Moradores do edifício Monte Carlo relembram a tragédia de dez anos atrás

“A lembrança que guardei desse episódio é que sobrevivi”, conta a designer de interiores Rose Evans, moradora do prédio até hoje
sexta-feira, 08 de janeiro de 2021
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
O prédio desmoronado (Arquivo AVS)
O prédio desmoronado (Arquivo AVS)

Literalmente partido ao meio durante a tragédia climática de 12 de janeiro de 2011, que completa dez anos na próxima terça-feira, 12, a imagem do edifício Monte Carlo, localizado na Rua Juvenal Namen, próximo a Rua Cristina Ziede, outra bastante afetada pelas quedas de barreira, se tornou um dos símbolos da catástrofe, bem como a Capela de Santo Antônio, na Praça do Suspiro, outro imóvel que ficou parcialmente destruído e, posteriormente, foi recuperado.

A interdição do edifício Monte Carlo durou exatos oito anos, quando em janeiro de 2019 foi finalmente desinterditado pelas autoridades. Ao término das intervenções, a empresa contratada para recuperação dos apartamentos emitiu um relatório que foi entregue aos engenheiros da Defesa Civil. Após vistoria do órgão, o prédio foi liberado, no entanto, continuou sendo monitorado por mais um ano para garantia da segurança dos moradores.

Iniciada em março de 2017, as obras de reconstrução de parte do prédio que desabou custou em torno de R$ 400 mil e foi paga pelos proprietários dos imóveis. O edifício Monte Carlo foi construído há mais de 30 anos e possui 18 apartamentos divididos em dois blocos. Além de duas coberturas, os amplos imóveis possuem dois a três quartos.

O local se tornou tão simbólico para o município - principalmente por estar no centro da cidade, em área nobre, e onde uma tragédia desse porte era impensável - que foi um dos pontos visitados pela ex-presidente Dilma Rousseff e registrado por diversos veículos midiáticos do Brasil e do mundo na ocasião. No entorno do prédio, sete casas foram soterradas e vinte e duas pessoas morreram.

As lembranças de moradores do Monte Carlo

A designer de interiores Rose Evans morava no edifício Monte Carlo durante a tragédia. Na verdade ainda mora lá, mas foi obrigada a ficar fora de casa por alguns anos devido à indefinição do que seria feito com o prédio.

“Fisicamente não sofri nada, mas aquele acontecimento mudou minha vida de diversas formas. Fui morar na casa da minha irmã, onde fiquei por três meses, fechei a loja que eu tinha, aluguei um apartamento de quarto e sala e montei uma empresa no ramo de lingerie. Hoje posso dizer que toda perda material foi recuperada, graças a Deus”, conta ela, que mesmo tendo superado o ocorrido, jamais vai esquecer o que viu e ouviu naquele 12 de janeiro de 2011.

“’O prédio vai cair’ dizia um, ‘o prédio tá caindo’ dizia outro. ‘O prédio vai cair, é só uma questão de tempo. Percebeu como ele está tombado pra rua?’. Estas foram algumas das frases que ouvi durante aquele fatídico dia. Imagino que as pessoas ao dizerem aquilo não tinham ideia do quanto doía minha alma, pois ali estavam todos os meus pertences pessoais e era o meu único patrimônio imóvel, ou seja, eu e meus vizinhos estávamos vivenciando uma das grandes ameaças de que tememos na vida: perder ‘tudo’”, relembra Rose Evans.

“O empresário e engenheiro Jairo Wermelinger teve papel importantíssimo na reconstrução do prédio. Ele foi o ‘ponto neutro’ que precisávamos e trouxe, em duas ou  três reuniões de condomínio em que participou, uma fala harmoniosa de alguém com extrema boa vontade que conseguia enxergar a situação com mais lucidez e ao mesmo tempo conhecimento técnico”, lembra ela, agradecida.

E finalizou: “A lembrança que guardei desse episódio é que sobrevivi. Que a  vida tem uma força transformadora e  nossa capacidade de adaptação e sobrevivência é grande. Esse episódio também me ensinou que a fé constrói e também reconstrói. Que a esperança é a força impulsionadora de energia. Que pessoas unidas conseguem resultados inimagináveis”. 

O jornalista Luã Madureira, de 31 anos, filho do ex-produtor de TV, Sergio Madureira, era um dos moradores do prédio em 2011. As lembranças daquele dia ainda o atormentam, mesmo passados dez anos, porque logo após a catástrofe o pai dele sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC), ficou quase um mês internado e veio a falecer. Portanto, tragédia dupla na vida de um jovem que, até então, tinha apenas 21 anos. Mesmo assim ele topou falar com A VOZ DA SERRA sobre o ocorrido.

Luã conta que a família se mudou para o edifício Monte Carlo em 1993, logo após o nascimento da irmã, Aimeé. Ele relata que, embora tenha inúmeras boas lembranças dos cerca de 18 anos que morou no apartamento 302, a tragédia de 2011 e o falecimento do pai foram acontecimentos quase que simultâneos.

“Com certeza foi um dos momentos mais difíceis que já enfrentei. Muitos reclamam de 2020, que sem dúvida foi um ano triste mas, pessoalmente, na minha vida não teve ano mais difícil que 2011. Em poucos meses perdi minha casa e meu pai. Ele que amava tanto a cidade viu o estrago que as chuvas fizeram e acredito que isso também tenha afetado ele. Mas a vida não é brincadeira, muito menos uma festa onde você chega e é só felicidade. Muito pelo contrário, aquele ano eu aprendi muito. Ainda que obrigado, serviu para meu crescimento”, conta Luã

“Vendemos o apartamento um pouco antes de ser anunciada a reconstrução, o que pra mim foi um golpe no coração, pois amava aquele apartamento. Mesmo com o prédio interditado, a administradora continuou cobrando o condomínio e, com o falecimento do meu pai, ficou impossível manter o custo com o apartamento parado, eu ainda estudando, enfim. Por medo de perder o apartamento caso fosse executado na justiça, vendemos”, lamenta o jornalista.

Perguntado se voltaria a morar no edifício Monte Carlo, Luã não titubeou: “Voltaria sim, eu superei a tragédia. Ainda que a gente não saiba o dia de amanhã e estar localizado em uma área onde já teve deslizamento, acredito fielmente que as chuvas que atingiram a cidade em 2011 foram um ponto fora da curva. Aquele prédio vai ficar para sempre na minha memória, seja pelos anos que vivi, ou pelo motivo que me levou a sair de lá”, finalizou.

 

LEIA MAIS

Chuvas só devem dar uma breve trégua no domingo 17, na quinta 21 e na sexta 22, prevê Climatempo

Tragédia de 2011 completa dez anos: cidade deu a volta por cima, mas cicatrizes não deixam esquecer pesadelo

Padre Leão ainda se emociona e diz que foi o povo de Nova Friburgo que recuperou a capela e reconstruiu a cidade

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra