Feriadão com aglomerações e desrespeito ao distanciamento social

Distritos turísticos, Lumiar e São Pedro registraram longos engarrafamentos, estacionamento irregular e muita gente sem máscara
terça-feira, 08 de setembro de 2020
por Fernando Moreira (fernando@avozdaserra.com.br)
Aglomeração na cachoeira de Indiana Jones (Fotos de leitores)
Aglomeração na cachoeira de Indiana Jones (Fotos de leitores)

O primeiro fim de semana prolongado após a retomada das atividades atraiu milhares de friburguenses e turistas para os principais rios e cachoeiras de Nova Friburgo, sobretudo no distrito de Lumiar, um dos mais procurados em dias de sol e calor como foram os últimos dias, inclusive na segunda-feira, 7, feriado pelo Dia da Independência.

Mas o que poderia ser um fim de semana de paz e curtição - com responsabilidade - acabou se tornando um festival de desrespeito ao distanciamento social, com pontos de aglomeração e muita, muita gente sem máscara, como se a pandemia já tivesse acabado e a cura da Covid-19 tivesse sido encontrada.

Engarrafamento em Lumiar

Foram inúmeros os relatos em redes sociais de situações que em nada combinam com o que chamamos de "novo normal". Embora a atual bandeira amarela em Nova Friburgo permita o acesso a pontos turísticos como rios e cachoeiras, falta conscientização por parte da população.

A VOZ DA SERRA fez contato com a Leidiane Freire, atual presidente da Associação de Moradores e Amigos de Lumiar (Ama Lumiar), que nos repassou uma série de reclamações e reivindicações dos moradores de Lumiar e de São Pedro da Serra, que também está sendo palco de aglomerações constantes provocadas por turistas e visitantes: “Uma total falta de educação e desrespeito com os nossos vilarejos e com a nossa comunidade”, afirmou Leidiane.

A maioria dos moradores cobra da prefeitura a elaboração de um plano turístico para a cidade que contemple boa sinalização, placas informativas e a exploração (no bom sentido) de outras belezas naturais da região, descentralizando o turismo do eixo Encontro dos Rios – Poço Feio – Toca da Onça. “Temos outros locais bonitos para oferecer na região, evitando assim os congestionamentos, carros estacionados em locais proibidos, etc. Precisamos urgente de ordem, do apoio dos órgãos responsáveis e dos olhos do poder público voltados para cá, para suportar a grande quantidade de turistas que recebemos o ano inteiro”, disse uma moradora de Lumiar, que compartilhou o desabafo acompanhado de uma foto emblemática: o acesso ao Encontro dos Rios completamente congestionado (fotos acima e abaixo). Eram tanto carros estacionados e outros tantos chegando ou saindo do ponto turístico que o trânsito deu um verdadeiro nó e simplesmente parou.

Moradores do quinto e do sétimo distritos também se queixam que muitos turistas e visitantes ignoraram o decreto que obriga o uso de máscaras, estacionaram veículos em locais proibidos e descartaram muito lixo de maneira indevida: “Estamos sem fiscalização no trânsito e a prefeitura parece não se lembrar da existência dos distritos. Estamos abandonados e entregues à própria sorte. Triste ver nosso lugar invadido por tanta falta de respeito e consideração. Lumiar agoniza e pede socorro”, desabafou outra moradora. “A prefeitura precisa olhar pela gente, porque vem outros feriados por aí. Esse lugar é minúsculo e sem estrutura”, afirmou outra.

O que diz a prefeitura

Em nota, a Prefeitura de Nova Friburgo informou que se fez presente em Lumiar durante o feriadão prolongado. Segundo o Governo Municipal, “foram realizadas ações orientativas e educativas com a Guarda Civil Municipal nos principais locais turísticos da cidade, inclusive em São Pedro da Serra e Lumiar”. 

Especialistas analisam esse tipo de comportamento

O mesmo comportamento foi observado em balneários e áreas de lazer de todo o Brasil, como mostra a foto de Wilton Júnior, do jornal O Estado de S.Paulo, que flagrou a Zona Sul do Rio pouco depois das 16h desta segunda-feira (acima). Segundo reportagem publicada pelo Estadão, que ouviu vários especialistas sobre o tema, algumas circunstâncias explicam parte de tantas aglomerações, como o fato de ter sido o primeiro feriado prolongado após a flexibilização da quarentena.

"As pessoas decretaram por elas mesmas o fim do isolamento, não há nenhuma dúvida sobre isso", disse ao Estadão  o infectologista Alexandre Naime Barbosa, da Unesp. Para ele, existe um limite de tempo em que o nosso cérebro consegue, de fato,  levar a sério uma ameaça, até que aquilo começa a ser considerado normal.

"É um comportamento egoísta, de quem olha mais para si e menos para os outros, e faz uma avaliação equivocada de que talvez o maior risco já tenha passado", disse o neurocientista Luiz Eugênio Mello, diretor científico da Fafesp. "Um outro ponto é a fadiga da quarentena, as pessoas se cansam de ficar em casa."

A especialista em saúde pública Chrystina Barros, do grupo especial de combate à Covid da UFRJ, aponta outra questão: "Aqui a epidemia se transformou numa questão política. As autoridades não conseguem ser coerentes, muitas aglomeram sem máscara, são vários sinais trocados e maus exemplos."

 

LEIA MAIS

Setor de estética foi um dos mais impactados com o isolamento social imposto pela pandemia de coronavírus

As quatro escolas de samba já teriam entrado em consenso para não ter desfile na Alberto Braune

Além do Centro, bairros como Olaria e distritos como Conselheiro Paulino têm mais contágio, segundo painel da prefeitura

Publicidade

Apoie o jornalismo de qualidade

Há 75 anos A VOZ DA SERRA se dedica a buscar e entregar a seus leitores informações atualizadas e confiáveis, ajudando a escrever, dia após dia, a história de Nova Friburgo e região. Por sua alta credibilidade, incansável modernização e independência editorial, A VOZ DA SERRA consagrou-se como incontestável fonte de consulta para historiadores e pesquisadores do cotidiano de nossa cidade, tornando-se referência de jornalismo no interior fluminense, um dos veículos mais respeitados da Região Serrana e líder de mercado.

Assinando A VOZ DA SERRA, você não apenas tem acesso a conteúdo de qualidade, mantendo-se bem informado através de nossas páginas, site e mídias sociais, como ajuda a construir e dar continuidade a essa história.

Assine A Voz da Serra