Friburgo entre os 15 piores municípios do estado no enfrentamento à pandemia

Conclusão é de um estudo inédito promovido pelo Instituto Votorantim, que classifica o município como o 114º pior do Brasil
sexta-feira, 10 de setembro de 2021
por Jornal A Voz da Serra
Rua lotada de gente em plena pandemia (Foto: Henrique Pinheiro)
Rua lotada de gente em plena pandemia (Foto: Henrique Pinheiro)

Nova Friburgo está entre os 15 piores municípios do estado no enfrentamento à pandemia e é o 114º pior do Brasil, informa o jornalista Wanderson Nogueira na coluna "Observatório". A conclusão é de um estudo inédito promovido pelo Instituto Votorantim, composto por 14 indicadores, distribuídos em seis pilares temáticos, que abrangem dados relacionados a população vulnerável, economia local, estrutura e organização do sistema de saúde, capacidade fiscal da administração pública e capacidade municipal de resposta à crise da Covid-19.

Para cada indicador e pilar temático, foram atribuídos pesos de acordo com sua relevância no contexto da pandemia. O Índice de Vulnerabilidade Municipal varia de 0 a 100 pontos, indicando que quanto maior o valor do índice de um determinado município, mais vulnerável e suscetível ele está com relação aos impactos da Covid-19. Nova Friburgo bateu 60,85. O estudo indica ainda que acima de 56 pontos, o índice é considerado crítico.

O estudo também compara o ano de 2020 com 2021. Nova Friburgo teve piora acentuada, especialmente no componente de organização do sistema de saúde. Saltou de 42,35 para 62,10. Lembrando que quanto maior a pontuação, mais vulnerável o município está.

O instituto leva em consideração o número de óbitos pela Covid-19 pela média por mil habitantes. Nova Friburgo tem a média 4,25, acima da brasileira que é de 2,75. Número idêntico ao que a coluna tem usado para apontar a tragédia friburguense ao usar a média por 100 mil habitantes. Nesse caso, Nova Friburgo tem média de 425 ante 275 da brasileira. O município é o 11º em número de óbitos e o 12º pela média.

Além de Nova Friburgo, segundo o estudo, estão entre os piores do estado no enfrentamento à pandemia como um todo, os municípios de Barra do Piraí, Araruama, São João de Meriti, Iguaba Grande, Belford Roxo, Cabo Frio, Magé, Barra Mansa, Guapimirim, Cambuci, Saquarema, Cachoeiras de Macacu, Nilópolis, Queimados e Mesquita. Como o estado do Rio é apontado como um dos epicentros da pandemia, todos esses estão entre os 120 piores do Brasil, com Nova Friburgo em 114º lugar. 

Macaé é o melhor

O melhor município fluminense no enfrentamento à Covid-19 é Macaé, com pontuação de 38,74. Na região Centro-Norte, os destaques mais positivos vão para Cantagalo (48,19) e Trajano de Moraes (48,77). O índice de vulnerabilidade é estipulado no cruzamento de dados disponíveis em diversas bases oficiais e considera o cenário mais recente anterior ao início da pandemia.

Instituto Votorantim

O objetivo, segundo o instituto é oferecer uma visão consistente para serem traçadas estratégias de ação de combate à Covid-19. No entanto, afirma que não é correto o estudo como único instrumento a ser utilizado para correções de rumos. A plataforma é bastante completa e com muitos dados esmiuçados para averiguação de 5.570 municípios. O Instituto Votorantim está com inscrições abertas para mentoria e assessoria gratuitas aos gestores municipais interessados e participa da viabilização da construção de uma fábrica de vacinas.

LEIA MAIS

Em casos de resultado positivo, o tratamento é integralmente oferecido pelo SUS

No Brasil, estima-se que existam 920 mil pessoas vivendo com o virus HIV

Será aplicada a primeira dose em adolescentes a partir de 12 anos e em adultos a partir dos 18

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra