Pesquisas indicam aumento de casos de depressão durante a quarentena

Redes sociais e sites viram comunidades de apoio para pessoas em isolamento social
sábado, 16 de maio de 2020
por Jornal A Voz da Serra
Pesquisas indicam aumento de casos de depressão durante a quarentena

Logo após a decretação da quarentena devido à pandemia da Covid-19, o professor Alberto Filgueiras, do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), iniciou uma pesquisa sobre o comportamento dos brasileiros durante o isolamento. Os resultados mostram que os casos de depressão praticamente dobraram entre os entrevistados, enquanto as ocorrências de ansiedade e estresse tiveram um aumento de 80%, nesse período.

O professor coordena o estudo por meio do Laboratório de Neuropsicologia Cognitiva e Esportiva (LaNCE), em parceria com o Dr. Matthew Stults-Kolehmainen, do Yale New Haven Hospital, nos EUA. Para a realização da pesquisa, 1.460 pessoas em 23 estados e todas as regiões do país responderam a um questionário on-line com mais de 200 perguntas, em dois momentos específicos: de 20 a 25 de março e de 15 a 20 de abril.

De acordo com os dados analisados, as mulheres são mais propensas do que os homens a sofrer com estresse e ansiedade durante a quarentena. Alimentação desregrada, doenças preexistentes, ausência de acompanhamento psicológico, sedentarismo e a necessidade de sair de casa para trabalhar são outros fatores de risco. 

Já para depressão, as principais causas são idade mais avançada, ausência de crianças em casa, baixo nível de escolaridade e a presença de idosos no ambiente doméstico. De acordo com o professor Alberto Filgueiras, os resultados sugerem um agravamento preocupante. 

“A prevalência de pessoas com estresse agudo na primeira coleta de dados foi de 6,9% contra 9,7%, na segunda. Para depressão, os números saltaram de 4,2% para 8,0%. Por último, no caso de crise aguda de ansiedade, vimos sair de 8,7% na primeira coleta para 14,9%, na segunda coleta”, ressalta.

Por outro lado, a pesquisa sinaliza que quem recorreu à psicoterapia pela internet apresentou índices menores de estresse e ansiedade. Da mesma forma, aqueles que puderam praticar exercício aeróbico tiveram melhor desempenho do que os que não fizeram nenhuma atividade física, ou que praticaram apenas atividade de força.

Mas Filgueiras faz um alerta, pois a pressão social pode acabar impondo mais estresse às pessoas, em tempos de isolamento. 

“Esse período da quarentena não é o momento de mudar seus hábitos radicalmente. Isso pode gerar ainda mais angústia. Respeite seu estilo de vida e seus limites”, reforça.

Nos próximos meses, a pesquisa terá continuidade com novos ciclos de aplicação do questionário, enquanto durar a quarentena.

 

Outro estudo, feito pelo psicólogo Stephen Zhang, da Universidade de Adelaide (Austrália), coletou dados sobre a prevalência de distúrbios mentais durante a pandemia em países mais afetados pela doença, como China, Irã e Brasil.

A partir de informações de 638 brasileiros, a pesquisa apurou que 52% dos adultos tinham níveis de estresse leve a moderado, enquanto 18% sofre de estresse severo -  patamar que no Brasil está mais alto do que na China e Irã, onde a doença causou fortes impactos.

Fatores associados à pandemia e ao isolamento, como instabilidade econômica, medo da doença, desinformação, prolongamento da quarentena e mudanças na rotina, afetam diretamente os níveis de estresse de forma coletiva.

Por isso, é importante cuidar da saúde mental e também de que está perto de você durante a pandemia. Preste atenção em como está seu sono, seu estado de ansiedade, pensamentos e motivação. Procure ajuda se você começar a perceber que alguns sentimentos estão atrapalhando sua rotina, como:

  • Pensamentos negativos

  • Apatia

  • Baixa energia

  • Choro frequente

  • Insônia e dificuldade para dormir

  • Medos constantes

  • Mudanças nos padrões alimentares

  • Dificuldade em se concentrar para tarefas normais

  • Sentimentos de desamparo, desesperança, tristeza prolongada ou preocupação incontrolável.

Redes sociais e sites viram comunidades de apoio para pessoas em isolamento social

Com o isolamento social devido ao novo coronavírus, o que não faltam são dificuldades para lidar com a solidão e vencer todos os problemas de ansiedade, medo, tristeza, entre outros sentimentos que não são benéficos para manter a saúde mental em dia. Nesse período há outros medos além do isolamento social… Há o medo do desemprego, de não conseguir pagar as contas e se infectar com o Covid-19. É necessário ter uma série de cuidados com a saúde mental no dia a dia, em especial nesses períodos de quarentena. 

Com o intuito de promover o bem estar, aliviar sofrimentos em tempos de pandemia,  o grupo Quarentena: Mantendo a Saúde Mental em Dia, foi lançado no Facebook com o intuito de oferecer suporte emocional às pessoas que estão sofrendo com o isolamento social. Administrado pela psicóloga Daniela Jungles, de Curitiba/PR, o grupo traz diariamente doses de motivação para enfrentar este cenário atual. 

A comunidade A Chave da Questão reúne psicólogos e outros profissionais da saúde, oferecendo aconselhamento terapêutico de graça pela internet. A página no Facebook foi criada em março, mas o site já existe há três anos. No início do isolamento social, em apenas 72 horas, o portal alcançou a marca de um milhão de acessos e cerca de 200 mensagens por minuto. O grupo, nas redes sociais, conta com 73 profissionais de todo país e acolhe, orienta e, especialmente, escuta as pessoas em confinamento. 

A rede Relações Simplificadas oferece experiências de escuta por vídeo chamada. A plataforma ressalta que embora seja formada por psicólogos as sessões não configuram terapia ou psicoterapia, mas uma iniciativa de acolhimento.

O grupo Escuta 60+  é formado por oito terapeutas, entre psicólogos, psicanalistas e acompanhantes terapêuticos da área de envelhecimento e oferecem atendimento gratuito de acolhimento por telefone a pessoas com mais de 60 anos. O atendimento pode ser feito sem agendamento pelo telefone (11) 3280-8537. 

Já o Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, pelo telefone 188, e-mail e chat 24 horas por dia, de domingo a domingo. 

Outro portal de ajuda é o Psis Online - https://psionline.com.br/ que passou a atender de forma gratuita em 17 de março. O serviço conta com 186 profissionais especializados em saúde mental, devidamente credenciados pelos seus respectivos conselhos de classe, que têm se desdobrado para atender 318 pacientes. Devido à intensa procura, no momento não há vagas e a fila de espera vem aumentando dia a dia. Cientes da importância desta ajuda às pessoas de todas as faixas etárias, estes profissionais da saúde mental atuam como um forte aliado no atendimento a distância. 

 

LEIA MAIS

Moradores se queixam do fluxo constante de turistas nos distritos em plena pandemia

Oração para pedir força para o enfrentamento da pandemia começará às 12h30

São R$ 15,9 bilhões dos cofres da União para servir de garantia a empréstimos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra