Fiocruz indica manutenção de queda nos casos de síndrome respiratória

“Cenário é de cautela”, diz coordenador do InfoGripe da fundação
sábado, 19 de setembro de 2020
por Jornal A Voz da Serra
A sede da Fiocruz, no Rio
A sede da Fiocruz, no Rio

Referente à Semana Epidemilógica 37 (6 a 12 de setembro), o Boletim InfoGripe da Fiocruz indica manutenção do sinal de queda no número de novos casos semanais de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no país, após a retomada do crescimento observado no mês de junho. Os valores semanais ainda encontram-se em um valor muito acima do nível de casos considerado muito alto. Entre as ocorrências com resultado positivo para os vírus respiratórios, cerca 97,5% dos casos e 99,3% dos óbitos são em consequência do novo coronavírus.

Em relação aos casos de SRAG por Covid-19 nas regiões brasileiras, o boletim mostra que todas se encontram na zona de risco e com ocorrência de casos muito alta. No Brasil, já foram reportados, este ano, 447.840 casos de SRAG, sendo 242.040 (54,0%) com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório. Entre os positivos, 0,5% Influenza A, 0,2% Influenza B, 0,4% vírus sincicial respiratório (VSR), e 97,5% por Covid-19.

A análise tem como base os dados inseridos no Sivep-gripe até o dia 15 de setembro. A nova edição mostra que João Pessoa (PB) e Manaus (AM) mantiveram sinal moderado de crescimento (prob. > 75%) de casos de SRAG para a tendência de longo prazo. Porém, em João Pessoa essa tendência também se apresenta de curto prazo, o que recomenda atenção redobrada. Em Aracaju (SE), tanto a tendência de longo, quanto a de curto prazo apresentam sinal forte (prob. > 95%) de crescimento. Em Palmas, observa-se sinal moderado de crescimento (prob. > 75%) no curto prazo.

“Embora a maioria das capitais esteja com sinal moderado (acima de 75%) ou alto (acima de 95%) de queda ou estabilidade no longo prazo, o cenário é de cautela. As capitais que passaram por longo período de queda e se encontram com tendência de estabilidade requerem atenção especial para evitar uma possível retomada do crescimento”, observou o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Gomes alerta que a tendência reportada para Cuiabá (MT) não é confiável. O pesquisador explica que foi observada grande diferença entre os dados de SRAG do estado reportados no Sivep-Gripe (utilizados pelo InfoGripe) e os reportados no sistema próprio do estado, com grande subnotificação no Sivep-Gripe. Na visão do pesquisador, essa diferença sugere uma baixa adesão ao sistema de notificação nacional, impactando todas as análises locais e nacionais a partir dos dados de referência para vigilância e estudos epidemiológicos das SRAG no país, entre as quais encontram-se casos graves de Covid-19.

 

LEIA MAIS

País é o segundo no mundo com mais mortes pela doença, atrás apenas dos EUA, que já tiveram mais de 218 mil vidas perdidas

Setor de estética foi um dos mais impactados com o isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus

As quatro escolas de samba já teriam entrado em consenso para não ter desfile na Alberto Braune

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra