactantes da mesma “bolha” para monitoramento.” Em caso de confirmação de Covid-19 em um dos pertencentes a uma “bolha”, as aulas presenciais desse grupo devem ser suspensas por 14 dias.

A avaliação de um possível surto, pelo novo decreto, deverá ser feita com pelo menos três casos confirmados de Covid-19, dentro de uma “bolha”, e não mais dentro da unidade escolar como acontecia no decreto anterior. De acordo com o novo decreto , “a interrupção de turnos ou segmentos educacionais mais amplos ou ainda, mais drasticamente de toda a unidade escolar, deve ser uma decisão conjunta entre a Secretaria Municipal de Educação e de Saúde, após avaliação das equipes da Vigilância Sanitária e Epidemiológica com gestores das escolas e ocorrerá somente em casos extremos”.

Segunda dose para os profissionais de Educação 

Os profissionais de Educação de Nova Friburgo das escolas públicas e privadas, receberam, na semana passada, a segunda dose da vacina contra a Covid-19.  De acordo com a prefeitura, ao todo, foram vacinados 1.842 trabalhadores do setor.

Ainda segundo a prefeitura, nesta semana mais três unidades municipais foram abertas para aulas híbridas (presencial e remota): Creche Municipal de Educação Infantil Jardinlândia, no bairro do mesmo nome; Escola Municipal Juscelino Kubitschek de Oliveira, em Varginha; e Escola Municipal Francisco Silveira, no Jardim Califórnia.

Com mais essas três unidades, 59 escolas municipais já retornaram ao ensino híbrido. Ao todo, a rede municipal tem 122 unidades escolares. E, de acordo com a prefeitura, o ensino remoto continua para todos os alunos, inclusive para os matriculados em escolas aptas ao retorno presencial, mas que, por escolha do responsável, não retornou à unidade física.

 

LEIA MAIS

Em casos de resultado positivo, o tratamento é integralmente oferecido pelo SUS

No Brasil, estima-se que existam 920 mil pessoas vivendo com o virus HIV

Será aplicada a primeira dose em adolescentes a partir de 12 anos e em adultos a partir dos 18

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra