Um bichinho que pesa menos de um grama é capaz de produzir toneladas de mel

Confira a entrevista com Luís Moraes, do Apiário Amigos da Terra
sábado, 22 de maio de 2021
por Ana Borges (ana.borges@avozdaserra.com.br)

“Aqui em Friburgo, existe um lugar onde todas as abelhas são rainhas”. Durante uma troca de ideias sobre esta edição com a diagramadora do Caderno Z, Andréa Freze, ela lembrou de uma entrevista que fez com o apicultor Luís Moraes, no início de sua carreira como jornalista, há cerca de 20 anos. Foi com aquela frase citada aí em cima, com jeito de poesia, que ela iniciou seu texto. 

Não resisti e “roubei” o verso que nossa colega escreveu e que me serve de inspiração para esta matéria que, por sua vez, poderá ser assistida na íntegra na videorreportagem realizada pelo produtor Alan Andrade, e pelo cinegrafista Henrique Pinheiro, no site do jornal.

Formado em medicina veterinária, o niteroiense Luís Moraes diz que saiu da faculdade (UFRRJ) com dois casamentos: um com a esposa, a bióloga Clarice Libório, e outro com as abelhas, sendo que, com as abelhas, o casamento se ‘multiplicou’. 

Nesse caso, porque de uma colméia resultou uma empresa, aberta em Seropédica (Itaguaí), cuja produção depois foi transferida para um sítio em Petrópolis. Em 1993, o casal se estabeleceu em Nova Friburgo e, em 1996, adquiriu um terreno para fundar a empresa Apiário Amigos da Terra, onde também trabalham os filhos, além de 12 colaboradores. Ali produzem, processam e comercializam o mel do campo, que é distribuído para todo o estado do Rio. 

“Nós focamos, principalmente, na criação de abelhas melíferas. Trabalhamos com cruzamento, uma abelha de raça mista, de origem europeia e africana, denominada abelha ‘africanizada’. Ela tem um instinto defensivo muito forte, mas, por outro lado, é altamente produtiva. Temos algumas colmeias disponíveis para visitação, atividade que está suspensa devido à pandemia”, informou Luís, acrescentando que no local se encontra o único Museu do Mel cadastrado no Ibram (Instituto Brasileiro de Museus / MEC). 

Depois de colhido no campo, o mel é levado para o setor de beneficiamento onde é feita a extração, filtragem, envasamento, e posteriormente, a distribuição. O Apiário Amigos da Terra é o entreposto de mel, onde também são processados os derivados da apicultura. Luís esclarece que a empresa trabalha com quatro florações diferentes: silvestre, assa-peixe, eucalipto e laranjeira. Além do extrato de própolis, mel composto, spray de própolis e o pão de mel, cuja receita é “exclusiva e um sucesso na nossa loja de varejo”.

Visitação segura    

Em 2019, o Amigos da Terra recebeu cerca de 5.000 estudantes, de escolas e colégios de vários municípios do Estado, em visitas realizadas anualmente. Como o apiário trabalha com as abelhas africanizadas, que são mais agressivas, o cuidado com a segurança é redobrada. “Lidar com abelhas, com produção de mel, apesar de ser uma atividade muita prazerosa, requer um conhecimento específico. Uma pessoa não deve mexer com abelhas sem a orientação de um  profissional”, alertou.

“Somos muito criteriosos com a segurança. Tanto que nunca houve acidente de picadas, seja aqui na propriedade, na vizinhança, em pessoas ou animais do nosso entorno, enfim, onde quer que seja, porque sabemos da importância de um manejo responsável. Conosco o risco é zero. Temos equipamentos de proteção adequados, seguimos os procedimentos recomendados, adotamos todas as precauções. Não se pode por em risco a vida de ninguém, não apenas a nossa, mas de qualquer pessoa”, reafirmou.

Pelo equilíbrio dos ecossistemas

“As pessoas acreditam que o papel mais importante da abelha seja a produção de mel. Não é. As abelhas são consideradas os animais mais importantes da terra, porque propiciam uma relação muito interessante entre os reinos vegetal e animal. As plantas, como todo mundo sabe, se reproduzem através das flores, mas não possuem a capacidade de se autofecundarem, precisando da colaboração de agentes polinizadores. Há vários agentes polinizadores, como os pássaros, o vento, porém, o que predomina e poliniza 80% de todas as plantas com flores do mundo, são as abelhas. 

Importante dizer que se não fosse a presença das abelhas, que estão presentes no planeta há milhões de anos, não haveria a proliferação das plantas e não teria propiciado, tão facilmente, a formação de várias outras espécies. Então, a importância da abelha para a natureza não é produzir mel — que é apenas o alimento que ela produz em excesso e que retiramos para comercializar. Seu papel primordial é fazer a proliferação.

Além disso, as abelhas servem como indicador biológico: se o ambiente está preservado, com diversidade de flora, elas se multiplicam com facilidade. Quando esse ambiente está com uso excessivo de agrotóxicos, as abelhas vão desaparecendo daquele local, o que já aconteceu em várias regiões do mundo. 

Por isso, é fundamental a preservação de abelhas, pois sem elas, a espécie humana também estará ameaçada. E insistir em um trabalho de conscientização com as crianças, além dos agricultores para que diminuam a utilização de agrotóxicos,” ensinou o médico veterinário.

Voltando no tempo…

Num passeio pelo passado, Luís conta que seu primeiro contato com abelha foi casual, ainda na Universidade. “Não havia alojamento para todo mundo, então morávamos em um vilarejo próximo, chamado Quilômetro 49. Eram casas simples, sem instalação de água, e usávamos água de poço.

Um dia, um enxame de abelhas entrou numa casinha onde ficava a bomba e chamei um amigo que já trabalhava com apicultura para fazer a remoção. Quando estava pronto para levar o enxame, sugeriu que eu procurasse saber sobre o tema, que valia a pena. Ali, em 1980, tive o meu primeiro contato. 

Durante muitos anos tratei a apicultura como um hobby, porque é uma atividade muito boa como terapia, não apenas um negócio. Primeiro, por conta do contato com a natureza, porque você não pode criar abelha em um ambiente urbano. E depois, pelo manejo para lidar com ela. A gente vai se encantando por tudo que ela representa, a abelha é um inseto muito especial. Afinal, esse bichinho tão pequenino consegue fazer algo extraordinário: pesa menos de 1 grama e é capaz de produzir toneladas de mel.”

SERVIÇO

Av. Antonio Mário de Azevedo, 17.200 – Campo do Coelho
(22)  2529.4182 / (22) 2529.4333
apiario@amigosdaterra.com.br
www.amigosdaterra.com.br

 

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

  • (Foto: Henrique Pinheiro)

    (Foto: Henrique Pinheiro)

LEIA MAIS

Confira a entrevista com o técnico de informática Andelvan Passos, pai de Haniel e de João, sobre como a paternidade mudou a sua vida

Presença sempre ativa e constante do pai nessa relação pode ajudar as crianças a se sentirem seguras

Entre os que comemoram a data, o presente mais escolhido são as roupas, com 44% das respostas, seguido por perfumes, 41%

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra