Um amor que se descobriu na pandemia, após décadas de amizade

Vania e Marco topam a brincadeira de responder às perguntas de A VOZ DA SERRA sem saber as respostas um do outro
sábado, 12 de junho de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
Vania e Marco: namoro após mais de 30 anos de amizade (Arquivo pessoal)
Vania e Marco: namoro após mais de 30 anos de amizade (Arquivo pessoal)

Há dois anos, no Caderno Z dedicado ao Dia dos Namorados, A VOZ DA SERRA entrevistou dois casais - um há 38 anos vivendo junto sob o mesmo teto (relembre aqui) e o outro há 21 anos morando em casas separadas por opção (relembre aqui)

Desta vez, resolvemos entrevistar dois amigos de longa data que, por acaso, descobriram, em plena pandemia, o frescor de um novo relacionamento a dois, após mais de 30 anos trilhando caminhos pessoais distintos. Ela, com dois  divórcios, uma união estável e três filhos na bagagem. Ele, com um um divórcio, duas uniões estáveis e um filho e neto na mochila. 

Atendendo a um pedido de A VOZ DA SERRA, eles toparam a brincadeira de responder às perguntas sem saber as respostas um do outro. E só as conhecerão quando folhearem o jornal neste sábado, ou receberem este link pelas redes sociais. Haja coração!

AVS: Como vocês se conheceram, primeiro como amigos, e como se reencontraram depois, como namorados?

Marco Macedo: Nos conhecemos há mais de 30 anos, quando Vania tinha um restaurante em Mury. Na época eu morava no Rio e trabalhava em Friburgo alguns dias na semana. Nos dias que estava aqui, ia lá diariamente e a amizade se deu naturalmente. Recentemente, ambos separados, nos aproximamos por acaso. Já compartilhávamos muita admiração e respeito um pelo outro. Depois de algumas boas conversas, e alguma relutância da parte dela, iniciamos uma delícia de relacionamento.

Vania Lucia Brunorio Rodrigues: Nos conhecemos em 1990. Eu e meu marido da época tínhamos um American bar em Mury e o Marco era um cliente que virou amigo. No ano passado, muito por conta da pandemia, a gente passou a sair juntos nos lugares permitidos e agregar mais amigos em comum. Ele foi muito delicado em mostrar algum interesse e respeitou meu tempo. E daí aconteceu. Grata surpresa!

AVS: Qual a situação mais engraçada/divertida que vivenciaram juntos?

Marco: Logo no início do namoro, estávamos na mesa de um bar reunidos com um grupo de amigos, sob os efeitos benéficos de alguns drinques. Durante um beijo mais “caliente”, caímos no chão, para o espanto e gargalhadas de todos.

Vania: Foram tantas! Somos um casal atrapalhado. A mais engraçada que se pode publicar aconteceu no Casarão de Minas. Estávamos com um grupo de amigos, cheio de conversas paralelas. Começamos a nos beijar de forma carinhosa e lenta. Foi como se o mundo fosse só nosso e a gente tivesse entrado numa viagem. Resultado: um desmaio de alquimia e caímos no chão, no meio de todo mundo.​

AVS: Qual a situação mais difícil que enfrentaram juntos?

Marco: Ainda não tivemos tal situação.

Vania: Nenhuma. Há bastante conversa e um diálogo que acontece no olhar. As coisas fluem.

AVS: O que é mais desafiador, hoje, para a harmonia e plenitude do relacionamento de vocês?

Marco: A rotina pode gerar desgaste. Penso que é importante alimentar a relação diariamente para que todo novo dia seja, de fato, uma novidade.

Vania: O maior desafio para qualquer relação é manter nítido o sentido do porquê se está junto. Manter o frescor de uma relação, onde a confiança, a intimidade, o respeito e um diálogo franco devem permanecer. Essa base sólida nós temos para encarar o que vier pela frente, juntos. Talvez para ele meu jeitinho super espontâneo e independente seja um desafio, como é para qualquer homem.

AVS: Se tivessem a chance de voltar no tempo, o que fariam diferente?

Marco: Eu iria propor iniciar este relacionamento 30 anos atrás.

Vania: Absolutamente nada. A vida se encarregou de ser perfeita.

AVS: Como vocês se veem daqui a, digamos, cinco a dez anos?

Marco: Juntos! Fazendo da nossa vida uma grande festa.

Vania: Com certeza cúmplices e amantes da vida. Acho que também mais atrapalhados e divertidos! A gente sabe rir de si mesmo e um do outro.

AVS: Depois de tantas tentativas até agora de fazer a “coisa” dar certo, a pergunta de um milhão de dólares: qual o segredo de um bom relacionamento a dois, a fórmula do amor?

Marco: Ambos já tentamos bastante… Não sabemos o segredo, mas somos conscientes de que respeito, generosidade e querer verdadeiramente o bem do outro constroem um amor sólido e resiliente.

Vania:  Cada um na sua e cada um na do outro. E só é possível com diálogos sinceros, respeito, admiração, entrega e muito bom humor. Se relacionar é se comprometer. Se comprometer em cuidar da relação durante os dias e durante as noites. Dedicação total.

AVS: Declare-se aqui para ela/ele:

Marco: Vania, minha vida se tornou leve ao seu lado. Sua generosidade, seu carinho, seu cuidado, seu belo sorriso me encantam! Sei que você é um presente de Deus e por isso sou muito grato. Amo você.

Vania: Ih, posso me valer de Pablo Neruda?  "Te amo sem saber como, nem quando, nem de onde. Te amo diretamente, sem problema nem orgulho: assim te amo porque não sei amar de outra maneira, a não ser deste modo em que não sou nem és, tão perto que tua mão sobre o meu peito é minha, tão perto que se fecham teus olhos com meu sono".

 

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra

TAGS: