Friburgo anuncia cronograma de vacina contra Covid para jovens, até 10 de agosto

Toda a população acima de 18 será contemplada. Nesta terça é a vez de quem tem 46 e 47 anos; na quarta os de 45 e na quinta, os de 44 anos
terça-feira, 13 de julho de 2021
por Adriana Oliveira (aoliveira@avozdaserra.com.br)
População mais jovem agora é o público-alvo (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)
População mais jovem agora é o público-alvo (Arquivo AVS/ Henrique Pinheiro)

Com alguns meses de atraso, os friburguenses finalmente podem agora ter uma ideia de quando toda a população maior de 18 anos, sem comorbidades, poderá receber sua primeira dose. Nesta terça-feira, 13, a prefeitura divulgou o cronograma completo, prevendo a vacinação de todos os adultos acima de 18 anos até o dia 10 de agosto. Confira:

Julho:

  • Segunda, dia 19: pessoas de 42 e 43 anos

  • Terça, dia 20: 40 e 41 anos

  • Quarta, dia 21:  39 anos

  • Quinta, dia 22: 38 anos

  • Segunda, dia 26: 36 e 37 anos

  • Terça, dia 27: 34 e 35 anos

  • Quarta, dia 28: 33 anos

  • Quinta, dia 29: 32 anos

  • Sábado, dia 31: Dia D, destinado às pessoas de 28, 29, 30 e 31 anos

Agosto:

  • Segunda, dia 2: pessoas  de 26 e 27 anos

  • Terça, dia 3: 24 e 25 anos

  • Quarta, dia 4: 23 anos

  • Quinta, dia 5: 22 anos

  • Segunda, dia 9: 20 e 21 anos

  • Terça, dia 10: 18 e 19 anos

Os locais e horários ainda não foram divulgados. Até agora, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, Nova Friburgo já aplicou 111.452 doses  contra a Covid-19. Somente nesta segunda-feira, 12, 4.113 pessoas foram imunizadas com a primeira dose, somando um total de 82.302 aplicações. Outros 27.580 friburguenses já receberam as duas doses dos imunizantes Coronavac, Astrazeneca ou Pfizer (ou a dose única da Janssen) e completaram o esquema vacinal.⠀

Nesta terça, 13, é a vez de quem tem 46 e 47 anos. Na quarta, 14, o público de 45 anos. Já na quinta, 15, a idade contemplada é 44 anos.

A vacinação acontece das 9h às 15h, no Ginásio poliesportivo Alberto da Rosa Pinheiro, o Pastão (Conselheiro Paulino); na Quadra da GRES Imperatriz de Olaria (Olaria); no Ginásio poliesportivo João Antunes Nogueira, Bieca (Cordoeira);  na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a Uerj (Lagoinha);  nas Estratégias de Saúde da Família de Centenário, São Lourenço, Campo do Coelho, Conquista, Nova Suíça, Amparo, Riograndina, Olaria (I,II,III), Lumiar, São Pedro da Serra, Stucky, Varginha, Mury; e na UBS/ESF São Geraldo. 

Apesar da demora para acelerar a imunização contra a Covid, Nova Friburgo vem registrando, nos últimos três meses, queda constante no número semanal de mortes decorrentes da doença. Segundo levantamento divulgado pela prefeitura, enquanto na segunda semana de abril (do dia 12 ao 18) foram registradas 32 mortes por coronavírus no município, a primeira semana de julho (de 28 de junho a 4 de julho)  registrou apenas seis óbitos - uma redução de mais de 80% (RELEMBRE AQUI).

Atraso, desculpas e mudança

O plano de imunização contra a Covid-19 em Nova Friburgo começou em 21 de janeiro deste ano, pelos profissionais de saúde e idosos internados em abrigos.  Somente em 15 de fevereiro começaram a ser vacinados idosos em geral, acima de 90 anos. No início de março chegou a vez dos acima de 85. Mas essa fila andou devagar: no início de abril ainda estava na faixa dos 62 anos, parando pouco depois para atender às pessoas com comorbidades, num processo que deixou o município bastante atrasado em relação a outros municípios.

Dados da Confederação Nacional de Municípios colocavam Friburgo, em junho, entre os 16% mais atrasados na imunização contra a Covid-19, por faixa etária. O município só começou a imunizar pessoas de 55 e 56 anos no fim de junho, quando a capital do estado já vacinava o público de 43 a 47 e seguia imprimindo velocidade crescente ao seu cronograma. Em maio, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, já prometia imunizar todos os cariocas acima de 18 anos até outubro.

A mudança de estratégia em Friburgo ocorreu no início de julho, depois que na coluna Observatório, de A VOZ DA SERRA, o jornalista  Wanderson Nogueira informou que, apesar da orientação do Ministério da Saúde para não estocar vacinas com o fim de garantir a segunda aplicação, Friburgo deixara de aplicar 30% das doses que recebeu. Das 129.902 doses recebidas pelo município, só  91.752 tinham sido utilizadas. 

Depois da denúncia e de uma reação em cadeia nas redes sociais pedindo a agilização do processo, em 3 de julho  o prefeito Johnny Maycon (Republicanos) reconheceu  o atraso, pediu “desculpas pela falha” e anunciou  a mudança de toda a equipe da coordenação de imunização da Secretaria Municipal de Saúde. Como efeito prático, esta semana a prefeitura anunciou um Dia D no sábado passado, 10,  para imunizar friburguenses de 50, 51 e 52 anos e um cronograma para garantir a primeira dose para pessoas de até 44 anos ao longo desta semana. 

Segunda dose para 63 e 64 anos

Também nesta quarta e quinta-feira, 14 e 15, idosos com 63 e 64 anos recebem a segunda dose nas Unidades Básicas de Saúde: no Ginásio poliesportivo Alberto da Rosa Pinheiro, o Pastão (Conselheiro Paulino); na Quadra da GRES Imperatriz de Olaria (Olaria);  no Ginásio poliesportivo João Antunes Nogueira, Bieca (Cordoeira): e  na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a Uerj (Lagoinha).

Já na sexta-feira, 16, profissionais da saúde recebem a segunda dose de 9h às 15h, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, a Uerj. É importante lembrar que é obrigatório a apresentação do RG, CPF, Cartão do SUS, comprovante de residência e o cartão de vacinação para quem já recebeu a primeira dose.

 

LEIA MAIS

Infectados moram nos bairros Cascatinha, Nova Suíça e Olaria, já não transmitem mais o vírus e passam bem

Taxa de ocupação nas UTIs dos hospitais locais para tratamento da doença continua baixa: 54,30%

Com retomada do cronograma, esta semana estão sendo vacinados friburguenses de 30 a 33 anos

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 76 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra