Hamilton Werneck

Hamilton Werneck

Eis um homem que representa com exatidão o significado da palavra “mestre”. Pedagogo, palestrante e educador, Hamilton Werneck compartilha com os leitores de A VOZ DA SERRA, todas as quartas, sua vasta experiência com a Educação no Brasil.

15/02/2018

A primeira ideia que deve ser descartada na escola de tempo integral é a do aproveitamento do tempo para incluir mais aulas e mais disciplinas no currículo já saturado. Numa escola de tempo integral os alunos deverão continuar com um máximo de cinco aulas propedêuticas por dia. O restante do tempo será dedicado a outras atividades de cunho cultural, estudo individual que é o que está faltando na escola brasileira.

Leia mais
31/01/2018

A escola surgiu porque as famílias não conseguiam mais educar seus filhos, mas a educação no passado era familiar e muitos protelavam a ida das crianças para a escola.

Ao longo do tempo a sociedade mudou, sobretudo com a revolução industrial. O advento da internet leva novamente as famílias a pensar nessa possibilidade de manter os estudos em casa.

No Brasil já há iniciativa no legislativo para discutir a proposta que pode ser transformada em lei. As famílias com condições técnicas e culturais poderiam, então, educar seus filhos em casa.

Leia mais
24/01/2018

Há uma grande diferença entre os países desenvolvidos e os subdesenvolvidos em relação à educação. Os mais avançados tecnicamente procuram, por meio da escola, promover as pessoas e resgatar a cidadania de seus estudantes, transformando-os em pessoas capazes de enfrentar as mudanças de seu tempo, em meio ao avanço das técnicas e recursos humanos. Os menos avançados e, sobretudo, os mais atrasados, fazem o inverso, estruturam a educação em padrões capazes de eliminar os estudantes e podá-los do sistema de ensino.

Leia mais
17/01/2018

Muitos professores sentem-se realizados quando percebem o aprendizado dos alunos, sentem a validade de suas aulas. Alguns estão simplesmente satisfeitos quando ensinam e os alunos aprendem, mas, o importante, muito além das fronteiras do ensino-aprendizagem, é o ato de educar, porque ele inclui uma série de valores a serem discutidos com o educando, reavaliados além dos objetivos cognitivos, provocando no educando a oportunidade indispensável de questionar os valores passados pela escola e pelos professores.

Leia mais
10/01/2018

Essa consciência é uma doida vaca de presépio. Doida porque diante de orientações diferentes não sabe o que fazer, vaca de presépio porque faz tudo o que mandam sem refletir nas consequências. Diz amém a tudo e a todos. A consciência dominada não é tímida, é uma consciência capacho. Não tem decisão própria, opinião pessoal, conclui tudo com outros autores, é medrosa em tudo o que faz. O resultado da consciência dominada é a repetição. Ela não cria, só repete. Torna-se o melhor prato para a consciência dominadora porque facilmente será sua escrava.

Leia mais
03/01/2018

Quando uma pessoa manda outra fazer alguma coisa, verifica a execução exatamente como foi mandado e sente, em seguida, um certo prazer em ter mandado em alguém, é aí que mora o perigo. Foi detectada a primeira manifestação silenciosa da pior de todas as dominações, aquela rotulada pela felicidade do mando. Se numa escola existir alguém com esse tipo de doença, podemos verificar, pela simples existência de comportamentos de manifestação de obediência, a uma ou várias pessoas, sem a menor necessidade.

Leia mais
20/12/2017

Sou o que penso ou aquilo que os outros pensam de mim?

Leia mais
13/12/2017

Quando comemoramos o nosso dia, o dia do mestre, em 15 de outubro, embora nossa dignidade não dependa de dia, mês ou ano, não restam dúvidas que nosso ânimo fica abalado diante da realidade. De nada interessa termos uma significativa marca no tempo e termos falta de dignidade no espaço, não sermos considerados na sociedade, sermos menosprezados pelas forças da incompreensão e desligados por completo de uma visão mais profunda sobre a necessidade da educação.

Leia mais
06/12/2017

Às vezes pensamos na perda da dignidade do magistério, porque somos professores. Na realidade, muitos profissionais perderam a dignidade, à medida que foram denegrindo, através dos meios de comunicação e até da fofoca, os mais diversos setores pelas mais variadas razões, algumas absolutamente sem razão. Mudou-se o conceito de médico, advogado, juiz, policial, todos metidos num único rol, sem se levar em conta a experiência das pessoas, os estudos feitos, a competência e o respeito. A questão, portanto, não é só do magistério, e isso até nos conforta.

Leia mais
30/11/2017

Hoje, para recobrar a dignidade, o professor busca as ruas, faz piquetes, enfrenta a polícia e até nivela seu vocabulário aos níveis das “galerias gerais” dos “estádios” quando os juízes apitam pênaltis contra um time no minuto final de uma partida fadada ao empate. Apanhando da polícia, sem o título de coronéis e sem serem reconhecidos como “cabos” pela falta do fardamento, caminham os educadores desta nação apelando para os dinossauros de Spilberg como forma de protesto, defesa e sobrevivência.

Leia mais