Hamilton Werneck

Hamilton Werneck

Eis um homem que representa com exatidão o significado da palavra “mestre”. Pedagogo, palestrante e educador, Hamilton Werneck compartilha com os leitores de A VOZ DA SERRA, todas as quartas, sua vasta experiência com a Educação no Brasil.

23/05/2018

Se o paradigma do passado foi a segmentação, o momento histórico está voltado para a unificação, em que as considerações levam em conta o maior número de variáveis intervenientes no processo, seja ele qual for. No campo político, fala-se muito em coalizão; no setor profissional, as pessoas unem esforços para buscar soluções para seus problemas ou para treinar, a custo mais baixo, seu pessoal.

Leia mais
02/05/2018

Se alguns afirmam que o caminho mais curto entre dois pontos é a linha reta, afirmo que este melhor caminho é a estrada de rodagem. A trilha de montagem estabelecia um controle do tempo, acelerava a produção, poderia ser analisada para que fossem diminuídos ou aumentados os empregados ao longo dela. Cada pessoa, trabalhando, tinha noção de sua posição, nunca de sua dimensão. O conceito matemático de “ponto”, aquele que só tem posição, não tem dimensão, foi assimilado perfeitamente pela sociedade industrial.

Leia mais
25/04/2018

É fácil perceber que o paradigma do passado, ao refletir um período mecanicista, separava tudo o que encontrasse pela frente. Criou-se a ideia de “circunscrição de um problema”, tentando, no caso da razão e do afeto, separar situações afetivas de outras racionais. O racionalismo tornou-se forte desde a era moderna e firmou-se ainda mais com os iluministas Voltaire, Diderot e com a disseminação das repúblicas inspiradas na Revolução Francesa e no liberalismo inglês. Junto a este racionalismo, veio a separação entre razão e afeto.

Leia mais
18/04/2018

À medida que os estudos de anatomia avançavam, descobriu-se que o cérebro era um bloco dividido em dois grandes hemisférios: o direito e o esquerdo. Com a evolução dos estudos neurológicos, os médicos começaram a perceber que determinados acidentes com o cérebro privavam as pessoas de alguns movimentos ou inibiam um lado do corpo, como acontecia nos casos dos derrames. Mais tarde, com o avanço desses mesmos estudos, verificou-se que pessoas poderiam ter lesões cerebrais sérias e ficar com a memória preservada.

Leia mais
11/04/2018

Uma consequência natural do processo de produção em série é a homogeneidade. Passou-se a dar valor às peças iguais, em oposição ao trabalho artesanal anterior, em que a mão do artesão era percebida em cada objeto feito.

Não foi estranha a aplicação dos conceitos de homogeneidade às demais situações da vida social e de formação da mão-de-obra. Esta homogeneização trouxe a padronização, seja de procedimentos, seja de comportamentos.

Leia mais
04/04/2018

A produção durante a era industrial chegou a um ponto importante na relação custo e trabalho, investimento e lucratividade. As peças eram repetidas. Surgiu a produção em série, que chegava a impedir que as pessoas pudessem escolher as cores dos produtos que compravam. Como se dizia à época de Henry Ford: “O cliente pode ter um carro da cor que desejar, contanto que seja preto.” Sai muito mais barato e não era necessário mudar todo o sistema de produção para mudar as cores das tintas. Então, cor de carro era preta.

Leia mais
28/03/2018

A humanidade evoluiu e desaguou na era industrial, em que o tempo, reforçado pelos conceitos de Newton na era moderna, passou a ser considerado absoluto. Os filósofos consideravam o tempo como o número ou a medida do movimento. A influência matemática e mecanicista transformava o tempo em número fluente e contínuo. A principal distinção que se fazia estava ligada à duração deste mesmo tempo.

Leia mais
21/03/2018

Um paradigma muito forte na civilização que dominou o século 20 é o reducionismo. Retornamos à velha Grécia e encontramos Aristóteles, que pensava que somente os homens passavam a carga genética para os filhos, buscando reduzir tudo à expressão mais simples.  Daí por diante, as pessoas foram orientadas pelos estudos e pela vivência a “reduzir”. Por exemplo, um professor muitas vezes só entende uma avaliação quando a reduz aos números entre zero e dez.

Leia mais
14/03/2018

Quando algum amigo falece, a gente deixa tudo de lado, vai ao velório e segue ao sepultamento ou cremação. Hoje esta coluna de educação para a sequência e segue um velório à distância porque o amigo padre Pecci faleceu. Parece estranho, mas recebi pêsames pelo falecimento dele, como se fosse um parente. Tratava-se de mãe de um aluno do Anchieta que sabia que nós éramos amigos.

Leia mais
07/03/2018

Se analisarmos a vida ao nosso redor, encontraremos uma série de elementos, todos segmentados. Ao longo do tempo, aprendemos, seja pela vida, seja pela história, a dividir as coisas. É verdade que, nas empresas, nas universidades e, até mesmo, nas escolas, convivemos com as divisões: as disciplinas estudadas eram divididas. Podemos lembrar que, em Português, tínhamos um professor de Língua, outro de Literatura e, ainda, outro para Redação.

Leia mais