Hamilton Werneck

Hamilton Werneck

Eis um homem que representa com exatidão o significado da palavra “mestre”. Pedagogo, palestrante e educador, Hamilton Werneck compartilha com os leitores de A VOZ DA SERRA, todas as quartas, sua vasta experiência com a Educação no Brasil.

11/07/2018

O que se espera de um profissional para nossos dias é essa capacidade de integração entre a razão e o afeto, para se apresentar à sociedade e ao mundo do trabalho como pessoa equilibrada e adaptada aos tempos. A resistência a esse tipo de integração remonta a tempos históricos muito longínquos e reflete uma questão de separação dos gêneros. Sempre se deu ao homem uma tintura de racionalidade, de dureza no trato com a vida e no enfrentamento direto de problemas.

Leia mais
04/07/2018

Se o mundo industrial chegou à produção em série e homogeneizou peças e utensílios, os avanços dessa mesma indústria – que usa um robô com possibilidade de manejar tipos diferentes de tintas para pintar qualquer objeto – foram caminhando para a variedade. Vivemos a época em que os produtos são diferentes uns dos outros, incorporando diferenças para atender às exigências dos mercados.

Leia mais
27/06/2018

Se o antigo paradigma dava atenção ao produto, o atual dá especial atenção ao processo. Dar atenção ao processo não significa trabalhar em detrimento do produto, como pensam os conservadores que fixam o olhar no produto final. Quando os serviços dentro de uma fábrica ou dentro de uma universidade são avaliados com a ótica antiga, trabalha-se a avaliação como se estivéssemos dentro de uma fábrica da Ford no início do século 19.

Leia mais
20/06/2018

Foi-se o tempo em que uma indústria determinava a cor e a forma de seus produtos conforme seu maior interesse. Hoje, apesar de os meios de comunicação estarem voltados para o convencimento do que se deve comprar, eles ouvem os clientes para adequar os produtos aos consumidores. Trata-se de um marketing interativo, onde um não pode viver sem considerar o outro. Detalhes de personalização dos produtos tomam conta dos mercados.

Leia mais
13/06/2018

Do paradigma do tempo absoluto, o profissional do século 21 encontra-se com um novo conceito: o da relatividade do tempo. Tal fato quebra os padrões uniformes de consideração do trabalho, da aquisição dos conhecimentos e de várias outras realizações humanas. Se, no início do século 20, levava-se um mês para se chegar de um lugar a outro, no final, esse mesmo espaço poderia ser percorrido em poucas horas.

Leia mais
06/06/2018

Na verdade, desde os tempos dos romanos que havia uma tentativa de globalização do Mediterrâneo e da Europa; os maometanos fizeram a mesma coisa, imitando os antigos persas; Gengis Khan procurou o mesmo, perdendo-se por falta de comunicação. As companhias das Índias Orientais e Ocidentais procuraram as mesmas coisas, tanto quanto o império inglês, que, ao tempo da rainha Vitória, só na África, tinha um corredor de domínio que ia do Cairo até a cidade do Cabo, na África do Sul.

Leia mais
23/05/2018

Se o paradigma do passado foi a segmentação, o momento histórico está voltado para a unificação, em que as considerações levam em conta o maior número de variáveis intervenientes no processo, seja ele qual for. No campo político, fala-se muito em coalizão; no setor profissional, as pessoas unem esforços para buscar soluções para seus problemas ou para treinar, a custo mais baixo, seu pessoal.

Leia mais
02/05/2018

Se alguns afirmam que o caminho mais curto entre dois pontos é a linha reta, afirmo que este melhor caminho é a estrada de rodagem. A trilha de montagem estabelecia um controle do tempo, acelerava a produção, poderia ser analisada para que fossem diminuídos ou aumentados os empregados ao longo dela. Cada pessoa, trabalhando, tinha noção de sua posição, nunca de sua dimensão. O conceito matemático de “ponto”, aquele que só tem posição, não tem dimensão, foi assimilado perfeitamente pela sociedade industrial.

Leia mais
25/04/2018

É fácil perceber que o paradigma do passado, ao refletir um período mecanicista, separava tudo o que encontrasse pela frente. Criou-se a ideia de “circunscrição de um problema”, tentando, no caso da razão e do afeto, separar situações afetivas de outras racionais. O racionalismo tornou-se forte desde a era moderna e firmou-se ainda mais com os iluministas Voltaire, Diderot e com a disseminação das repúblicas inspiradas na Revolução Francesa e no liberalismo inglês. Junto a este racionalismo, veio a separação entre razão e afeto.

Leia mais